O Panóptico: Foucault confirma Orwell

por PAULO ROBERTO GIARDULLO PINTO*

Ao ler Admirável Mundo Novo de Huxley e 1984 de George Orwell, fiquei com a impressão de que aquele aparato estatal de vigilância com a Grande Tela e o Grande Irmão, as torturas, a tensão constante num ambiente de delação, fazia referência mais especificamente aos regimes totalitários de esquerda ou de direita, enquanto os modos pseudo-democráticos de condução e massificação de Admirável Mundo Novo se identificavam categoricamente com a sociedade tecnológica, consumista e capitalista em que vivemos. As brilhantes comparações de Aldous Huxley no prefácio do seu ensaio de 1958, Regresso ao Admirável Mundo Novo reforçaram esta idéia de que os elementos coercitivos de 1984 caracterizavam as ditaduras, inclusive a brasileira dos militares pós 64 e os elementos de manipulação, de condução sutil “como um gado” de AMN seriam características das “democracias” capitalistas ocidentais, portanto com analogia mais acentuada com a nossa realidade atual.

Porém, ao ler sobre o pensamento e a obra de Michel Foucault, principalmente Vigiar e Punir (1975), percebi que o 1984 de Orwell está muito mais presente em nossa vida atual do que eu pensava. Senão superando a presença indiscutível de Admirável Mundo Novo, pelo menos participando em pé de igualdade no que diz respeito ao controle social em nosso tempo. Em Vigiar e Punir, Foucault trata com muita propriedade do tema da “Sociedade Disciplinar”, implantada a partir dos séculos XVII e XVIII, consistindo basicamente num sistema de controle social através da conjugação de várias técnicas de classificação, de seleção, de vigilância, de controle, que se ramificam pelas sociedades a partir de uma cadeia hierárquica vindo do poder central e se multiplicando numa rede de poderes interligados e capilares. O ser humano é selecionado e catalogado individualmente, não no sentido de valorizar suas particularidades que o fazem um ser único, “um mamífero com um grande cérebro”, como disse Huxley, mas para melhor controlá-lo. O sentido é dissecar o corpo social, transformar esta massa amorfa em micro seções individuais, para conhecer e controlar. O Poder nesse sentido é exercido de forma celular. Pois como diz Foucault, “toda forma de saber produz poder”. Dividir, classificar, conhecer cada célula social para governar. O poder é então baseado na “Microfísica do Poder”, outra obra de Foucault. O filósofo aponta que a motivação de toda esta rede de controle se justifica pela necessidade que a burguesia teve de efetivar um controle mais determinado sobre as massas, que poderiam representar um perigo explosivo, se fossem levados a sério os ideais da Revolução Francesa e do Iluminismo. Seria como se fossem abertas as comportas de uma imensa represa, cujas águas foram mantidas estancadas a milênios desde a Antigüidade remota, através dos mais variados mecanismos de poder, cuja argamassa da ignorância popular foi um dos elementos mais eficazes da sustentação desta barragem. Se deixassem essa imensa quantidade de água descer rio abaixo, livre com o conhecimento do Iluminismo, ela certamente inundaria e destruiria as luxuosas instalações do poder e sua corte finíssima, que hoje se traduz por burguesia. Era preciso consertar a velha barragem e parar essa força descomunal das massas ou então construir uma outra barragem e reservar o trinômio Liberdade, Igualdade e Fraternidade para os sócios do seleto clube burguês. Assim foi feito com a implantação da “Tecnologia das Disciplinas”.

E o que é mais interessante para nós, admiradores de Orwell: este “Poder das Sociedades Disciplinares”, se baseou, segundo Foucault, no modelo do Panóptico de Jeremy Bentham (1748-1832), o filósofo utilitarista inglês que idealizou o sistema de prisão com disposição circular das celas individuais, dividas por paredes e com a parte frontal exposta à observação do Diretor por uma torre do alto, no centro, de forma que o Diretor “veria sem ser visto”. Isto permitiria um acompanhamento minucioso da conduta do detento, aluno, militar, doente ou louco, pelo Diretor, mantendo os observados num ambiente de incerteza sobre a presença concreta daquele. Essa incerteza resultaria em eficiência e economia no controle dos subalternos, pois tendo invadida a sua privacidade de modo alternado, furtivo, incerto, ele mesmo se vigiaria. Esse sistema permitiria também um controle externo do funcionamento do Panóptico, pois uma simples observação a partir da torre, permitiria a avaliação da qualidade da administração do Diretor, sendo ele também vigiado. Esta vigilância se espalhou de modo similar por toda a sociedade em uma rede ramificada além da estrutura física das instituições. Essa distribuição capilar do Poder é um dos pólos fundamentais de controle das massas, potencialmente perigosas à “Ordem”.

Ora, aí, no Panóptico estão explícitos os elementos essenciais de 1984: a vigilância, o suspense de ser visto sem ver, as inspeções alternadas e incertas: “a qualquer momento a Polícia do Pensamento pode entrar e dar voz de prisão”, a qualquer momento o cidadão pode cometer o Crimidéia, qualquer um pode ser o delator, desde as próprias crianças até o amigo do boliche. A Grande Tela vigia, filma, invade a privacidade, ela é o próprio Panóptico elevado ao cubo, espalhado, inflado. Foucault fala da impessoalidade do Diretor, ele pode estar na torre, pode não estar, é vedado ao observado saber se ele está ou não na torre, se o Diretor está ou não o observando. O observador não precisa necessariamente ser o Diretor, pode ser um amigo, seus familiares, um simples funcionário subalterno, pode nem haver ninguém. O Grande Irmão também não é impessoal? Na verdade uma abstração, uma personificação do Estado, ele pode ou não existir como pessoa física. Quantos boatos já se fizeram sobre a morte não divulgada de um líder poderoso e a suspeita de que o seu Império continuava de pé? Também há correspondência em relação à asfixia do drama vivido por Winston. O texto de Foucault é igualmente sufocante, tem-se uma primeira impressão de que não há saída possível. Dizem que há até uma discussão sobre a validade do caráter marxista-libertário da obra de Foucault, tamanha a desesperança inicial quando se toma conhecimento da malha tão intrinsecamente montada do poder. Mas é claro que tem que se buscar uma saída, o que Foucault aponta no decorrer de outras obras. Mas o certo é que Foucault é uma confirmação do escritor de 1984. Aquilo que George Orwell anteviu em 1948, em forma literária-alegórica, Foucault detalhou, décadas depois, de forma teórico-filosófica. Isto nos traz uma correspondência maior ainda entre Aldous Huxley e Orwell. Por este prisma, há quase uma fusão entre 1984 e Admirável Mundo Novo. A vigilância coercitiva, sufocante, explícita e implícita da Grande Tela e do Grande Irmão com a massificação terrivelmente uniforme da “felicidade tecnológica” e do condicionamento Skenneriano de Brave New Word. Ora, em AMN também não havia um rígido controle de classificação, de catalogação dos fetos, das pessoas? Claro, apesar da alienação pelo condicionamento, imbecilização, drogas e tudo o mais, era necessário um rígido controle dos indivíduos (se é que podemos chamá-los assim) para se assegurar a homogeneidade. Por outro lado em 1984 havia a coerção e a intimidação, mas havia também a propaganda e a sugestão estatais exercidas pela Grande Tela. “Lá fora faz um tempo confortável e a vigilância cuida do normal” (Zé Ramalho, Admirável Gado Novo). É a normalidade que buscam, tanto Mustaf Mond, o Coordenador Mundial de AMN, quanto o Grande Irmão.

BIBLIOGRAFIA:

BENTHAM, Jeremy. O Panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. (Organização e tradução de Tomaz Tadeu da Silva).

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979, 17ª Edição.

__________. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

HUXLEY, Aldous. Admirável Mundo Novo. Rio de Janeiro: Cia. Brasileira de Divulgação do Livro, 1969. (11ª Edição)

__________. Regresso ao Admirável Mundo Novo. São Paulo: Círculo do Livro, 1959.

ORWELL, George. 1984. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1978, 11ª Edição.


* Publicado na REA, nº 28, setembro de 2003, disponível em http://www.espacoacademico.com.br/028/28cpinto.htm; na época, o autor estava graduando em História.

Anúncios

2 comentários sobre “O Panóptico: Foucault confirma Orwell

  1. Paulo Roberto,
    O Panóptico (…) permite aperfeiçoar o exercício do poder. E isto de várias, maneiras: porque pode reduzir o número dos que o exercem, ao mesmo tempo que multiplica o número daqueles sobre os quais é exercido (…) Sua força é nunca intervir, é se exercer espontaneamente e sem ruído (…) Vigiar todas as dependências onde se quer manter o domínio e o controle. Mesmo quando não há realmente quem, assista do outro lado, o controle é exercido. O importante é (…) que as pessoas se encontrem presas numa situação e poder de que elas mesmas são as portadoras (…) o essencial é que elas se saibam vigiadas.
    Focault, (1997), pág: 170
    As instituições panópticas são leves e fáceis de manipular, utilizam princípios simples de correção e adestramento. É uma espécie de campo experimental de poder, assegura a sua economia, a sua eficácia e o seu funcionamento.
    A base desta arquitetura institucional é o exame contínuo (a prova, o teste), para controlar “à nascença” as causas dos desvios. O sujeito torna-se culpado (ou “burro”, ou louco, ou doente) até prova (exame) em contrário. Em todos os dispositivos de disciplina, o exame, então, tem de ser altamente ritualizado.
    Temos em nossos dias o exemplo ridículo da TV Globo com o BBB condicionando a mente do cidadão; outro, a TV Record com A FAZENDA, “estilo globo panóptico” condicionante, humilhante, para deixar como sempre fizeram a mente da população impensante. Isto foi coisa elaborada pelos Franceses, quando manipulavam condicionando também os dizeres na Bíblia.
    abraços,
    Marilda Oliveira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s