O partido secreto

por Luís Carlos Lopes*

É inverídica a afirmação de que o pensamento conservador não possua muitos adeptos na universidade pública. Existe uma verdadeira guerra de posições entre os professores, alunos e funcionários mais integrados e os descontentes com a hegemonia da ignorância e do reacionarismo.

O ataque político-ideológico de setores das direitas do Brasil às universidades públicas é curioso. Ele consegue unir jornalistas pequeno-burgueses que militam na imprensa mais conservadora do país a alunos de origem pobre, vindos de famílias que jamais alcançaram o ensino superior. Estes, quase sempre, são residentes em domicílios onde a palavra escrita mais conhecida é a Bíblia e/ou a mídia mais consumida é a TV aberta. O reacionarismo é uma erva da daninha, não sendo somente uma crença das elites. O conservadorismo popular, quase sempre negado ou negligenciado, é um problema grave que precisa ser atacado.

Não raro, os professores de biologia são admoestados por seus alunos ao tentar ensinar a teoria da evolução. Estes resistem bravamente, e, coléricos, reafirmam o velho criacionismo derrotado por Darwin no século XIX. Existem os que falam e defendem seus pontos de vista publicamente e os mais covardes que calam, com medo do vexame, manifestando-se em âmbito privado e na Internet. A polêmica entre criacionistas e evolucionistas, guardando-se as devidas proporções, se repete em sala de aula de todos os ramos do saber, quando alunos mais limitados são apresentados às teorias consagradas das ciências de qualquer cepa. O preconceito secreto contra o conhecimento, de origem medieval, tem livre curso entre parcelas substantivas dos jovens e nem tão jovens do Brasil.

Os sites e blogs deste mesmo movimento reproduzem matérias jornalísticas que acusam os professores de ‘doutrinadores’, de ‘esquerdistas’, de mentirosos e outras bobagens a mais. No mesmo lugar, são encontráveis depoimentos de alunos, familiares, militantes, bem como, vídeos gravados de modo secreto e ilegal de aulas que incriminariam os perigosos professores de esquerda. A idéia é juntar ‘provas’ de que as universidades públicas, os cursinhos pré-vestibulares e, até mesmo, os concursos públicos estariam povoados por ‘comunistas’ que comem ‘criancinhas’. Eles querem uma ‘escola sem-partido’. Não querem saber que, até em silêncio, sempre se escolhe e se defende uma posição. Obviamente, os partidários destas idéias respondem a estas críticas, negando tudo. Não passam recibo do que realmente acreditam. Esquecem que o homem é um animal político, tal como ensinou Aristóteles.

É necessário sublinhar que o mesmo ataque dirige-se contra as escolas públicas e contra qualquer tipo forte ou frágil de difusão de posturas e de conhecimentos anti-hegemônicos ou a simples difusão do saber científico e artístico universal. Nenhuma palavra é escrita sobre os cursos universitários da área privada. Deve-se presumir que esses críticos e, ao mesmo tempo, usuários do ensino público devem achar que o melhor seria que todas as escolas fossem privadas e que o ‘mercado’ fosse o rei vazio do saber ensinado.

Afinal, para que falar em política, história, ciência, literatura e outras formas de arte? De que adiantaria incrementar o debate com idéias que discordariam dos sensos comuns e das tradições? A quem serviria discordar das religiões dominantes ou paralelas, da televisão de todo dia, do cinema comercial etc? As escolas, fundamentalmente as de nível superior, deveriam apenas certificar seus alunos, distribuindo os diplomas tão almejados. Não deveriam cobrar nada de mais sério deles, bem como, nada exigir além do ritual burocrático-acadêmico e nem checar se eles estão de fato preparados para as carreiras que escolheram. É o que parece que os defensores dessas idéias pensam.

Eles construíram um universo bastante afastado da realidade do que realmente se passa no ensino público universitário. É verdade, que neste ainda há espaço para discussão crítica e para a atualização dos saberes humanos. Fora dele, pouquíssimos espaços brasileiros discutem algo de mais substantivo. A tendência é de fazer o que os mestres midiáticos e conservadores mandam e recomendam. Essa janela, que insiste em interpretar o mundo, deve irritar bastante os mais tradicionalistas e conservadores, tal como sempre aconteceu.

É inverídica a afirmação de que o pensamento conservador não possua muitos adeptos na universidade pública. De fato, existe uma verdadeira guerra de posições entre os professores, alunos e funcionários mais integrados e os descontentes com a hegemonia da ignorância e do reacionarismo. Nesta mesma universidade, existe espaço para as mais diferentes correntes políticas e do saber e estas não são, necessariamente, inimigas da ordem. Há um exagero calculado e a tentativa de desqualificar o que não compreendem e rejeitam a priori. Lá, existe um pouco de tudo, como em qualquer outro ambiente humano de grandes proporções. Fazem parte dessas escolas santos e demônios, oportunistas e altruístas e muita gente que não se coloca em nenhum dos extremos conhecidos.

Por que eles tanto atacam estas instituições? Na visão de mundo deles, tudo que possa atrapalhar a dominação ideológica sufocante que almejam deve ser sumariamente destruído. Não há perdão. Eles têm saudade da época da ditadura militar e de todos os regimes autoritários do mundo afora. Desejam que o Brasil caminhe na direção de uma sociedade com uma só voz, com as pessoas controladas e sem capacidade crítica. Odeiam a ciência, a arte e se pudessem mandariam para fogueira os livros mais importantes da história da humanidade. Muitos dos seus seguidores detestam a palavra escrita, adoram a imagem e têm enorme aversão ao ato de pensar. Os que aceitam o que apreendem nos livros selecionam autores e idéias que defendam os mesmos pontos de vista ou possam ser usados nesta direção. Obviamente, isto não faz parte da superfície dos seus discursos. Pode ser depreendido, mergulhando-se nos conteúdos.

A velha técnica da manipulação implica inverter significados, cortar frases e dar interpretações truncadas. O que se quer é transformar as audiências em bonecos de ventríloquos, impedir que pensem e que decidam em sã consciência. Isto funciona. Existem mil e um exemplos da história humana da construção de versões para esconder a verdade, de se manipular grande quantidade de seres humanos e de usá-los como instrumentos do poder de uma pequena minoria.


* Luís Carlos Lopes é professor e autor do livro “Tv, poder e substância: a espiral da intriga”, dentre outros. Publicado em Agência Carta Maior, 06.02.2010.

Anúncios

6 comentários sobre “O partido secreto

  1. Parabéns! Existem muitos que têm essa visão e esse olhar crítico, no entanto, argumentar com propriedade e externar tais pensamentos, é para poucos…!

  2. Prof. Luiz Carlos;
    Excelente artigo, tendo em vista retratar fielmente, o que se passa atualmente em nossas Universidades públicas!
    Este pensamento conservador, fruto em minha opinião, de vários anos de domínío,só agora está sendo analisado e questionado. Se voltarmos nosso olhar, veremos que a grade e o ensino destas intituições, sempre foram no sentido de manter o estatus quo desta camada.E digo mais, qualquer tentativa de mudança, qual seja, uma reforma no ensino universitário,ainda vai levar um bom tempo,em virtude da resistência dos Reitores/professores, e principalmente dos novos alunos, oriundos das camadas mais populares, que “tiveram suas mentes “lavadas” pelo sistema!

  3. Gostei muito. Sinto receio dessa onda reacinário. Não lhe parece um enredo já vivido? Eveline

  4. Concordo que estamos tendo uma avalanche de ideias reacionárias e conservadoras, não somente na acadêmia, que deveria ser o local de multiplas concepções de mundo; nas escolas estamos trabalhando com um expressivo grupo de docentes de religiões neopentecostais, que abominam o criacinismo de Darwin; esses profissionais são cria desta acadêmia engessada e sem liberdade de ideias, presa ao cartesianismo. Tivemos no ano passado uma atividade em minha escola, que como coordenadora tive que explicar para uma professora, que ali se ensinava com base nas ciências, em dados e fatos e não em mitos, ela ficou irredutível de desenvolver a ação pedagógica, demostrando a intolerãncia de certos segmentos religiosos que ocupam um espaço que deva ser prioritário nas descobertas e reflexões do mundo. Eliane Cruz – São Gonçalo/RJ

  5. È verdade que o pensamento conservador marcou posição na Universidade e se comporta com indiferença diante do novo que se abre àqueles alunos que chegam à Instituição sedentos dos saberes ali contidos. É bom registrar que os novos quadros que estão saindo da Universidade estão antenados e comprometidos com os novos tempos, novas metodologias. Creio que o embate é positivo.

  6. Caro Professor Luís Carlos Lopes, seu texto contempla quem a angustia de quem trabalha em universidade publica, por ouso a comentar. Claro que não há veracidade na afirmação de que: “o pensamento conservador não possua muitos adeptos na universidade pública”. Não tenho referencias de quem fez essa afirmação, até porque as universidades públicas com raras exceções se apresentam privatizadas e particularizadas, fomentadas com recursos públicos que alimentam as idéias e ideais de uma “classe média” profundamente limitada pelos seus desejos de consumo, bens materiais e projeção junto aos seus próprios pares. A que distancia comunidade acadêmica seja catalogada como pública ou particular de qualquer perspectiva de modificação do quadro social. O que se pode entender como “conservadorismo popular”, se vivemos em uma sociedade em que o que se apresenta como popular logo é apropriado pelas elites dominantes e transformado em exclusivo de determinados setores e micro setores da sociedade. Talvez a categoria fosse o conservadorismo da ignorância que as elites hegemônicas tentam popularizar como verdades incontestáveis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s