15 x 23

por CÉLIO JUVENAL COSTA*

O que se lerá a seguir não são comentários sobre o placar de algum jogo, mas reflexões sobre a polêmica atual que envolve o número de cadeiras que se defende para a Câmara de Vereadores de Maringá (e porque não, de todas as outras cidades que podem, ou não, aumentar o número de seus edis). Considero esta discussão tão atual como a avaliação que devemos fazer dos nossos representantes no legislativo brasileiro.

Em primeiro lugar, creio ser necessário sintetizar os argumentos de quem é favorável a manutenção e de quem é partidário do aumento do número de vereadores. Comecemos pelos últimos: ampliar o quadro de nossos representantes ao legislativo municipal seria uma prática democrática para elevar a representação dos cidadãos, já que a regra permite que uma cidade do porte de Maringá possa ter 23 vereadores; defendem, também, que o impacto financeiro não representa um maior gasto público, já que os salários dos vereadores compõem apenas uma parte dos gastos da Câmara, e que, por isso mesmo, é possível fazer a casa crescer sem criar mais despesas. Já os que querem a manutenção dos 15 alegam, por sua vez, que o pretendido incremento do número dos vereadores representará, sim, uma elevação das despesas públicas, não alterando, substancialmente, o atual quadro das funções dos vereadores e de suas disposições políticas; o que se quer, afirmam os defensores dos 15, é que haja uma otimização dos trabalhos dos vereadores e de seus assessores, argumentando que a ampliação da casa não significa automaticamente maior produtividade.

Bem, eu aqui neste espaço não pretendo fazer coro a nenhuma das duas proposições, pois considero que, para além dos números, seria uma ótima oportunidade que a comunidade teria de discutir as reais motivações da polêmica entre o 15 e o 23 (ou mesmo um meio termo, tipo 17, 19 ou 21), ou seja, considero, como diziam os antigos, que “o buraco é mais embaixo”. O que na verdade está se discutindo é a eficácia do legislativo maringaense em particular e, arrisco a afirmar, do legislativo brasileiro de forma geral. Explico: me parece que existe um profundo descontentamento popular com relação à atuação dos nossos parlamentares, bastando, para verificar se estou correto ou não, perguntar às pessoas de forma geral o porque não concordam com o aumento do número de vereadores…

Para exemplificar o que estou afirmando, vejamos a situação de Jaraguá do Sul, um município catarinense, rico como Maringá, que também discute se deve ou não aumentar as cadeiras de sua Câmara Municipal. Foram colocados alguns outdoor na cidade criticando o crescimento do número de vereadores; vejamos: “Faltam: médicos, medicamentos, creches e leitos hospitalares. Não precisamos de mais vereadores”; “Operário: 44 horas semanais. Professor: 40 horas. Vereador: 5 horas. Não precisamos de mais vereadores”; “Salário Mínimo: R$ 545,00. Professor: R$ 609,46. Vereador: R$ 7.316,00. Não precisamos de mais vereadores.” Me pergunto: é somente contra o número de vereadores que a população se insurge? O principal argumento é o econômico? Me parece que não… O que paira no ar é uma mobilização que mostra o descrédito que o legislativo se encontra atualmente no Brasil. Não resolve disfarçar as verdadeiras razões da repugnância à ideia de aumento do legislativo municipal com argumentos de ordem financeira, de economia dos recursos públicos etc. O que está ocorrendo, de fato, é que não existe mais respeito pela função política no Brasil. Resta perguntar de quem é a culpa dessa situação. Em grande parte, dos próprios políticos, na minha opinião. Enquanto os eleitos para o legislativo, que fazem leis para si mesmos, não deixarem de afrontar o povo brasileiro com a reeleição infinita para os cargos, com suas aposentadorias especiais (mesmo não deixando, na grande maioria dos casos, as suas outras ocupações profissionais), com privilégios que os cargos oferecem etc., a população continuará descrendo da eficácia das Casas Legislativas Brasil afora.

Para aqueles que discordam do que escrevo (e têm esse direito), ofereço uma pista para verificarmos, na prática, se as pessoas estão realmente preocupadas somente com os gastos da Câmara: que os políticos aprovem o fim da obrigatoriedade do voto; que deixem de defender uma democracia que obriga as pessoas, tal como se fossem crianças órfãs tuteladas pelo Estado, a participarem compulsoriamente dos escrutínios. Se isso fosse aprovado poderíamos, aí sim, definir com tranquilidade o número de vereadores que a cidade poderia ter, estabelecendo uma simples equação do número efetivo de votantes com a necessidade de sua representatividade. Aí sim, não importaria se fossem 10, 15, 20, ou até 30 vereadores, pois eles estariam, de fato, representando suas bases eleitorais.

Com a palavra, aqueles que fazem as leis, aqueles que têm a obrigação de mudar este quadro…


* CÉLIO JUVENAL COSTA é Professor do Departamento de Fundamentos da Educação da Universidade Estadual de Maringá e Doutor em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba.

Anúncios

3 comentários sobre “15 x 23

  1. Enquanto a Sociedade Brasileira continuar concordando, os principais desejos e anseios de nossa sociedade serão sempre em sua maioria atendidas de forma precária.

    O poder para realizar as mudanças está com o povo.

    Se queremos melhorar nossa política, é preciso que o povo acompanhe tal evolução pois, caso contrário, continuará sofrendo todas as barbáries acometidas por gestores sem compromisso com o povo.

    Sugestão: se criar critérios para para o cidadão ser candidato.

    Até para ser um gari na atualidade é preciso preencher vários requisitos e porquê não para um pessoa comandar um município, estado ou país?

    Que Deus nos proteja e nos livre de todo mal.

    Sucesso a todos(as),

    Alexandre.

  2. Um verdadeiro absurdo e abuso aumentar o nº de vereadores, que trará mais despesas para o município.
    Há muito tempo que o político brasileiro abandonou a sua representatividade popular para se interessar somente em si e nos seu grupo mais próximo. A política nacional virou sinônimo de corrupção, inutilidade, desvio de verbas, discussões estéreis, atraso no desenvolvimento do país, incompetência, ineficiência, má fiscalização do Executivo, escândalos partidários, loteamento de cargos, cabide de empregos, uma abrangência tamanha de adjetivos e substantivos tão depreciativos que eu assinalei apenas alguns que atualmente possam defini-los com absoluta certeza!
    Mas como esse assunto é sobre os edis, basta nós vermos as cidades que foram designadas como sede à Copa do Mundo no Brasil (será a maior vergonha que esta nação sofrerá ao longo de sua história) para verificarmos que NADA foi feito até o presente momento!
    Já não digo dos estádios de futebol, mas me refiro no transporte público; na saúde; nos leitos hospitalares; nas ruas, na locomoção do turista e na rede hoteleira.
    O trânsito nas cidades está um caos; as estradas não comportam mais o tráfego de automóveis, caminhões e ônibus; não se verifica um túnel, viaduto, abertura de avenidas, elevadas, em nenhuma grande cidade.
    O único tema que esses inúteis e corruptos vereadores abordam é sobre a “política”, uma palavra que hoje significa tudo aquilo que eu citei acima e mais as más intenções desta cambada que pode ser taxada como os legítimos traidores do povo brasileiro, e aqui eu amplio para os deputados estaduais, federais e senadores, obviamente absorvendo prefeitos e governadores.
    Sim, não sobra ninguém!
    As nossas deficiências que se escancaram às vésperas de uma Copa do Mundo, dão uma demonstração claríssima que os políticos jamais pensaram no país, no seu desenvolvimento, na melhoria de sua infraestrutura, nos serviços emergenciais à população. Apenas em si mesmos e nos seus bolsos, que estão forrados de dinheiro sujo, obtido através da péssima qualidade de vida do povo brasileiro.
    A população de Maringá não deve permitir esta ofensa e este descalabro com o aumento de vereadores.
    Não precisamos mais de grupelhos a sangrarem os cofres municipais e impedirem que os parcos recursos do município possam ser destinados ao que interessa para uma cidade: saúde, escola e segurança.
    Eu fico pensando o que levou o político a se transformar neste câncer para o país; nesta desonra, neste rótulo de desonesto. Quando foi que isso se deu e por que se desenvolveu!
    E não entendo as razões pelas quais a sociedade não se mobiliza para impedir que esta desfaçatez continue, que a imprensa não seja mais contundente às suas críticas diárias, que os nossos empresários, capitães de indústria, profissionais liberais, não botem a boca no trombone contra esses desmandos, escândalos, corrupção galopante, enriquecimento ilícito E NINGUÉM VAI PRESO!
    Eu não vejo solução, lamentavelmente, tanto a curto quanto a médio prazo para o Brasil no que diz respeito à política hoje desenvolvida – paradoxalmente esta sim se desenvolveu em larga escala e com incríveis meios de sofisticação sobre como lesar o patrimônio público e o erário nacional!
    Maringa deve dizer NÃO a esse acréscimo de vereadores.

  3. Penso q o prof ñ tocou na questão principal – A REPREENTATIVIDADE E LEGITIMIDADE AMPLIADAS COM O AUMENTO DO NÚMERO DE POLÍTICOS, COM IMPORTANTES ACONTECIMENTOS NA MELHORIA DE UMA CULTURA POLÍTICA E MESMO DISTRIBUIÇÃO DE RENDA AMPLIADAS.
    Penso q quem está por traz disto são so corruptores, q com o aumento de número de políticos, deverão desembolsar mais dinheiros para corromper, ao tempo q terão mais trabalho, coisa que bandido ñ gosta.
    PRECISAMOS E URGENTE DE MAIS CARGOS BEM REMUNERADOS PARA NOSSO POVO E INTELIGENTES, PORÉM O Q SINTO FALTA É DE Q AS REGRAS SEJAM MELHORES, POIS A ATUAIS JÁ CAIRAM NO DESCRÉDITO E O NOSSO PARTIDARISMO FEUDAL DE ELITES CORRUPTAS PRECISARIA URGENTE SER SUBSTITUIDO PELO VOTO DISTRITAL MISTO DE BASE COMUNITÁRIA, SOBRE O Q SUGERIMOS A BASE DE 100 ELEITORES.
    Inscrição das candidaturas direto nos Tribunais, e partidos q aprendam a legitimar-se ou desaparecem junto com seus podres tradicionais.
    TENHO DITO.
    SHALOM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s