A Lei de Gérson revisitada

grumanMARCELO GRUMAN*

Em 1976, Gérson, ex-jogador da seleção de futebol tricampeã mundial, conhecido como “canhotinha de ouro”, estrelou um comercial de cigarros. No vídeo, o meia-armador é apresentado como o “cérebro” do time campeão mundial no México e, perguntado pelo narrador da propaganda, o porquê de escolher o cigarro Vila Rica, responde: “Por que pagar mais caro se o Vila me dá tudo aquilo que eu quero de um bom cigarro? Gosto de levar vantagem em tudo, certo? Leve vantagem você também, leve Vila Rica!”. Mais tarde, Gérson se disse arrependido por ter associado a sua imagem ao anúncio, uma vez que qualquer comportamento pouco ético ou antiético passou a ser conhecido como Lei de Gérson.   Quase quatro décadas se passaram, mas a expressão continua mais viva do que nunca. Vejamos, então.

No verão escaldante que vive a cidade do Rio de Janeiro, duas repórteres da rádio CBN resolveram ir à praia de Copacabana com o objetivo de comparar os preços cobrados pelos vendedores ambulantes e barraqueiros para o turista e para quem mora na cidade. Os itens pesquisados foram: aluguel de barraca e cadeira; filtro solar fator 60; bronzeador; camarão; biquíni; empada, biscoito Globo (biscoito polvilho, uma tradição das praias cariocas); mate e água.  Na média, o turista que visita a Cidade Maravilhosa tem que desembolsar 46% a mais do que o carioca da gema para comprar os mesmos produtos.

Eis o relato da repórter “estrangeira”: “Em inglês, me fazendo de turista o tempo todo, perguntei ao barraqueiro quanto custava para alugar um guarda-sol e uma cadeira. A resposta foi tão rápida e firme, que qualquer estrangeiro não desconfiaria. Barraca a R$ 15 e cadeira por R$ 10. Negócio fechado”.

Agora, o relato da repórter “carioca”: “Cinco minutos depois, cheguei à mesma barraca e perguntei quanto custava para alugar uma cadeira e um guarda-sol. O mesmo barraqueiro informou: R$ 10 o guarda-sol e R$ 7 a cadeira. Eu tentei negociar, disse que consumiria na barraca e, então, consegui fechar por R$ 15”.

Cariocas bem humorados criaram uma moeda fictícia, chamada “surreal”, usada para pagar a conta de restaurantes que cobram até R 100, 00 por um prato de estrogonofe de frango ou uma singela lata de cerveja que chega a custar, em ambulantes espalhados pela cidade, a bagatela de R$ 6,00, ou cerca de 300% acima do valor cobrado nos supermercados.

A lei da oferta e da procura e a busca do lucro desenfreado, características inerentes do sistema de produção capitalista, ajudam a entender o que acontece nas praias cariocas, mas não são suficientes para explicar o fenômeno. É a pura malandragem, na pior acepção do termo. É a Lei de Gérson agindo novamente, é querer passar os outros para trás, é levar vantagem em tudo, custe o que custar (aos que se dispõem a pagar o que é cobrado…), é a cara de pau, a ganância. Haja óleo de peroba.

A sociedade brasileira está contaminada por esse “modo de vida”. O padrão de comportamento vem lá de cima, dos altos escalões da administração pública, que desrespeitam constantemente as fronteiras entre espaço público e privado, entre interesses coletivos e particulares, que corrompem e são corrompidos, que superfaturam ou subfaturam contratos de acordo com a conveniência do momento. Pensa o cidadão aqui embaixo: se os “homens” fazem o que fazem e nada acontece, por que eu devo agir eticamente, de acordo com valores caros a sociedades democráticas? Superfaturar o custo de obras públicas, o preço cobrado pela latinha de cerveja ou a barraca de praia alugada para o turista “otário” são ações da mesma natureza, a boa e velha malandragem. Poder-se-ia até discutir o seu caráter criminoso em termos legais, no entanto, se as avaliarmos em termos de valores como decência, honestidade, civilidade, democracia, todas elas são deploráveis e condenáveis na mesma medida.

Colocar o dedo na ferida não é fácil, tanto pra quem coloca quanto pra quem sente a dor, mas é fundamental uma dose de humildade, o que é raro. O colunista do jornal O Globo, Ancelmo Góis, publica, eventualmente, notícias de alguém que foi roubado num restaurante em Paris ou Londres e conclui dizendo que “deve ser terrível… você sabe”. O colunista usa a tática irônica do “morde e assopra”: o título expõe as mazelas brasileiras, porque assaltos de todo tipo são corriqueiros por aqui, mas revela que também em cidades “civilizadas” o “mar não está para peixe”. A mensagem é a seguinte: problemas existem em todos os lugares, ninguém é melhor que ninguém. Este cinismo contamina a todos, como o comprova o Ministro dos Esportes, Aldo Rebelo que, ao comentar a violência urbana no país que sediará a próxima Copa do Mundo de futebol, respondeu que a única vez em que sofreu um assalto em sua vida foi, que azar, na Cidade Luz, Paris. A dificuldade em aceitar críticas de um homem público traz consigo um tom de empáfia, arrogante, prepotente, de péssimas lembranças, quando se ouvia a frase “Brasil: ame-o ou deixe-o”.

Será que devemos partilhar desta lógica do “roto falando do esfarrapado”? Será que devemos nos contentar com um padrão moral de quinta categoria, já que aqui, em Paris, Londres ou Nova Iorque encontramos os mesmos problemas? Será que as respostas aos problemas são as mesmas? E por que compararmos incessantemente o que acontece em nosso quintal com o que acontece no quintal alheio? Por que não medirmos nossa moralidade a partir dos nossos critérios? Por que não conseguimos nos desvencilhar destas comparações ridículas com o exterior, tentando desqualificar, a partir de alguns exemplos de violência urbana (notem: nunca há mortos e feridos, ao contrário daqui) a qualidade de vida de sociedades socialmente mais justas? Por que a sociedade brasileira não mede suas ações a partir de sua régua moral? Não seria uma prova de despeito, inveja? Se franceses, ingleses e norte-americanos vivem mal, problema deles. Cuidemos dos nossos.

A Lei de Gérson, diferente da maior parte das leis brasileiras, que não pegam, pegou. E por quê? Porque não depende de imposições legais, é parte do direito consuetudinário, direito não escrito fundado nos usos e costumes, incorporado ao cotidiano assim como o feijão com arroz. O mais triste é ver que o malandro pé de chinelo não entende que sua ação só legitima as “malfeitorias” dos de cima. É o barraqueiro da praia ou o ambulante da latinha de cerveja que tem que usar os sistemas públicos de saúde e transporte, sucateados, com deficiência de profissionais qualificados e infraestrutura caindo aos pedaços. Sucateados, diga-se de passagem, além da costumeira ineficiência da gestão do bem público, e pra rimar, por conta da  malandragem.

Até quando a sociedade brasileira vai sofrer da Síndrome de Gabriela? Eu nasci assim, eu cresci assim, e sou mesmo assim, vou ser sempre assim… Gabriela… Sempre Gabriela.


* MARCELO GRUMAN é Doutor em Antropologia Social pelo PPGAS/MN/UFRJ, Antropólogo e Especialista em Gestão de Políticas Públicas de Cultura.

Anúncios

3 comentários sobre “A Lei de Gérson revisitada

  1. Prezado Marcelo Gruman:
    Nos estudos literários de Roberto Schwarz destaca-se entre os ensaios sobre Machado de Assis, o opúsculo “Ao Vencedor as Batatas” (1977). Seu pensamento sobre literatura é inseparável da reflexão mais ampla sobre política e sociedade, e, nessa direção, podem-se mencionar os ensaios: “Cultura e política, 1964-1969”, originalmente publicado em: Les Temps Modernes (1970), e recolhido em O Pai de Família; “As ideias fora de lugar” (1973), e depois incorporado ao livro: “Ao Vencedor as Batatas”. É precisamente neste último que R. Schwarz, tomando a reflexão de Machado de Assis, como já observamos na revista Literatura Política & Sociedade (2010), que o favor é um nexo quase universal no Brasil. A referida “lei do Gerson”, é apenas uma representação (αντιπροσώπευση) e atualização sobre a dimensão do problema. Ubiracy de Souza Braga

  2. Então, precisamos fazer uma MANIFESTAÇÃO DE RUAS – OU NAS PRAIAS – do Rio de Janeiro, para protestar contra os preços abusivos. kkk, e com direito a usar o serviço dos Black Bostas. Contra a lei de Gerson, ou MELHOR, CONTRA a lei do vale-tudo para “roubar” o freguês e justificar moralmente que “é a vida”, acho que não é uma causa da esquerda tradicionalista. Ou seria??? Disseram-me que existe um lugar pior do mundo, onde mafias grandes, pequenas e micro “roubam” cinicamente tanto de turistas como de nativos. Mais ainda, mulheres vestidas de modo vistoso são confundidas com moças de programa, também são “sequestradas” pelos grupos para serem enquadradas nos preços deles. Este país é a Russia.

  3. Pois é, voce tem razao em lutar para uma moral nacional mais exigente, mas a Lei de Gerson é universal, sim. E lendo o seu artigo, fiquei achando que na Europa é pior, pois no verao, pelo menos aqui no litoral atlântico da Franca, os preços aumentam também na feira e aumentam para todo o mundo, turista ou local.
    Parece que na Riviera é os preços sobem mais ainda no verao e também la, para os moradores como para quem chega …
    Desculpe, mas visto de longe, o que falseia todas as brilhantes analises da classe média intelectual e urbana, é o pessimismo com o estado atual da politica, da moral publica, da economia, etc., quando basta um pequeno distanciamento objetivo para ver que nada piorou, que a corrupçao durante os regimes militares, p/ex., era bem pior, que na época do encantador Juscelino Brasilia quase afundou as finanças do pais, etc. e quanto mais recua, mais piora.
    Mas isso se entende, alguém me disse que “as montanhas sao azuis porque estao longe”. Tanto no espaço quanto no tempo, pelo jeito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s