Luto neste Primeiro de Maio

silva-ledaLEDA MARIA MESSIAS DA SILVA*

Nunca um “primeiro de maio”, teve tão pouco a comemorar. Primeiro, assistimos, estupefatos, a Câmara dos Deputados aprovar o PL 4330/2004, que trata da terceirização na atividade-fim da empresa.  Depois, os trabalhadores da Educação, que contribuem com descontos mensais em seus parcos salários, para comporem uma Previdência que garanta a sua aposentadoria no futuro, se viram ameaçados por saques de sua Previdência pelo Estado, que importam em torno de 124 milhões mensais. Em decorrência disso, foram à luta pelos seus direitos e sofreram toda a sorte de violências, com gazes, balas de borracha e cães adestrados para o ataque, como se fossem criminosos de alta periculosidade. Diante da dor, seus gritos não foram ouvidos, pela “Casa” que deveria acolher e ouvir o povo.

Certamente, a OIT (Organização internacional do Trabalho), que prega a liberdade sindical, ficaria indignada com tanto cerceamento de defesa, de um direito legítimo do trabalhador público ou privado, que é a greve. A greve é uma forma de autodefesa e toda classe de trabalhadores que esgota as possibilidades de negociação com o seu empregador tem o direito de se manifestar.

Já quanto ao PL 4330/2004, recentemente alguns veículos de comunicação estamparam informes publicitários assinados por associações patronais defendendo a terceirização, conforme exposta nesse projeto, sob o argumento de que é boa e regulamenta a terceirização. Mas, que o leitor não se deixe enganar, pois este projeto amplia a terceirização para a atividade-fim. Se de fato o objetivo fosse regulamentar a terceirização, o fariam na atividade-meio –  que, aliás, é o que permite a súmula 331 do TST: terceirização na atividade-meio. Essa súmula foi elaborada no seio da Justiça especializada em direito do trabalho, ou seja, por aqueles que conhecem as necessidades do trabalhador. Sou pós-doutora em Direito do Trabalho, com mestrado e doutorado sobre a terceirização, e tenho um livro publicado sobre o tema, pela editora LTr, de São Paulo-SP. Fiz pesquisa de campo sobre a terceirização e sei muito bem do que estou falando. Assim como também o sabem a Associação dos Magistrados Trabalhistas(ANAMATRA) e a de Procuradores do Trabalho (ANPT), que são contra esse famigerado projeto.

Como disse, a Presidente da Associação dos Magistrados de São Paulo, esse projeto cria “carcaças de empresas”, que tudo terceirizam. Se hoje temos em média 15 milhões de empresas terceirizadas, com esse projeto corremos o risco de ampliar para 30 milhões, de tão bom negócio que isso é para quem está ávido para explorar o trabalhador. E que não se venha argumentar que a responsabilidade de quem toma o serviço da empresa que coloca a mão-de-obra é solidária e que os empregados terceirizados ganharão o mesmo salário dos empregados da tomadora, pois, se a tomadora pode terceirizar tudo, pode não haver com quem se equiparar – sem contar que, com salários mitigados e direitos reduzidos, a responsabilidade proposta, pouco significa. Ora, se assim não fosse, para que colocar um terceiro intermediando a relação de trabalho sua e do seu atual empregador???  Portanto, não é verdade, como afirma um dos informes publicitários que li, que quem fala contra, não sabe o que está falando; isso é o que querem que o povo acredite. Sou totalmente contra a terceirização na atividade-fim. Não tenho nada contra a terceirização na atividade meio e penso que deve ser regulamentada, sim. Já passou da hora!

Querem mesmo regularizar a terceirização??? Querem mesmo garantir direitos dos trabalhadores??? Regularizem-na, mas na atividade-meio, com responsabilidade solidária para o tomador de serviços. Qualquer outra coisa, como diz o ditado popular, “é conversa para boi dormir”.

O povo tem de “abrir os olhos” e escolher melhor os seus governantes, pois, a continuar nesse ritmo, para os professores (e, consequentemente, para a Educação), bem como para os demais trabalhadores, chegaremos ao ponto de termos escolas que terceirizam professores, comércio, que terceiriza comerciários, bancos que terceirizam bancários. Chega de enganação! Mais Educação, inclusive, para os nossos governantes no trato com os professores!!!

* LEDA MARIA MESSIAS DA SILVA é Pós-doutora em Direito do Trabalho e professora da UEM (Universidade Estadual de Maringá).

Anúncios

5 comentários sobre “Luto neste Primeiro de Maio

  1. Para ter sólida sustentação a essas opiniões, poderia nos revelar parte de seus conhecimentos, poir exemplo, como esse assunto é tratado nos países desenvolvidos?????

  2. Obrigada Dra. Leda Maria Messias da Silva por contribuir este comentario. Nestes dias em que houve tanta gente tentando se manifestar sobre estes desenvolvimentos infelizes no estado do Parana’, muitos tinham opinioes, e, como eu, sabiam que o que se fez contra o trabalhador em geral, e contra os professores em particular esta’ errado. E’ bom ler o texto de alguem que lida com isto profissionalmente e nos explica melhor o que se passa. Sim, temos que escolher nossos dirigentes de forma mais cuidadosa. Seria bom tambem que melhores pessoas entrassem na politica. Temos que inundar a politica de pessoas boas, pessoas honestas, pessoas que nao entram neste jogo exclusivamente pra se enriquecer e enriquecer os exploradores do trabalhador.

  3. A Terceirização sempre existiu e sempre existirá. Há que conseguir uma forma de legalizá-la, sem mexer nos poucos direitos trabalhistas que subsistem no Brasil.
    A Terceirização está regulamentada em todo o mundo desenvolvido. Será que por aqui não temos capacidade e potencial para trabalharmos este assunto com o devido profissionalismo e seriedade?

  4. Pode não ter o que FESTEJAR nesse primeiro de maio. O que COMEMORAR tem e muito. CO-MEMORAR significa, LEMBRAR JUNTO.

    Como costumava dizer o grande compositor, Ary Barroso, PRECISAMOS TIRAR CAMÕES DO OSTRACISMO.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s