A Literatura serve para quê?

*

por Gislaine Becker**

O presente artigo nasceu da sugestão do Professor Doutor Alexandre Martins Viana, a respeito de um comentário que postei, no Blog da Revista Acadêmica, com relação ao artigo do Professor Doutor Walter Praxedes. Para situar o leitor, o artigo do Professor Praxedes falava sobre a prática da leitura e a formação do indivíduo, tendo como pano de fundo a segunda guerra mundial como exemplo e o questionamento da serventia da Literatura. O professor Alexandre por sua vez fez o seguinte comentário, sobre o meu comentário (desculpem a Epanadiplose ): “Gostaria que a professora Gislaine Becker escrevesse um artigo para o blog, pois as suas considerações sobre o texto de Praxedes são muito densas para ficar apenas nos comentários”. Pois bem, com muito gosto aceitei o convite, que desde já quero agradecer e cá estou para falar de Educação e Literatura.

Quando me debruço para escrever sobre a Literatura, muitas reflexões jogam-me por momentos intermináveis de reflexão. Na verdade, fico parada diante a grandiosidade, das Belezas que cercam o mundo literário. Mas para além de toda perplexidade que ela me causa, ela precisa ser analisada, explicada, compreendida, não somente com finalidades didáticas, todavia para que seja, na sua essência, entendida. E é, justamente, neste encontro de pensamentos e reflexões, porque não dizer paradoxal, que fico a pensar qual caminho a seguir.

Ora, pois, e por mais que pense e (re) pense o entendimento para um conceito da Literatura, o que me parece mais óbvio e, conseqüentemente, sem explicação determinada, é o conceito da arte da escrita. Por mais que alguns digam que este conceito é antigo, a Literatura ainda continua sendo a arte da escrita. E como toda a arte não se pode querer para ela uma definição comum a todos os entendimentos.

Para que serve a Literatura? Era a pergunta que o professor Praxedes fazia em seu artigo e que vou tentar responder fazendo uma análise do sistema educacional até chegar ao ensino da Literatura.

Se pegarmos os verbos, perceberemos que todos nos levam a uma ação, da mesma forma que alguns da primeira conjugação remetem-nos para a idéia de realizações como: educar, ensinar, caminhar, sonhar. Mas ensinar, sonhar o quê? educar, caminhar para onde? Talvez, as locuções adverbiais de lugar, tempo e modo nos digam para onde, como e quando. Métodos de um aprender cercado de explicações científicas, mas que esquecem o significado dos valores simples da vida. À lembrança da explicação gramatical somada à outra lembrança, desta vez socrática, leva-nos a refletir sobre o ato de ensinar. Educação vem do latim educare e educere, o primeiro conduz o indivíduo de um ponto ao outro; o segundo tira para fora as habilidades desses indivíduos. Logo, E-ducação é o ato de inserir o sujeito ao mundo com suas habilidades, conceito este explicado tão bem na maiêutica de Sócrates e retratado por Platão no diálogo de Mênon. Quiçá, o entendimento à complexidade da Educação esteja na simplicidade do verbo amar. Mas falar de amor, atualmente, parece algo fora de qualquer contexto, quando tal fato é mencionado as pessoas se olham, se “cutucam”, comentam, como se isto fosse um fato distante e fora da inerência do homem.

A Pedagogia do Amor é tão complexa que somente pode ser descrita e entendida na simplicidade do próprio ato de ensinar de forma apaixonada. Paulo Freire dizia que os olhos dos professores apaixonados brilham quando diante de uma explicação percebem, no sorriso do aluno, que ele entendeu o que o próprio professor não esperava explicar e que escola é gente, o diretor é gente, o professor é gente, o aluno é gente, a faxineira é gente, somos gente é nada mais natural que amar a toda a gente. A educação somente  fará sentido se a docência respeitar ao discente, tornando o ato de educar,  em um ato decente.

Os valores sociais mudaram e com isto nossa forma de educar e encaminhar parecem ter tomado o rumo complicado da vida. Chegamos a um ponto que o verbo E-DUCAR virou um verbo de  consumo, mas não consumo de trocas de saberes, de encaminhamentos e sim mercantilista.

A atual funcionabilidade do sistema educacional tornou-se um problema para a formação do indivíduo, na qual o ensino emergente e profissionalizante busca atender o mercado de trabalho, com objetivos imediatos e robotizados,  fazendo com que  homens esqueçam os valores fundamentais para sua vivência. Em outro momento, poderíamos pensar que a demanda mercantilista de alunos-profissionais está atendendo suas próprias necessidades, mas até que ponto uma determinada profissão dá liberdade ao homem, em que eixo está a ligação da profissão que cada um adota e o que cada um, realmente, é?. E de que liberdade estamos falando? Será que a liberdade profissionalizante faz parte da autonomia de cada um ou ainda, será que esta autonomia é um fragmento das necessidades sociais consumistas e que retrata a falta de preparo para a vida, ou será que o encaminhamento para a vida não é ponto de reflexão dentro da educação?

Por vezes chegamos a pensar que estamos refletindo sozinhos e que esta solidão de pensamento faz com que cada vez nos sintamos mais fora do sistema. Todavia, não para abandonar as nossas certezas estruturadas em nossos valores, mas para acreditar cada dia mais que devemos ficar atentos às reais necessidades e às emergências que a vida apresenta.

Conforme Beck, estamos situados em uma era de (des) construção,  uma era muito pobre, onde só há lugar para uma filosofia consumista, e a tal ameaçadora uniformidade de pensamento e ações tomou conta. A idéia desenfreada da oferta capitalista do século XIX parece (re) surgir com força total e novidades parecem correr o tempo, contrapondo-se ao percurso natural dos fatos. Todavia, Edgar Morin adverte-nos que nossa missão não é mais de ganhar o mundo, mas civilizá-lo. (MORIN, 2005: 05).

Dentro desse quadro descontrolado está o professor de literatura que entre muitos sentidos, sente-se, no mínimo, encurralado, pois como bem lembra Castro,  a literatura, a arte dentro desta conjuntura social e consequentemente do sistema educacional perderam o seu lugar, tornando-se cada dia mais difícil a tarefa de promover a educação humanista em nossos alunos, provocando uma grande lacuna entre os valores, os sonhos e realizações por meio da arte. Da mesma forma que idéias humanistas encontram dificuldades porque a atual estruturação da educação está moldada em valores emergentes, mas que em contrapartida abre-nos um campo analítico e porque não dizer dialético para repensarmos o atual sistema de formação. (CASTRO, 2001:U). É de extrema importância que se repense as ações dos verbos educar/ensinar/aprender, muito mais no que diz respeito à arte da escrita, da literatura. É com este prisma que se (re) pensa aqui a educação.

Quando refletimos a respeito de não termos leitores ou quando nossa reflexão passa para o abandono escolar, sempre nos vem à mente a idéia que estas perdas estão relacionadas ao fato de que a escola não respeita as diversidades culturais existentes dentro dela, da mesma forma que pretende impor seus valores, via suas metodologias de aprendizagens e para além disto e talvez por isto não leve em consideração os estímulos natos trazidos por seus alunos.

Como já dissemos, a literatura é uma arte e como toda arte nasce da ação criadora de criar, de imaginar, inserir e retratar o ser humano, da mesma forma que coexiste na aprendizagem para adquirirmos cultura, conhecimento da nossa e das demais sociedades, sejam elas atuais ou passadas e para nos conhecermos a nós próprios via reflexo do que foi, é e serão os homens de sempre e que para além disto e quiçá por isto,  acima de tudo ela é uma arte bem como lembra-nos Umberto Eco quando diz:

“As obras literárias convidam-nos à liberdade de interpretação porque nos propõem um discurso a partir dos inúmeros planos de leitura e nos colocam perante as ambigüidades da linguagem e da vida de uma forma única e mágica”. (ECO, 2003:9-23).

Partindo do conceito mais simples para todo o entendimento, conforme a enciclopédia Barsa, “literatura é o conjunto de todas as manifestações verbais (orais ou escritas), e de intenção estética, seja do espírito humano em geral, seja de uma dada cultura ou sociedade”. De outra maneira, podemos dizer que: “literatura é aquilo que comunidades de leitores, de tempos em tempos, convencionam reconhecer como prática discursiva e significante”.

A literatura atual é marcada por vários estilos e épocas literárias, contribuindo significativamente com o acervo da literatura universal, o qual é conceitualmente descrito como a literatura que abrange geograficamente e historicamente a maior gama de idéias culturais, sendo leituras consagradas por diversos povos, orientais e ocidentais, ou seja, que transcenda o seu território de origem em que foi publicado.

Condicionada pela tradição cultural e pelo devir histórico, a literatura tem, no entanto, uma dimensão que não se define somente pelas circunstâncias em que se produz. Nela, o talento individual do artista e a sensibilidade para os problemas de seu tempo são determinantes para mostrar, discutir ou criticar os principais aspectos de uma cultura. (ENCICLOPÉDIA BRITANICA DO BRASIL PUBLICAÇÕES, 1997).

A literatura universal é difusões de cultura de diferentes povos, Santos e Pereira (1999:18), comentam: “que existem diferentes contribuições à literatura universal, à grande literatura”. Continuando com a idéia de literatura universal, os autores complementam que: “não existem literaturas menores, mas contribuições distintas no concerto da literatura universal”. Estas contribuições acontecem em vários níveis, entre: os autores; autores e leitores; autores, educadores e leitores, formando um grande grupo literário, o que exige certa compreensão de todos os seus membros, que forma opiniões e necessitando o respeito mútuo, para que seja alcançado um dos principais objetivos da literatura, que é a comunicação por meio da troca de idéias, sem espaço para a distinção cultural e conseqüentemente, inserindo realidades, fazendo ligações entre diversos mundos possíveis a arte literária retrata a própria condição de existir.

Se pararmos para analisar em que o conceito estrutural filosófico e pedagógico está o embasamento da literatura universal, veremos que o da literatura universal, está compreendido a partir de um determinado grupo de obras que emergem de um determinado histórico-social-cultural para fazer parte, fragmentado em diversos períodos que vão determinar a grande literatura. Logo, o que forma a grande literatura, se não os fragmentos da interação de todos, de cada época literária e do seu tempo correspondente? Ou seja, duas partes interagem-se para formar para todos, neste caso para a formação da grande literatura universal. Da mesma forma está a formação da escola que é feita interação entre todos os contextos nela existentes.

Esta troca de informações, idéias e cultura, fazem da literatura e da escola uma grande capacidade integradora, em que retoma e atualiza a própria condição existencial de um ser situado, que não conhece o mundo como uma coleção de objetos diante de si, mas como horizonte originário do sentido que se materializa em cada experiência vivida. Logo, também, muitas questões cercam a intencionalidade da escola e conseqüentemente da literatura, uma vez que esta é parte integrante da cultura escolar[1], bem como o conceito da disciplina de literatura, pois a mesma sempre esteve à mercê de seus períodos históricos e sociais que determinavam seu ensinamento.

Entretanto, ainda ecoa a pergunta que não quer calar: Para que serve a Literatura? Se partirmos da base estrutural do sistema educacional, na qual a mesma está vinculada por séculos, que torna as metodologias de aprendizagem da Literatura uma mera disciplina para ingresso ao vestibular, ou aos exames nacionais, responderia ao professor Praxedes que de nada serviu, de nada tem servido e de nada servirá a Literatura. Logo, ainda lembrando Candido, a literatura não pode ser condicionada a “resumos” disciplinares, uma vez que as projeções literárias vão muito além, tornando-se díspares do “conjunto de formulações e conceitos”:

“(…) Com efeito, sociológicos, psicológicos e outros manifestam às vezes intuitos imperialistas, tendo havido momentos em que julgaram poder explicar, apenas com os recursos das suas disciplinas, a totalidade do fenômeno artístico[2]”. (CANDIDO, 2000:1).

Todavia, se olharmos para as múltiplas funções da Literatura e se tivermos uma metodologia diferenciada para sua aplicação, compreenderemos duas definições, entre muitas, que Antonio Candido ensinou e das quais quero lembrar o conjunto que se caracteriza pela soma de três sub-funções fundamentais da literatura, das quais vamos abordar, primeiramente, apenas duas. Segundo Antonio Candido, em A literatura e a formação do homem (CANDIDO, 1972:77-92), essa caracterização é denominada de humanização, papel esse que para nós é o portal que vai dar passagem ao encontro do homem consigo, pois bem citando o autor, a primeira função desse conjunto humanizador da literatura, entre muitos dos seus conceitos e funções, está voltada para a ação psicológica da necessidade nata que o homem tem em fantasiar com práticas do seu dia a dia. Práticas exercidas que são consideradas marginais às realidades do ser humano, entretanto, são por meio dessas práticas vividas como músicas, filmes, mini-séries, fotografias, novelas, livros que englobam os mais diversos temas universais como a guerra, a paz, o amor, os sonhos, entre outros, que o homem cria uma plataforma de entendimento que vai ligá-lo ao mundo e permitir a concretização de seus objetivos.

Tendo a literatura que sempre vai buscar na realidade o seu ponto de partida, porque a mesma avança primeiramente sempre de uma realidade para chegar à ficção[3], temos a segunda sub-função da literatura, dentro desse conjunto humanizador, que é denominada formadora, justamente por fazer a fusão da necessidade de fantasiar e a realidade do indivíduo. Logo, como diz o próprio autor (CANDIDO, 1972:77-92), a literatura acaba por ser um meio de educação, dentro da formação do indivíduo, mas não dentro de uma educação comum, com práticas metodológicas afastadas da realidade estudantil.

A literatura pode formar; mas não segundo a pedagogia oficial (…) (…) ela age com o impacto da própria vida e educa com ela (…) (…) É um dos meios por onde o jovem entra em contato com realidades que se tenciona escarmotear-lhe. (op.cit. p.83).

E, para além desta compreensão, precisamos ficar atentos no que diz respeito aos ensinamentos da Literatura, afinal se não compreendermos o seu real significado, suas funções e principalmente, como ela é ensinada e ministrada em sala de aula, poderíamos imaginar ao vermos um soldado de Hitler, lendo Goethe, que esta “arma” que está em suas mãos não tem efeito algum sobre ele. E nunca terá se não for devidamente ensinada e compreendida toda essência da literatura para a formação do homem. Da mesma forma que quero pensar que muitas perguntas se fazem no âmbito da serventia da literatura, ora, pois, a utópica idéia de mudar o mundo, por meio da leitura, não pode ser concretizar se não começar por um número pequeno de participantes, entretanto, seletos, pois estão em formação humana dentro do ciclo da vida. E esse número reduzido de participantes deverá ser incentivado a começar no seu espaço físico alcançável, numa projeção futura para o mundo e, no mínimo com resultados para seu mundo, que conseqüentemente agirá sobre os demais. E assim, sucessivamente, a engrenagem de mudança começar a “andar”. Uma ação comunitária benéfica para todos. Nossa proposta começa à margem das metodologias existentes, mas que possui resultados significativos.

Analisando o papel do professor de literatura, antigamente tínhamos a idéia de que deveria ser o professor a fornecer indicações de livros, assim como ensinar o percurso da literatura feito pelos escritores ao longo dos tempos. É uma forma de metodologia, bem verdade, mas não é a única e nem deve ser mais a única, porque o uso de tais práticas tem distanciado o aluno das obras literárias e se é uma (des)construção de aprendizagem não combina com E- DUCAÇÃO, porque e-ducação é antes de tudo formar o homem no todo, considerando seu passado, presente e o seu futuro e se não fizermos a ponte entre o homem e o seu contexto, nunca conseguiremos perceber a importância da literatura na formação de nossos alunos. Afinal e, por fim, a cena sempre será esta: alguém lendo, em plena guerra, seja ela qual for, um texto humanístico sem ao menos entender o que está lendo.


* As referências bibliográficas utilizadas para confecção deste texto estão no artigo completo titulado (Re) Pensar a Educação e o Ensino da Literatura, publicado na REA, nº 105, fevereiro de 2010. O título deste texto faz uma alusão ao artigo do Professor Praxedes, titulado Para que serve a Literatura?, publicado na edição de Janeiro, 2010, no blog da REA.

** Formada em Letras pela Universidade do Sul de Santa Catarina; Pós-graduada pela Universidade de Lisboa; atualmente reside em Lisboa; doutoranda em Ciências da Educação pela Universidade Nova de Lisboa; Professora das Litetraturas brasileira e portuguesa; trabalha com metodologias de ensino da literatura; formação de leitores em sala de aula, via literatura; autora do Projeto Livro Aberto que tem como objetivo formar leitores dentro e fora da sala de aula. Email: g.becker@fct.unl.pt Blog: http://illustramus.blogspot.com.

[1] Segundo como descreve Dominique Julia, “cultura escolar é um conjunto de normas que definem conhecimentos a ensinar e condutas a inculcar, e um conjunto de práticas que permitem a transmissão desses conhecimentos e a incorporação desses comportamentos; normas e práticas coordenadas a finalidade que podem variar segundo épocas”. “La culture scolaire comme objet historique”,Paedagogica Historica. International journal of the history of education (Suppl. Series, vol. I, coord. A. Nóvoa, M. Depaepe e E. V. Johanningmeier, 1995, pp. 353-382)

[2] Redação feita da conferência de Antonio Candido realizada em 1957, na Sociedade de Psicologia de São Paulo.

[3] Quando nos referimos ao momento que parte do real à ficção, devemos levar em consideração de forma simples e mais compreensível, entre muitos aspectos importantes, que quem escreve está inserido em um mundo real. A partir dessa realidade na qual o autor está inserido, ele faz emergir a imaginação na qual é feita a fusão entre o vivido e o imaginado, criando assim a primeira ligação entre a realidade e a ficção. (Becker, 2002). Outra visão estabelecida por Iser, em O Ficcional e o Imaginário, lembra-nos que as ficções não só existem enquanto textos ficcionais, mas também desempenham um papel tão fundamental nas atividades do conhecimento, do agir, do comportamento quanto na fundação de instituições, sociedades e visões do mundo”. (ISER, 1996:35-36)

Anúncios

9 comentários sobre “A Literatura serve para quê?

  1. como eu também sou aluna eu queria dizer que literatura precisa ser mais complexa e mais explicada,mas como a minha opinião não é a mesma do que as dos outros não posso dizer nada.Mas mesmo assim obrigado por ler o meu comentário

  2. Na minha opinião a literatura não precisa, e nem deve, ter serventia. Literatura é antes de tudo prazer. Se dela advir algum conhecimento ou transformação pessoal, tanto melhor, significa que estivemos em contato com boa Literatura. Literatura útil é a que se faz por encomenda para educar e passar valores, antigamente função da família. A utilidade ou o utilitarismo não se aplicam à imensidade que a Literatura é.

  3. “O professor Alexandre por sua vez fez o seguinte comentário, sobre o meu comentário (desculpem a Epanadiplose).”
    Não vejo qualquer epanadiplose nessa frase. Nem mesmo anadiplose. A palavra do final do primeiro grupo não é retomada no início do segundo grupo. Ao ser feita a explicação, não foram retomadas palavras do grupo sintático precedente. Há, sim, uma epístrofe: a palavra “comentário” é repetida no final de dois grupos sucessivos.
    E, se houvesse realmente uma epanadiplose, não haveria porque pedir desculpas. A epanadiplose é uma belíssima e expressiva figura de linguagem (de construção).

  4. Como aluna de Letras, fui atraída para esta página pelo título. Ele me assustou, de início e, mais ainda, em seguida, me espantou o texto. Embora não desconsidere toda a pesquisa – densa, pude perceber – feita pela autora, me frustra pensar que a literatura serve a um papel, seja qual for. No mundo em que vivemos (a rapidez a informação, a compra e venda cada vez mais facilitadas pelos meios de comunicação, a velocidade com que o saber nos atinge) a Literatura, a Arte, em geral, me parece o único domínio humano que não se presta ao comércio. E se há um autor perdido no desconhecimento do público, ele não é mais ou menos autor do que aquele que vende um milhão de cópias por ano.
    Se a Literatura se presta ao desenvolvimento cognitivo, interpessoal humano, parece-me ser exclusivamente porque todo e qualquer acontecimento interfere no desenvolvimento humano, para o bem ou para o mal.
    Mas, de qualquer maneira, é difícil pensar que tudo o que lemos durante nossa vida de nada serve, em nada contribui para o enriquecimento material de qualquer pessoa, mesmo o meu.
    Não acho que a Literatura sirva. A Literatura simplesmente é.

  5. Creio que o prresente artigo representa a sintese perfeita do que seja literatura e para que serve. O que se pode perceber é que os alunos da Educação Básica se distanciaram da literatura porque na maioria das escolas as leituras e os ditados foram abolidos. Cosndidero que a literatura tem uma função primordial na socialização porque insere o individuo na realidade social que ele vive e contribui para a construção de sua visão de mundo. Infelizmente nossos alunos perderam isso.

  6. Pois é Sandra…
    Quero agradecer os teus comentários e te dizer que não haveria necessidade de educar o lado humano, uma vez que somos todos humanos. Seria uma redundância. Mas infelizmente precisamos. E tudo passa pela formação do Educador diante da consciência e intencionalidade do poder da Educação. Talvez esteja aí a explicação para a atual formação de Educadores hoje e não somente no Brasil, todavia no mundo inteiro.
    Escreva-me sempre!

  7. Gislaine:

    O título do seu artigo(Re)Pensar a Educação e o Ensino da Literatura foi ao encontro das discussões, anseios e indagações dos professores e das professoras que trabalham com Linguagem(estudos linguísticos) e Literatura. Esses profissionais vivem, com certeza, a crise educacional devido a um contexto histórico, social, econômico e cultural.

    Como bem apresentou você, “EDUCAR virou um verbo de consumo, mas não consumo de trocas de saberes, de encaminhamentos e sim mercantilistas”. Concordo no que diz respeito ao desdobramento educacional:antes(formação intelectual e humanizadora);hoje(formar para o mercado de trabalho).Mas, infelizmente,há um paradoxo aí. Formar para o mercado de trabalho deveria estar subentendido à formação humanizadora do indivíduo, pois é uma exigência das empresas.Além da responsabilidade ética, há também a exigência profissional. Nesse contexto, as empresas educacionais voltam-se apenas para o capital, deixando de lado a formação do educando. Hoje o que se vê é um fosso muito grande entre a demanda de profissionais pelas empresas e a qualificação deles.

    No contexto educacional, o problema tornou-se sério. Há um contingente de profissionais sendo formado de maneira rápida, tanto nos cursos de graduação como nos de pós-graduação sem muito preparo e, assim, começam a atuar no mercado, contribuindo, cada vez mais, para a divulgação de falsas verdades como, por exemplo, não há necessidade de ensinar e aprender a variante padrão,pois hoje só se trabalha com textos. E o pior: os textos são explicados superficialmente como quase tudo na educação hoje.

    Claro que nem todas as instituições nem todos os estados a educação se realiza assim. Vivi em três estados diferentes no Brasil e percebi que, em cada um deles, a educação acontece de forma diferenciada. Por exemplo, existe estado que a pior escola corresponde a melhor em outro estado. Refiro-me às escolas particulares. Quanto às escolas públicas, acredito que mereceria um artigo sério com o título:Por que a maioria das escolas públicas não funcionam? Seria interessante que professores de vários estados escrevessem um artigo. Assim, poderíamos observar semelhanças e diferenças. Se algum professor desejar, pode mandar para meu e-mail(sandrameyre@yahoo.com.br)que postarei em meu blog.

    Outro ponto merece ser comentado no seu artigo: A Pedagogia do Amor. Em primeiro lugar, agradeço a Deus por Paulo Freire ter existido e contribuído para o progresso educacional. Eu mesma fui beneficiada e continuo sendo com a leitura dos livros dele porque eles me permitiram ser uma pessoa mais politizada, por exemplo. Contudo, acredito que qualquer profissional, apaixonado pela profissão, independente de área de atuação, ficará com os olhos brilhando com o progresso do Outro. Seja um professor ou ,por exemplo, um médico quando descobre o diagnóstico da doença do paciente.

    No atual contexto educacional, os valores foram invertidos. Na maioria das vezes, o professor não é visto como gente e isso é sério.Talvez o problema esteja exatamente nos recortes que muitos fazem da obra de educadores como Paulo Freire para justificar o injustificável. Muitos querem explicar as propostas de teóricos educacionais sem, na verdade, entender o real significado delas. Acredito também que as propostas educacionais desses teóricos, quando divulgadas, devem ser atualizadas. Estamos em constante movimento, mudança e o não saber olhar, o não saber compreender e o não saber atualizar contribuem para o empobrecimento de toda uma sociedade. Talvez seja esse o problema da Pedagogia do Amor: falta de compreensão e a falta de atualização.

    Concordo com você quando diz que a Literatura é a arte da palavra, principalmente, a escrita. A ampliação do significado dessa palavra e a arquitetura dela realizada pelo artista literário, abre a porta que conduz à liberdade de cada indivíduo. Essa liberdade só é possível se existir um profissional mediador capaz de fazê-lo compreender o trabalho realizado com essa palavra. Esse é o trabalho do professor para com o educando:ensiná-lo a ser um leitor competente e não manipulado. Ler subentendidos, pressupostos, intertextualidades… Não acredito que para cada grande homem, sempre exista uma grande mulher; porém, acredito que para cada grande profissional, há sempre uma maravilhosa biblioteca.

    A Literatura está a serviço da liberdade e não da opressão. Liberdade não combina com opressão, mas combina com amadurecimento. Na maioria das vezes, amadurecimento está ligado ao desenvolvimento intelectual. Quando amadurecemos intelectulmente, não permitimos ideologias que nos oprimem, pois logo as percebemos. Aí está a função humanizadora que Antonio Candido fala. A Literatura permite o encontro da pessoa com ela mesma que nada mais é do que o amadurecimento intelectual do indivíduo que o conduzirá a uma liberdade capaz de fazer escolhas seguras e traçar metas…Além de Antonio Candido, citaria Bakhtin, pois há convergências de teorias entre eles com ampliação da leitura dialógica em Bakhtin. Para completar, Paulo Freire propõe uma educação libertadora a partir da prática do diáligo epistemológico.

    Termino acrescentando que o processo educacional de inclusão por meio do vestibular para o ingresso nas universidades é falho, mas muito mais falho é o processo de ensino-aprendizagem do país.(com exceções)

    Sandra Nunes

  8. Bravo Gislaine!
    Até que enfim aprendi o que é leitura num conceito mais didático. Sempre senti que a luz execessiva de alguns especilistas no assunto me ofuscavam a retina. Com você e o Prof.Praxedes o coceito de leitura é como uma penumbra que tranquiliza. Vou repassar teu artigo para alguns professores amigos meus. Posso?
    Forte abraço
    Potoko

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s