Bíblias de criado-mudo

por JOSÉ DE SOUZA MARTINS*

Numerosos eventos, no correr deste ano, na Grã-Bretanha, nos Estados Unidos e em outros países de língua inglesa, celebram o quarto centenário da versão da Bíblia comissionada pelo Rei James. Em junho, na Igreja de Santa Maria Maior, a igreja da Universidade de Cambridge, um seminário aberto ao público reunirá especialistas em história e em literatura para analisar essa versão da Bíblia que é reconhecida como o mais nobre texto da prosa inglesa. Eventos como esse estão ocorrendo em Oxford desde janeiro e em outros lugares do Reino Unido. Desde o início do ano, a BBC vem transmitindo eruditos programas sobre essa efeméride literária e histórica, além de religiosa.

Página de rosto da edição de 1611 da Bíblia do Rei James

O rei James I, filho de Maria I, católica, sendo rei da Escócia, assumiu o trono inglês com o falecimento de Elizabeth I, anglicana. Era um erudito, amigo de autores como Shakespeare. Em 1604, durante três dias, reuniu no Palácio de Hampton Court, em Londres, um grupo de especialistas para projetar e realizar uma tradução da Bíblia para a língua inglesa, um trabalho que se estenderia até 1611. Uma comissão de 54 tradutores e revisores foi formada, constituída de sábios e especialistas de Oxford, Cambridge e Westminster, gente das duas grandes universidades e da Igreja da Inglaterra. Numa sociedade convulsionada por guerras religiosas, que eram guerras sociais e políticas, adversários religiosos queimados vivos em diferentes lugares do país, aquela tradução da Bíblia acabou se impondo como um fato político sobre a guerra das idéias. Ela expressava a lucidez de um monarca culto e teórico da monarquia. James I, era também James VI da Escócia, e na Escócia conhecera as tensões políticas decorrentes das divergências dos puritanos, presbiterianos e não-conformistas. John Knox, fundador do presbiterianismo escocês, convivera com Calvino em Genebra e levara para a Escócia, no fundo, uma igreja republicana. O livre acesso à Bíblia em língua vernácula era parte desse republicanismo de base.

A primorosa Bíblia do Rei James legitimava a Igreja da Inglaterra e o rei como seu cabeça. Uma boa indicação nesse sentido foi o dilema quanto a certas palavras, quanto a que tradução dar ao ajuntamento dos fiéis: “igreja” ou “congregação”. “Igreja” traduzia melhor a dimensão de poder e autoridade que se pretendia dar à instituição, algo mais próximo do catolicismo do que do protestantismo. “Congregação” refletia melhor o puritanismo protestante e seu republicanismo ao por a ênfase não na instituição, mas no ajuntamento republicano do povo e, portanto, no membro da igreja. A Bíblia do Rei James consagra a dimensão revolucionária que há no livro sagrado em vernáculo. Mas é ao mesmo tempo a Bíblia da ordem, não só religiosa. Sem propriamente legitimar enrijecimentos sociais tão característicos das sociedades estamentais, como era a inglesa e foi a nossa, expressa essa característica tão própria da sociedade inglesa e da sociedade moderna que é a de mudar para permanecer.

A celebração literária e histórica da Bíblia do Rei James tem sua razão de ser não só nesses motivos históricos. Ela se tornou um texto referencial da língua inglesa e da lógica discursiva das sociedades anglosaxônicas, algo como Os Lusíadas, de Camões, para a língua portuguesa. Ou La Divina Commedia, de Dante, para a língua italiana. Ou Don Quijote de La Mancha, de Cervantes, para a língua espanhola. Textos referenciais da língua, da fala, e também dos respectivos imaginários e modos de pensar.

O sugestivo título de um programa sobre o tema, transmitido pela BBC, em fevereiro, “Quando Deus falava inglês: a feitura da Bíblia do rei James”, é bem indicativo do fato de que essa versão da Bíblia tornou-se o mais poderoso instrumento da expansão da visão anglo-saxônica do mundo e da vida e o cimento do padrão de civilidade que acompanhou a disseminação internacional dos negócios ingleses, primeiro, e americanos, mais tarde. Essa versão da Bíblia, além do conteúdo religioso, continha também as bases referenciais das categorias da modernidade. É de pouco, a bela retórica bíblica de Barak Obama em sua campanha eleitoral. O Rei James foi um de seus principais eleitores. Sem a Bíblia do Rei James, Obama não teria dado o que é de certo modo a cor profética de sua ascensão ao poder.

Cinco gerações de mulheres brasileiras, emancipadas pela Bíblia, convertidas ao protestantismo por uma empregada doméstica, da família de Dona Maria Paes de Barros (à esquerda da foto), autora do belíssimo No Tempo de Dantes

As versões vernaculares da Bíblia tiveram a histórica função de abri-la à compreensão de multidões em muitos lugares do mundo. A versão em português até hoje de grande popularidade, sobretudo entre protestantes, é a de João Ferreira de Almeida, do século 17. Português, sobrinho de padre, emigrou para a Holanda e lá se tornou membro da Igreja Reformada Holandesa e tradutor da Bíblia. Foi dela que se valeram os primeiros missionários protestantes que vieram para o Brasil, ingleses e americanos, cuja missão praticamente se resumia em distribuir gratuitamente exemplares da Bíblia. Apoiavam-se no pressuposto de que a Bíblia falava por si mesma, o que é bem protestante.

Um dos impactos significativos e emancipadores da distribuição da Bíblia no Brasil, na versão de Almeida, foi o da sua aceitação pelas mulheres. Prisioneiras de uma tradição de confinamento e dependência, própria da família patriarcal, as convertidas, tornaram-se cidadãs de suas igrejas antes de o serem da República. Antes mesmo que a República acordasse para a igualdade jurídica e cidadã das mulheres, o que só aconteceria provisoriamente em 1932 e se confirmaria em 1934, quando uma primeira mulher foi eleita deputada federal, a médica paulista Carlota Pereira de Queirós.

Ao professarem a fé, as mulheres adquiriam o direito de voto na escolha de oficiais e ministros de suas igrejas, ainda que se defrontassem com restrições para o exercício do ministério religioso. Nem por isso, pastores (e também padres) deixaram de invocar no rito matrimonial, e o fazem até hoje, aquele versículo 24, do capítulo 5, da Epístola de Paulo aos Efésios: “De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos.” O seu uso deplorável em cerimônias de casamento nos dias atuais acaba sendo um descabido insulto à mulher e o é também ao homem. Na própria modernidade que se anuncia nas motivações das versões vernaculares da Bíblia seria mais apropriado evitar esse versículo e reconhecer que mulheres e homens são sujeitos à sua consciência e não a outra pessoa.

Tanto a Bíblia do Rei James quanto a de João Ferreira de Almeida está parcialmente contida na edição bilíngüe do Novo Testamento encontrada nas gavetas dos criados-mudos dos hotéis do Brasil e de Portugal. São distribuídas pelos Gedeões Internacionais, que desse modo disseminam o livro, que acaba lido como obra literária pelo valor das traduções. Sua organização nasceu nos EUA, em 1899, por iniciativa de três evangélicos que eram negociantes itinerantes. Eles aproveitavam suas viagens para deixar Bíblias nas gavetas dos hotéis em que se hospedavam. A distribuição gratuita da Bíblia do Rei James conjugada com as traduções locais encontrou na rede comercial de vendedores pracistas um eficiente suporte e um emblemático indicador da relação entre religião e expansão da economia.

Aqui no Brasil, o interesse literário e lingüístico pelas traduções da Bíblia se manifestou em várias ocasiões, estimulando uma postura ecumênica em face do texto religioso, mas em nome de cuidados predominantemente estéticos e científicos. No período mais recente, a tradução da Bíblia de Jerusalém contou com a participação de católicos e protestantes, pesquisadores e professores de várias universidades, vários da USP.


* JOSÉ DE SOUZA MARTINS é Professor Emérito da Universidade de São Paulo e autor de vários livros e artigos. Publicado em O Estado de S. Paulo [Caderno Aliás, A Semana Revista], Domingo, 3 de abril de 2011, p. J8.

Anúncios

5 comentários sobre “Bíblias de criado-mudo

  1. A Bíblia, um conjunto de livros, transcende à compreensão pela sua importância no mundo ocidental. Indiscutível como metodologia religiosa, orientação espiritual, balizamento social, além de ser considerada sagrada pela maioria de fiéis que se submetem às suas orientações.
    Eu a considero como extremamente relevante no contexto histótico, se não pelos dados de difícil constatação, mas pela influência que teve entre os povos cristãos ao longo de vários séculos.
    Acredito não ter havido filósofo que não tenha se debruçado sobre ela para entendê-la, interpretá-la, aceitá-la e divulgá-la adequadamente. Cada um deles se manifestava diferentemente em suas opiniões, sem que houvesse um pensamento único a respeito.
    Também não se pode negar que a Bíblia seja polêmica, que traga consigo inúmeros aspectos de discussão, obviamente através de pessoas que estão isentas da obrigatoriedade da crença em dogmas e que possam analisá-la de forma mais abrangente, histórica e sociologicamente.
    Mas não deixa de ser interessante a sua leitura (particularmente penso que a maioria das pessoas não a leu completamente), apesar de seus simbolismos e referências muitas vezes incompreensíveis, pelo menos para um leigo nesta matéria.
    Acredito que no decorrer desses anos, as suas traduções para diversos idiomas devem ter alterado o significado de grande parte de seu conteúdo, modificando, hoje, a interpretação efetiva sobre o que seus capítulos e versículos queriam realmente dizer à época.
    Durante as minhas incontáveis viagens pelo Brasil, invariavelmente havia nos quartos dos hotéis uma Bíblia à disposição, que me possibilitava reler algumas passagens e conhecer outras e, desta forma, ou me ajudavam a enfrentar o dia seguinte ou me faziam corrigir o comportamento diante de certas situações.
    Um livro de grande utilidade, importante, místico, que exige concentração e respeito de quem se predispõe a entendê-la, algo nada fácil.
    E, indubitavelmente, como crente em Deus apenas, sem seguir orientações de crença alguma, sou atraído pelo Novo Testamento, pelas parábulas de Cristo e, principalmente, pelo Sermão da Montanha.
    Para mim, respeitosamente, a Bíblia se resume no capítulo seis, do Evangelho de Mateus.
    E, humildemente, recomendo a leitura de dois livros que considero de grande valia sobre a Bíblia: Uma História de Deus, Karen Armstrong, Cia. das Letras, e Deus, Uma Biografia, Jack Miles, Cia. das Letras.
    Ambos os autores falam com muita propriedade a respeito desta obra fabulosa e sem precedentes que é a Bíblia.

  2. Meu querido Irmão José de Souza Martins, e se retirássemos também a parte em que crucificam Jesus Cristo, por achar que essa parte deixa os irmãos muito tristes???
    Da Bíblia não se deve retirar nada, nem acrescentar, pois ela é alimento, diretriz e ensino para a nossa alma. Não defenda a conduta do homem e da mulher, criticando a palavra de Deus.

  3. A tradução da Bíblia para o Inglês , com todo respeito, não é novidade, é um fenômeno sócio cultural necessário na época para disseminar o evangelho.
    O que me causa certa preocupação sobre a disseminação da cultura de fundo religioso no mundo, é que até hoje há um zelo em não editar e publicar as obras: ENCÍCLICAS PAPAIS, mais precisamente as do Papa João XXIII a MATER ET MAGISTRA ( MÃE E MAGISTÉRIO ) e a PAZ IN TERRIS ( PAZ NA TERRA ). Li as Encíclicas acima, são belíssimas, trazem uma grande contribuição a paz mundial e a coexistência pacífica. Sugiro a leitura das mesmas.

  4. Sempre é bom ler o Prof. Martins, hoje realmente embuido de sua cátedra sociológica, e menos panfletário, como nos meus tempos de graduação.
    Seus textos sempre trazem uma característica de artesanato barroco da sociologia, com elaborações interessantes e uma construção mais erudita.
    Tocante à Bíblia, que acho que ele não leu, mas apenas estudou as conjunturas, é uma pena que não tenha adentrado aos seus méritos de compëndio milenar de sabedoria, logo algo filosofica e sociologicamente interessante para reflexões, para não se afastar muito das questões religiosas, naquela motivação sublime de unir o sagrado e o profano.
    SHALOM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s