Eleições presidenciais 2010: em leilão, os ovários das mulheres!

por FÁTIMA OLIVEIRA*

“Isso aqui”, o Brasil, não é um colônia religiosa, não é um Reino e nem um Império, é uma República! Dado o clima do segundo turno das eleições presidenciais brasileiras, parece que as urnas vão parir uma Rainha ou um Rei de Sabá, uma Imperatriz ou um Imperador, que tudo pode, manda em tudo e que suas vontades e ideias, automática e obrigatoriamente, viram lei! Não é bem assim…

Bastam dois neurônios íntegros para nos darmos conta que o macabro leilão de ovários (com os ovários de todas as brasileiras!), em que o aborto virou cortina de fumaça, objetiva encobrir o discurso necessário para o povo brasileiro do que significa, timtim por timtim, eleger Dilma ou Serra.

No tema do aborto a tendência mundial é, no mínimo, o aumento dos permissivos legais, que no Brasil são dois, desde 1940: gravidez resultante de estupro e risco de vida da gestante.  Pontuando que legalização do aborto ou o acesso a um permissivo legal existente não significa jamais a obrigatoriedade de abortar, apenas que a cidadã que dele necessitar não precisa fazê-lo de modo clandestino, praticando desobediência civil e nem arriscando a sua saúde e a sua vida, cabe ao Estado laico e democrático colocar à disposição de suas cidadãs também os meios de acessar um procedimento médico seguro, como o abortamento.

Negá-lo, como tem feito o Brasil, que se gaba de possuir um dos sistemas de saúde mais badalados do mundo que garante acesso universal a TODOS os procedimentos médicos que não estão em fase de experimentação, é imoral, pois quebra o princípio do acesso universal do direito à saúde! Eis os termos éticos para o debate sobre o aborto numa campanha eleitoral. Nem mais e nem menos!

Então, o que estamos assistindo nas discussões do atual processo eleitoral é uma disputa para ver quem é a candidatura mais CAPAZ de desrespeitar os princípios do SUS, pasmem, em nome de Deus, num Estado laico! Ora, quem ocupa a presidência da República pode até ser carola de carteirinha, mas para consumo pessoal e não para impor seus valores para o conjunto da sociedade, pois a República não é sua propriedade privada!

Repito, não podemos esquecer que isso aqui, o Brasil, é uma República que se pauta por valores republicanos a quem todos nós devemos respeito, em decorrência, não custa nada dizer às candidaturas que limitem as demonstrações exacerbadas de carolice ao campo do privado, no recesso dos seus lares e de suas igrejas, pois não estão concorrendo ao governo de um Estado teocrático, como parece que acreditam. Como cidadã, sinto-me desrespeitada com tal postura.

As opções religiosas são direitos pétreos e questões do fórum íntimo das pessoas numa democracia. Jamais o norte legislativo de uma Nação laica, democrática e plural. Para professor uma fé e defendê-la é preciso liberdade de religião, só possível sob a égide do Estado laico, onde o eixo das eleições presidenciais é a escolha de quem a maioria do povo considera mais confiável para trilhar rumo a um país menos miserável, de bem-estar social, uma pátria-mátria para o seu povo.

Ou há pastores/as e padres que insistem em ignorar a realidade? “Chefe religioso” ignorante de que a sua religião necessita das liberdades democráticas como do ar que respiramos, não merece o lugar que ocupa, cabendo aos seus fiéis destituí-los do cargo, aí sim em nome de Deus, amém!

O leilão de ovários em curso resulta de vigarices e pastorices deslavadas, de má-fé e falta de escrúpulos que manipulam crenças religiosas de gente de boa-fé para enganá-las, como a uma manada de vaquinhas de presépio, vaquejadas por uma Madre Não Sei das Quantas, cristã caridosa e reacionária disfarçada de santa, exemplar perfeito de que pessoas desse naipe só a miséria gera. Num mundo sem miséria, madres lobas em pele de cordeiro são desnecessárias e dispensáveis. É pra lá que queremos ir e o leilão de ovários quer impedir!

Quem porta uma gota de lucidez tem o dever, moral e político, de não permitir que a escória fundamentalista de qualquer religião, que faz da religião um balcão de negociatas que vende Deus, pratica pedofilia e fica impune e ainda tem a cara de pau de defender a impunidade para pedófilos e os acoberta desde os tempos mais remotos, nos engabele e ande por aí com uma bandeja de ovários transformando a escolha de quem presidirá a República num plebiscito pra definir quem tem mais mão de ferro pra mandar mais no território do corpo feminino!

Cadê a moral dessa gente desregrada para querer ditar normas de comportamento segundo a sua fé religiosa para o conjunto da sociedade, como se o Brasil fosse a sua “comunidade religiosa”? Ora, qualquer denominação religiosa em terras brasileiras está também obrigada ao cumprimento das leis nacionais, ou não? Logo o que certas multinacionais da religião fizeram no processo eleitoral 2010 tem nome, chama-se ingerência estrangeira na soberania nacional. E vamos permitir sem dar um pio?

Diante dessa juquira (brotação da mata pós-desmatamento), onde só medrou urtiga e cansanção, cito Brizola, que estava coberto de razão quando disse: “O Brasil é um país sem sorte”, pois em pleno Século 21 conta com candidaturas presidenciais (não sobra uma, minha gente!) reféns dos setores mais arcaicos e feudais de algumas religiões mercantilistas de Deus.

É hora de dar um trato ecológico na juquira que empana os ideais e princípios republicanos, fora dos ditames da “moderna” agenda verde financeira neoliberal da “nova política”, que no Brasil é infectada de carcomidas figuras, que bem sabemos de onde vieram e pra onde vão, se o sonho é fazer do Brasil um jardim de cidadania, similar ao que Cecília Meireles tão lindamente poetou.

“Quem me compra um jardim com flores?/ borboletas de muitas cores,/ lavadeiras e passarinhos,/ ovos verdes e azuis nos ninhos?/ Quem me compra este caracol?/ Quem me compra um raio de sol?/ Um lagarto entre o muro e a hera,/ uma estátua da Primavera?/ Quem me compra este formigueiro?/ E este sapo, que é jardineiro?/ E a cigarra e a sua canção?/ E o grilinho dentro do chão?/ (Este é meu leilão!)” [Leilão de Jardim, Cecília Meireles].

Em 2010 em nosso país o que está em jogo é também a luta por uma democracia que se guie pela deferência à liberdade reprodutiva e que considere a maternidade voluntária um valor moral, político e ético, logo respeita e apoia as decisões reprodutivas das mulheres, independente da fé que professam. Nada a ver com a escolha de quem vai mandar mais no território dos corpos das mulheres! Então, xô, tirem as mãos dos nossos ovários!


* FÁTIMA OLIVEIRA é médica e escritora. Feminista. Integra o Conselho Diretor da Comissão de Cidadania e Reprodução (CCR) e o Conselho Consultivo da Rede de Saúde das Mulheres Latino-americanas e do Caribe (RSMLAC). Escreve uma coluna semanal no jornal O Tempo (BH, MG), desde 3 de abril de 2002. Uma das 52 brasileiras indicadas ao Nobel da Paz 2005, pelo projeto 1000 Mulheres para o Nobel da Paz 2005. Autora dos seguintes livros de divulgação e popularização da ciência: Engenharia genética: o sétimo dia da criação (Moderna, 1995 – 14a. impressão, atualizada em 2004); Bioética: uma face da cidadania (Moderna, 1997 – 8a. impressão atualizada, 2004); Oficinas Mulher Negra e Saúde (Mazza Edições, 1998); Transgênicos: o direito de saber e a liberdade de escolher (Mazza Edições, 2000); O estado da arte da Reprodução Humana Assistida em 2002 e Clonagem e manipulação genética humana: mitos, realidade, perspectivas e delírios (CNDM/MJ, 2002); Saúde da população Negra, Brasil 2001 (OMS-OPS, 2002). Autora dos seguintes romances: A hora do Angelus (Mazza Edições, 2005); Reencontros na travessia: a tradição das carpideiras (Mazza Edições, 2008); e Então, deixa chover (no prelo). E-mail: fatimaoliveira@ig.com.br Texto publicado como ESPECIAL PARA O VIOMUNDO, em http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/fatima-oliveira-comeca-a-reacao-das-mulheres-contra-o-aiatola-serra.html

Anúncios

35 comentários sobre “Eleições presidenciais 2010: em leilão, os ovários das mulheres!

  1. Esta Sr Doutora não foi abortada e está exercendo a sua função de Médica, vendo o verde, o luar, o brilho do sol, o mar, enfim vivendo as benesses que a vida nos dá. E agora ela quer oficializar o assassinato de indefesas criaturas no útero materno com a alegação que as gestantes terão melhor assistencia hospitalar. Pergunto: onde se apresentam os autores e cúmplices da gravidez, os homens?
    Não copularam e tiveram momento de prazer? Cade a paternidade responsável? Acho que o problema é de Orientação, Educação, Conscientização, senão a bagunça continua com os canais de TV incentivando o erotismo exacerbado e inconsequente. E…não me rotule de Carola, Sr Doutora
    Fátima.

  2. Essa tal FÁTIMA OLIVEIRA* realmente deve ser uma ateu de marca maior ou nunca pode ter um filho…ridiculo o comentario dela 1 vez que literalmente se dão as mãos duas crenças diferentes a favor da vida essa ridicula fala esse besterou.Ass: Armando Jr.

  3. Pessoal picuinhas não resolvem nada!!

    Essas reportagens somente nos mostram o óbvio, que tanto Serra quanto a Dilma são dois mentirosos sem moral alguma!!!

    E o pior é que um deles será presidente do Brasil!!!

    Que Deus nos abençoe e ao eleito também!!
    Porque esperar que se tornem pessoas melhores, só um milagre!!!

  4. ão Paulo, sábado, 16 de outubro de 2010

    Monica Serra contou ter feito aborto, diz ex-aluna
    Reportagem tentou ouvir mulher de candidato tucano por dois dias, sem sucesso
    MÔNICA BERGAMO
    COLUNISTA DA FOLHA

    O discurso do candidato à Presidência José Serra (PSDB) de que é contra o aborto por “valores cristãos”, que impedem a interrupção da gravidez em quaisquer circunstâncias, é questionado por ex-alunas de sua mulher, Monica Serra.
    Num evento no Rio, há um mês, a psicóloga teria dito a um evangélico, segundo a Agência Estado, que a candidata Dilma Rousseff (PT), que já defendeu a descriminalização do aborto, é a favor de “matar criancinhas”.
    Segundo relato feito à Folha por ex-alunas de Monica no curso de dança da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), a então professora lhes contou em uma aula, em 1992, que fez um aborto quando estava no exílio com o marido.
    Depois do golpe militar no Brasil, Serra se mudou para o Chile, onde conheceu a mulher. Em 1973, com o golpe que levou Augusto Pinochet ao poder, o casal se mudou para os Estados Unidos.

    OUTRO LADO
    A Folha tentou falar com Monica Serra durante dois dias para comentar o relato das ex-alunas, sem sucesso.
    Um dia depois do debate da TV Bandeirantes, no domingo, 10, a bailarina Sheila Canevacci Ribeiro, 37, postou uma mensagem em seu Facebook para “deixar a minha indignação pelo posicionamento escorregadio de José Serra” em relação ao tema.
    Ela escreveu que Serra não respeitava “tantas mulheres, começando pela sua própria mulher. Sim, Monica Serra já fez um aborto”. A mensagem foi replicada em outras páginas do site e em blogs.
    “Com todo respeito que devo a essa minha professora, gostaria de revelar publicamente que muitas de nossas aulas foram regadas a discussões sobre o seu aborto traumático”, escreveu Sheila no Facebook. “Devemos prender Monica Serra caso seu marido fosse [sic] eleito presidente?”
    À Folha a bailarina diz que “confirma cem por cento” tudo o que escreveu. Sheila afirma que não é filiada a partido político. Diz ter votado em Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) no primeiro turno. No segundo, estará no Líbano, onde participará de performance de arte.
    Se estivesse no Brasil, optaria por Dilma Rousseff (PT). Sheila é filha da socióloga Majô Ribeiro, que foi aluna de mestrado na USP de Eva Blay, suplente de Fernando Henrique Cardoso no Senado em 1993. Majô foi pesquisadora do Núcleo de Estudos da Mulher e Relações Sociais de Gênero da USP, fundado pela primeira-dama Ruth Cardoso (1930-2008).
    Militante feminista, Majô foi candidata derrotada a vereadora e a vice-prefeita em Osasco pelo PSDB.
    A socióloga disse à Folha estar “preocupada” com a filha, mas afirma que a criou para “ser uma mulher livre” e que ela “agiu como cidadã”.
    Sheila é casada com o antropólogo italiano Massimo Canevacci, que foi professor de antropologia cultural na Universidade La Sapienza, em Roma, e hoje dirige pesquisas no Brasil.
    A Folha localizou uma colega de classe de Sheila pelo Facebook. Professora de dança em Brasília, ela concordou em falar sob a condição de anonimato.
    Contou que, nas aulas, as alunas se sentavam em círculos, criando uma situação de intimidade. Enquanto fazia gestos de dança, Monica explicava como marcas e traumas da vida alteram movimentos do corpo e se refletem na vida cotidiana.
    Segundo a ex-estudante, as pessoas compartilhavam suas histórias, algo comum em uma aula de psicologia.
    Nesse contexto, afirmou, Monica compartilhou sua história com o grupo de alunas. Disse ter feito o aborto por causa da ditadura.
    Ainda de acordo com a ex-aluna, Monica disse que o futuro dela e do marido, José Serra, era muito incerto.
    Quando engravidou, teria relatado Monica à então aluna, o casal se viu numa situação muito vulnerável.
    “Ela não confessou. Ela contou”, diz Sheila Canevacci. “Não sou uma pessoa denunciando coisas. Mas [ela é] uma pessoa pública, que fala em público que é contra o aborto, é errado. Ela tem uma responsabilidade ética.”

  5. Aviso aos serristas juramentados que escreveram aqui:

    A hipocrisia que queria debater só o aborto, num viés de satanização, agora foi desmascarada:
    “MONICA SERRA JÁ FEZ UM ABORTO E SOU SOLIDÁRIA À SUA DOR, AFIRMA…”
    http://correiodobrasil.com.br/monica-serra-ja-fez-um-aborto-e-sou-solidaria-a-sua-dor-afirma-ex-aluna-da-mulher-de-presidenciavel/185824/
    EX-ALUNAS DE MONICA SERRA CONFIRMAM RELATO SOBRE ABORTO
    http://correiodobrasil.com.br/ex-alunas-de-monica-serra-confirmam-relato-sobre-aborto/186052/

    Enfim, não condeno a Sra. Allende Serra por ter abortado numa fase perigosa, aos quatro meses de gestação. Com certeza ela precisava naquele momento. Condeno a sua hipocrisia de dizer que Dilma é a favor de “matar criancinhas”. A isso se chama rotidão moral.

  6. Tenho dito à exaustão que escrevo para tocar as pessoas. Nem mais e nem menos.
    Agradeço pela conversa, pelo tempo empregado em ler o artigo e comentá-lo, pois são atividades intelectuais que exigem empenho. Reconheço.

    Eu gostaria de ter tempo para responder a cada comentário. Merecidamente. Considero a interação leitor(a)-escritor(a) salutar e não me incomodo com críticas, no sentido de achá-las ruim. Valorizo as críticas da mesma forma que os elogios, pois ambos são energias para o meu escrevinhar. Além do que aprendo com cada comentário (elogio ou crítica). Considero que todos são valiosos, pois cada um aporta sempre um algo mais para filosofar, por mais que aparentemente se mostre estapafúrdio. É um pouco o exercício da tolerância de entender a mente humana. Tenho paciência para tanto.

    Decidi escrever sobre o assunto para demonstrar a minha indignação cidadã e para ficar em paz com a minha consciência. Tenho moral para falar sobre aborto, não apenas o tema é um objeto de minhas reflexões há muitos anos, como é uma situação que está aí, desde sempre (o aborto é uma realidade em todas as sociedades conhecidas e estudadas até hoje, independente de leis que o proíbem). Aborto é fato. Assim como sou uma mulher que, mesmo defendendo a descriminalização e a legalização do aborto, nunca precisou abortar (as mulheres só abortam porque precisam!). Tenho o privilégio de ter cinco filh@s, dos quais dois adotados… Eu escolhi a minha prole. Luto para que todas as mulheres tenham o mesmo privilégio, pois entendo que a maternidade deve ser voluntária e não imposta.

  7. “O aborto só é uma questão moral porque ninguém conseguiu jamais provar, com certeza absoluta, que um feto é mera extensão do corpo da mãe ou um ser humano de pleno direito. A existência mesma da discussão interminável mostra que os argumentos de parte a parte soam inconvincentes a quem os ouve, se não também a quem os emite. Existe aí portanto uma dúvida legítima, que nenhuma resposta tem podido aplacar. Transposta ao plano das decisões práticas, essa dúvida transforma-se na escolha entre proibir ou autorizar um ato que tem cinqüenta por cento de chances de ser uma inocente operação cirúrgica como qualquer outra, ou de ser, em vez disso, um homicídio premeditado. Nessas condições, a única opção moralmente justificada é, com toda a evidência, abster-se de praticá-lo.” Por Olavo de Carvalho

    Fonte: http://www.midiasemmascara.org/artigos/aborto/11509-logica-do-abortismo.html

  8. O que deve ficar bem claro, é que abortar é igual a assassinar.
    Se uma pessoa acha que por ser mais fácil abortar, deva fazê-lo, ao invés de enfrentar algum tipo de preconceito ou dificuldade, cada consciência tem a sua sentença.
    Se vale mais o ego do que uma vida que não tem culpa de ter sido colocada nesse adorável mundo novo, fazer o que né.
    Infelizmente, é essa a realidade.

    Por que quem diz abortei, não diz logo: “Matei, matei mesmo e daí?”
    Só sinto nojo de quem fala com a boca cheia: “Sou a favor do aborto”.
    Pois, sim há outras alternativas!

    É um horror que a vida humana hoje se calcule em cifras!

    Saudações!

  9. Eu abortei.
    Eu abortei e sinto alívio.
    Eu abortei porque não desejo mais filhos.
    Eu abortei porque minha gravidez foi forçada.
    Eu abortei porque estou só e não tenho recursos.
    Eu abortei porque tenho 15 anos e não quero ser mãe.
    Eu abortei porque fui violentada; e não quero o filho de um estuprador.
    Eu abortei porque não tive acesso a métodos contraceptivos.
    Eu abortei porque a gravidez colocava a minha vida em risco.
    Eu abortei porque poderia ser demitida do meu trabalho.
    Eu abortei porque meu filho era portador de uma doença grave.
    Eu abortei e fui denunciada pelo hospital.
    Eu abortei só, com medo e escondida.
    Eu abortei porque foi minha decisão.
    Eu abortei porque é meu direito.

    Boletim Eletrônico da Rede de Saúde de Mulheres Latino-americanas e do Caribe,
    Ano II, nº. 5, Setembro de 2003

  10. Já que muitos dos que escrevem nesse blog tem uma visão mais “progressista” da sociedade, acho que eles deveriam dar a chance aos carolas e atrasados de progredir. Pergunto: pq vcs não pressionam o PT a defender publicamente o que vcs falam aqui no escurrinho?

    SUGESTÕES DE TEMAS PARA A CAMPANHA DA DILMA: VAMOS LÁ CUMPANHÊROS!!!PREESSIONEM O ZÉ DUTRA, A DILMA…TALVEZ O LULA…

    Cadê a moral dessa gente desregrada para querer ditar normas de comportamento segundo a sua fé religiosa para o conjunto da sociedade, como se o Brasil fosse a sua “comunidade religiosa”?

    “Penso que lutamos por sonhos democráticos, melhor distribuição de renda, melhorias e mais melhorias. Entretanto, somos profundamente marcados pelo fator religioso, o qual quase que sempre nos afasta do Senhor Jesus e nos aproxima da imbecilidade, da mansidão e naturalmente do fracasso. Parece que a religião é coisa para doentes.”

    “Infelizmente vivemos num País onde o falso moralismo impera e é usado para manipular a população, principalmente os que não tem uma formação política, e as mulheres são as maiores vítimas.”

    “A igreja deve cuidar das suas próprias vergonhas antes de sair por aí apontando o dedo, pq ela não ensina a usar camisinha? Por ventura as pessoas só fazem sexo para procriar? “

  11. Agora, informar-se no blog do Luis Nassif é um indicador seguro do grau de lavagem cerebral a que o cidadão foi submetido. Vamos melhorar o nivel, gente: afinal o blog se chama “espaço acadêmico”…

  12. Padre Otto Dana… cheira a fraude. Se não acredita nos preceitos da Igreja Católica, vá se associar ao Edir Macêdo e aos seus colaboradores, que defendem o aborto e chutam imagens de Nossa Senhora: por quê ficar?
    Dentre os mandamentos que, caso seja cristão, se comprometeu a seguir está um que diz: NÃO MATARÁS. Ponto! Entendeu ou precisa desenhar “padre”?

  13. O texto relata muito bem o que estamos vivenciando, pois, a preocupação não estar pela saúde da mulher, e sim, o que poderá render de votos, comoi já foi dito, pena é que enquanto eles disputam quem é a favor ou contra, muitas estão morrendo por falta de atendimento necessário, e sem que os mesmos mostrem as propostas reais para a melhoria da saúde e educação, e o pior é que só temos essas duas opções.

  14. O padre Otto Dana: um grito contra as trevas
    12/10/2010
    Pe. Otto Dana

    Brasileiros e brasileiras! O capeta está solto! Empunhemos nossos terços e Bíblias e até Alcorões, se os houver! Herodes brande a espada afiada contra as criancinhas do Brasil! Ergamos a fogueira! Queimemos os hereges! O aborto e os gays estão espreitando pela janela!
    Gente do céu! Que tiririquice! Que babaquice mais que medieval. Que onda inquisitorial graçando em pleno século XXI. A caça às bruxas. O extermínio dos veados. Cruz, credo! Xô Satanás! Estamos apenas tentando eleger um Presidente para o Brasil. Estamos discutindo propostas e projetos para uma boa administração do Brasil. Aborto, gueisismo, pílula, camisinha não é prioridade do momento.
    O processo eleitoral corria tranquilo, dentro dos princípios democráticos: discute-aqui- denucia-ali, promete-isso, condena-aquilo, tudo numa boa. De repente a serenidade é detonada por uma horda de aiatolás, talibãs, mulás, numa gritaria ensurdecedora contra os que ameaçam o poder do Altíssimo.
    Alguns vestidos de batina (ainda!), outros de mitra e báculo, outros de terno e gravata ostentando Bíblias, todos ecumenicamente de dedo em riste acusador: “ela é a favor do aborto, ele apóia o casamento homem-com-homem, mulher-com-mulher, os dois defendem a distribuição de camisinhas até para as crianças da escola.
    Deus do céu! Que atraso! Que tiririquice! Pra começar, arbitrar sobre aborto e formas de casamento é da competência do Congresso Nacional e não do Presidente da República, que apenas sanciona ou veta a disposição do Congresso. Além do mais, aborto e casamento gay nem estão em pauta de discussão, hoje.
    Mais importante e pertinente agora é ouvir dos candidatos suas propostas e projetos concretos quanto à saúde, educação de qualidade, distribuição de renda, segurança da população, criação de empregos, formas de apropriação ou não do Estado, relações diplomáticas e econômicas com outros países, transporte, saneamento básico, liberdade de imprensa, desenvolvimento do país, programas sociais, etc., etc.
    E mais: estamos num país democrático, regido por uma Constituição Civil e não pelas tábuas da lei de Moisés. É um país democrático e laico e não teocrático, apesar de supostamente religioso. Sua capital é Brasília e não o Vaticano, nem a Canção Nova, nem a sede da Assembléia de Deus, nem a CNBB.
    Tentar manipular a consciência do eleitor, ameaçando-o com a ira de Deus é injuriar o próprio Deus que nos criou livres. O dia em que o povo tiver que consultar um aiatolá de plantão tipo Pastor Silas Malafaia, ou um Padre José Augusto (Canção Nova) para votar, é melhor rasgar o título de eleitor e o estatuto da maioridade civil. O que vem se praticando em meios religiosos no momento, é o aborto da eleição, da democracia, da Constituição e do bom senso. Xô Satanás!

    Pe. Otto Dana – Pároco da Igreja Sant´Ana em Rio Claro SP – e-mail: otto.dana@gmail.com

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-padre-otto-dana-um-grito-contra-as-trevas?page=1

  15. “DESSA FORMA, É MAIS FÁCIL A MULHER TER O FILHO E LIBERAR PARA ADOÇÃO DO QUE ABORTAR”

    Falou alguém com muita autoridade, hein, sr-nunca-terei-um-feto-na-minha-barriga-e-nunca-passarei-por-todo-o-processo-de-gravidez-e-nunca-saberei-quais-alterações-psicológicas-passa-uma-mulher-grávida.

    Recebi por e-mail uma foto com dizeres interessantes: 80% dos líderes anti-escolha são homens. 100% deles NUNCA vai ficar grávido.

    Simples assim.

  16. Por isso o Brasil não vai para a frente também!!!

    Além de ter uma cultura da não cultura, a maioria não gosta de estudar e sim somente festar, vem uma senhora que se diz médica ou seja profissional que deve defender a vida acima de tudo, pregando a facilidade de se obter condições de abortar!!!

    Ahhh, feminista, como se esse rótulo fosse um belo adjetivo!!! Faz – me rir!!!

    Primeiro, como médica a senhora deve saber com certeza que ovário é diferente de feto, né minha senhora???

    A partir do momento que um óvulo é fecundado, esse novo ser HUMANO NÃO É MAIS PARTE DA CORPO DA MULHER RAIOS!!!

    OU SEJA, ELA NÃO TEM DIREITO NENHUM SOBRE O QUE DEVE SER FEITO COM ESSE SER HUMANO VIVO, RAIOS!!!! POIS, JÁ É OUTRA VIDA EM CURSO.

    SOMENTE QUEM TEM QI 12 NÃO PERCEBE ESSA DIFERENÇA. DEVE SER O CASO DESSA ILUSTRE MÉDICA (SIC).
    DESSA FORMA, É MAIS FÁCIL A MULHER TER O FILHO E LIBERAR PARA ADOÇÃO DO QUE ABORTAR, QUALQUER SER HUMANO QUE AME A SI PRÓPRIO E DIZ AMAR AO PRÓXIMO DEVERIA PENSAR NISSO ANTES!!!
    AGORA, O QUE NINGUÉM DIZ, É QUE A MAIORIA DESSES ABORTOS CLANDESTINOS SÃO FRUTO DE PROMISCUIDADE, OU SEJA, IRRESPONSABILIDADE DE MULHERES QUE EM PRIMEIRO LUGAR NÃO SE AMAM E EM SEGUNDO LUGAR NÃO AMAM SEU PRÓXIMO.

    A QUESTÃO É, O ABORTO É PALHATIVO, NÃO RESOLVE A CAUSA DE FALTA DE EDUCAÇÃO DO POVO BRASILEIRO SEM CULTURA.
    E QUEM PENSA QUE IRÁ DIMINUIR OS GASTOS PÚBLICOS COM REMEDIAÇÃO DE MULHERES MUTILADAS, VAI CAIR DO CAVALO. POIS VAI AUMENTAR O NÚMERO DE ABORTOS, VAI AUMENTAR O NÚMERO DE MULHERES TRAUMATIZADAS PELO ATO, VAI AUMENTAR O NÚMERO DE ADOLESCENTES PRATICANDO O ABORTO, VAI VIRAR UMA VERDADEIRA CARNIFICINA LEGAL. LINDO ISSO!!!

    POR QUE AO LEGALIZAR O ABORTO, NÃO SE FAZ INVESTIMENTOS EM CONSCIENTIZAÇÃO, COMO FAZEM COM A UTILIZAÇÃO DA CAMISINHA???
    POR QUE ESSA ILUSTRA MÉDICA (SIC), NÃO SAI PREGANDO AÍ PELA RUA:
    “VAMOS PARA DE USAR CAMISINHA, LIBEREM GERAL, SE PEGAR AIDAS O GOVERNO BANCA O REMÉDIO!!!!” ISSO É A MESMÍSSIMA COISA DO ABORTO!!!

    MINHA FILHA, MINHA QUERIDA IRMÃ, SE ENGRAVIDAR QUERIDA, FAZ ABORTO O GOVERNO PAGA!!!!

    COMO HOJE EM DIA O SER HUMANO NÃO VALE MAIS NADA QUASE, CORTA-SE UMA ÁRVORA E VAI PARA CADEIA, MATA-SE UM CANÁRIO COM UM ESTILINGUE E VAI PARA CADEIA, VENDE ARARA-AZUL E VAI PARA CADEIA!!
    NÃO QUE EU SEJA A FAVOR DISSO, MAS CARAMBA, O QUE VALE MAIS UM VIDA HUMANA OU DE UM MICO LEÃO????
    NÃO HÁ NENHUMA OUTRA ALTERNATIVA AO ABORTO, ASSASSINATO DE SERES HUMANOS DENTRO DO ÚTERO???? NÃO HÁ? PENSEM BEM???
    PODE-SE DAR A CRIANÇA À ADOÇÃO, A UMA ONG, IGREJA, PARENTE, SEI LÁ…
    NÃO É A MELHOR IDÉIA O ABORTO!!! ISSO É ÓBVIO!!!

    COMO O POVO ADORA VER NA TELEVISÃO NÚMEROS SOBRE A ECONOMIA MESMO NÃO ENTENDENDO NADA, SÓ SE AVALIA CUSTOS!!
    PERGUNTO QUANTO VALE UMA VIDA HUMANA????
    EM UM PAÍS COM PRINCÍPIOS, INDEPENDENTE DE RELIGIÃO, JAMAIS PODERIA SE VALORIZAR MAIS UM SUPERÁVIT NA BALANÇA COMERCIAL DO QUE 50 MIL BRASILEIROS ASSASSINADOS POR ANO!!! ISSO QUASE NINGUÉM FALA!!! E INDEPENDENTE DE LULA, DILMA, FHC, SERRA, MARINA O RAIO QUE FOR DESSES PODRES POLÍTICOS BRASILEIROS, O BRASIL MATA MAIS QUE QUALQUER GUERRA CIVIL NO MUNDO, E AÍ????

    NUM PAÍS ONDE ISSO ACONTECE, TALVEZ SEJA MAIS FÁCIL FAZER UM ABORTO DO QUE POR O CÉREBRO PARA FUNCIONAR E ACHAR UMA SOLUÇÃO MELHOR, NO MÍNIMO CONDIZENTE COM A DECÊNCIA HUMANA!!!

    PARA FINALIZAR, SÃO FEITOS 1 MILHÃO E MEIO DE ABORTOS POR ANO NO BRASIL, MESMO SENDO ILEGAL. QUEM ACREDITA QUE ESSE NÚMERO VAI DIMINUIR LEGALIZANDO É UM POBRE INOCENTE PARA NÃO OFENDER.
    BOM, ISSO SIGNIFICA (CONSIDERANDO QUE SEJA O MESMO NÚMERO DE PESSOAS) QUE 1% DA POPULAÇÃO BRASILEIRA DE MAIS DE 150 MILHÕES, PRATICA O ABORTO.
    É MERECIDO 1% DA POPULAÇÃO TER DIREITO DE CONTINUAR PRATICANDO ESSE ATO LINDO, SENDO QUE 99% NÃO O PRATICA E MAIS DE 70% É CLARAMENTE CONTRA?????

    QUEM NÃO ENXERGA QUE O ARGUMENTO A FAVOR DO ABORTO É RUIM OU JÁ CAIU NA LABIA DA ENGENHARIA SOCIAL OU NÃO SABE O QUE ESTÁ FALANDO!!!

    COMO NOSSO GRANDE FILÓSOFO OLAVO DE CARVALHO DIZ:
    “BURRICE NÃO TEM COTA, POR ISSO O BRASILEIRO ESTRAPOLA!!!”

    ABRAÇOS!!!

  17. Eu queria escrever sobre o assunto, mas aqui foi dito tudo, ou quase tudo que deveria ser dito.
    Não podemos ser tão hipócritas a ponto de pensar que se não legalizar o aborto as mulheres vão parar de abortar! Sou cristã e acho que só a mulher pode decidir o que quer fazer com o seu corpo, e se por acaso ela precisar aborta que tenhas as estruturas necessárias para não correr riscos, e que lhe seja também ensinado que ela deve antes PREVENIR até pq evita doenças.
    O importante é conscientizar as mulheres a respeitarem o seu corpo, mas nunca jamais em tempo algum usar esse assunto para angariar votos. A igreja deve cuidar das suas próprias vergonhas antes de sair por aí apontando o dedo, pq ela não ensina a usar camisinha? Por ventura as pessoas só fazem sexo para procriar? A educação é quem deve nortear as diretrizes que as mulheres tomarão em suas vidas; tanto a educação de berço ( que está falatando absurdamente) quanto a educação enquanto didática. Abraço

  18. Eu gostei do artigo e até concordo, mas os candidatos estão em cima do muro esperando para ver de que lado tem mais votos. Infelizmente. Ambos à favor da vida, mas no fundo tudo continuará igual, vença um ou outro. Quem tem dinheiro fará com alguma condição e anonimato. Quem não tem dinheiro fará sem condição nenhuma e depois recorrerá ao sistema público que por sua vez, não tem uma política capaz de atender todas as mulheres integral e rapidamente.
    Então só me resta perguntar, já que o aborto continuará sendo crime: – Vão prender os pais também?? Porque a decisão normalmente é dos dois, mesmo a mulher ficando com o encargo e as conseqüências.

  19. O texto da Drª Fátima expressa o que todos nós, que temos pelo menos “dois neurônios”, gostaríamos de dizer. Anos de luta por um Estado laico, travada em salas de aula, nos mais diversos eventos e cursos que se propõem a fazer esse debate, escorre pelo ralo neste momento…

  20. Prezado Sr. Sérgio, seria ético que o senhor relesse o artigo para não sair fazendo acusações infundundadas a partir de deduções que não aparecem no texto. Do que sei sobre a autora e do que dela já li, ela não é daquelas intelectuais que dão uma no cravo e outra na ferradura. Ela é justa e ética.
    Veja o último artigo dela “Perdi a paciência: quero a República terrena de volta!”, onde ela diz:
    “Sou mesmo uma besta quadrada, pois não sabia que Dilma ou Serra eram os papa-hóstias que dizem ser agora, só faltando dizerem que Deus é brasileiro e as urnas vão sacramentar a reencarnação Dele! Convicta de que a liberdade de religião é um direito constitucional, defendo que qualquer pessoa, quando bem lhe aprouver, torne pública sua religião. Porém, não silencio ao perceber que uma opção religiosa acena interferir nos rumos da República.”

    “Estou bestificada de ver que o empenho das candidaturas (que viraram “a cara de uma o ‘fucim’ da outra”) não é genuinamente re-pu-bli-ca-no, mas provar quem detém o monopólio da carolice e da confiança da turba que se rege pelo fundamentalismo religioso, numa flagrante incompreensão do que é o regime de governo republicano e o regime político da democracia!”
    http://www.viomundo.com.br/politica/fatima-oliveira-quero-a-republica-terrena-de-volta.html

  21. Não há como negar que essa é a discussão que precisa ser feita. Entretanto, para que isso seja possível é preciso que haja uma população preparada para esse debate.
    Não acredito que os candidatos que arriscam milhões de reais em suas candidaturas arriscariam suas eleições para tratar de tema tão espinhoso para a maioria da população.
    Concordo com a autora ao defender o Estado Laico, mas defender um posicionamento como este durante a campanha é pedir pra ser derrotado. É preciso saber se nossas candidatos estão aí para educar ou para ganhar eleição.
    Desde muito tempo o discurso político se pela opinião pública como a biruta pelo vento.

  22. Simplesmente fantástico o artigo da médica, Fátima Oliveira. Também como professora, tenho insistido muito nesta discussão de um Estado laico, principalmente com os alunos da 7ª série que possuem maior condição de compreender até porque estuda-se Revolução Francesa neste período. Infelizmente, o Brasil não é laico nem no papel. Vale lembrar o preâmbulo do texto da Constituição. “Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembleia nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade, e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.”
    É com imenso prazer que vou divulgar seu artigo.
    Gislene Bosnich

  23. Pois, sobre tudo isso aí, a autora disse exatamente o que eu gostaria de dizer!

    E, além de denunciarmos essa história de apregoarem o pastoreamento de mulheres, tal e qual um pastoreamento de gado “em defesa da vida”, penso que poderíamos, a partir deste momento ou dentro em breve, conduzir uma mobilização em nosso país em defesa da nacionalização (estatização sem direito a indenizações) de todo o serviço de educação e saúde que há por aqui, em defesa do ensino laico de fato, e este só poderia surgir no Brasil após tornar-se toda a instrução pública, gratuita e aberta às contribuições filosóficas da atualidade, e em defesa do SUS como sistema único de fato, rumo a uma mobilização revolucionária, mais inteligente e mais justa que todas as anteriores, porque uma revolução de cunho democrático, sem intermediários, nem guias infalíveis, e sem a valorização dessas coisas, seria a única capaz de fazer frente a todo obscurantismo, inclusive ao insuportável obscurantismo de esquerda. Se olharmos a realidade e estivermos dispostos a conversar a sério, veremos que só uma democracia diretamente exercida pelos do povo interessados na própria vida dará resposta a tudo o que continuará nos afligindo, a menos que façamos tudo muito diferente do que temos feito. A democracia é em si mesma tão revolucionária quanto o socialismo, e os dois se desviaram tanto, que mesmo a idéia mais simples de uma sociedade democrática de verdade parecerá a coisa mais escandalosa aos olhos da mediocridade. Quanto ao socialismo, não pode existir, a menos que os socialistas queiram viver para a democracia assim como um cientista deseja viver para a ciência. E, se o socialismo equivale à moradia, ao pão e à roupa, a democracia equivale à linguagem, à educação e ao espírito racional que garantirão a moradia, o pão e a roupa para todos, além dos serviços públicos finalmente à altura da demanda, de todos os benefícios da ciência e da tecnologia, das artes e dos esportes.

    Saudações.

  24. Cara Dra.Fátima:
    O que muito me incabula é a falta de debate político nessas eleições de 2010, foi um fracasso, como diria em minha terra: “uma barrigada perdida”. Parece-me que a oposição na falta de um processo diferenciado apelou para um discurso medieval com bases em um fundamentalismo que, em certos momentos, uniram pentescostimos protestantes com catolicismo “renovado” (ou seja, sem a teologia da libertação).
    Por outro lado, a imprensa deles(não considero minha) abraçou essa causa sem questionamento por que, pensam eles que derrotar a situação.
    Já a situação não propõe uma agenda diferente, procura parecer para o eleitorado que também cumpre os preceitos fundamentalistas. A discussão de políticas públicas somem do debate e minha pergunta fica, onde elas aparecerâo?
    Pelo andar da carruagem será nos púlpitos das igrejas católicas renovadas, que não são democráticas e/ou nos cultos evangélicos, também nem um pouco democráticos.
    A minha geração que lutou nas décadas de 1970 e 1990 pelas liberdades democráticas contra a ditadura militar terá que lutar contra a ditadura religiosa que talvez seja pior, meus caros, porque, essa outra pode te mandar para as profundas dos infernos.

  25. Fátima Oliveira parece dirigir-se às “duas candidaturas”, mas é a do Serra que critica. Isso não é tão grave mas sendo um truque, é condenável.
    Ao fazer a defesa do estado laico, rpublicano, ela se esquece de que 71% da população não querem a mudança da lei. Bastarão ou os descolados vão querer impor seus valores, ou a falta deles, aos “carolas”?
    Como médica, Fátima deveria se informar e analisar criticamente as estatísticas sobre o aborto no Brasil, para esclarecer e não mistificar.
    Ser religioso não é necessariamenter ser carola, Fátima, assim como ser médico não implica em ser doutor.

  26. Fátima Oliveira parece dirigir-se às “duas candidaturas”, mas é a do Serra que critica. Isso não é tão grave mas sendo um embuste, é condenável.
    Ao fazer a defesa do estado laico, rpublicano, se esquece de que

  27. Concordo com seus argumentos,plenamente. Agora, deixo a minha opinião como mulher: sei das muitas necessidades das brasileiras em encontrar um lugar próprio para a realização do aborto de uma forma segura,sem riscos. Creio que esse assunto não deveria vir ao guia eleitoral como pregação moral do governo A ou B. Se eles dizem que aa mãe não “pode” bater no filho que pariu,essa mesma pessoa tem o total direito de não querer que este ser indesejado venha para o mundo.
    Por outro lado,creio que a mulher deveria tomar mais cuidado com esse assunto “gravidez indesejada”. Se ao invés de um filho essa mulher chegasse a contrair uma doença sexualmente transmissível,como é o caso da AIDS? Haveria solução para o seu problema?
    Sei que sou muitas vezes radical, ingênua nos meus comentários. Fujo do tema em que discuto e fico sem argumentos. O assunto é muito complexo… Mesmo.
    Não sou contra o aborto,quando este vier livrar a mulher das condições humilhantes pelas quais passou. Quando uma menina for usada por um maior ,como foi um dos casos mais divulgados na impresa da garota de Pernambuco: de ,apenas 11 anos…
    País “LAICO”? UM Brasil de quase maioria CRISTÃ?
    Fica difícil… Nossos futuros gonvernantes deveriam era se preocupar com a educação,com a fome… A RELIGIÃO já castiga as mulheres que fazem aborto… Agora vem o PODER PÚBLICO do país em redes de TV…
    Tenho muito medo do futuro da NAÇÃO…

  28. Infelizmente vivemos num País onde o falso moralismo impera e é usado para manipular a população, principalmente os que não tem uma formação política, e as mulheres são as maiores vítimas.
    Quando teremos um candidato que realmente seja capaz de levar disccussões não poderemos mais fugir como; pena de morte, aborto, casamentos homossexuais, não obrigatoriedade de voto,código penal, enfim, não podo podemos fugir desses temas de suma importância para uma Democracia e para o Brasil. Isso não quer dizer que será aceito ou não, mas a população tem de participar e decidir. São temas que fazer parte de nossa rotina , da vida de todos brasileiros e somos os responsáveis.

  29. Li por duas vezes o texto da Dra. Fátima. Li também uma matéria de larva do Frei Betto sobre a Dilma. Penso que lutamos por sonhos democráticos, melhor distribuição de renda, melhorias e mais melhorias. Entretanto, somos profundamente marcados pelo fator religioso, o qual quase que sempre nos afasta do Senhor Jesus e nos aproxima da imbecilidade, da mansidão e naturalmente do fracasso. Parece que a religião é coisa para doentes. Não sei por que acredito na Dilma, mesmo sem acreditar no capitalismo do tipo neoliberal. Parabenizo a Dra. Fátima pelo excelente texto e também a REA que o fez publicar. Quem sabe os meios de comunicação do nosso país se prestem, um dia, a publicar textos criticos, mas tão críticos que de fato, transformem a terra desgatada num céu de borboletas azuis, semelhantemente a este.

  30. boas falas, excelentissima senhora, que Deus conserve seu rico vocabulario em defesa da honestidade e da retidao indispensaveis ao respeito do proximo.
    estava faltando uma bronca “de fundo” nestes debates. espero que esta semana seja suficiente para divulgar o mais possivel estes esclarecimentos sobre alguns dos valores fundamenhtais num debate democratico.
    parabéns e obrigada pleo poema.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s