A leitura por prazer, um programa para salvar a escola

ELOÉSIO PAULO*

 golconda

Ao mesmo tempo em que pululam queixas contra a desimportância crescente da literatura frente à explosão quantitativa, nos últimos 20 anos, das opções anticulturais que lhe fazem concorrência – televisão e Internet, especialmente –, qualquer observador atento notará que, ao menos no Brasil, tem-se firmado o consenso de que as pessoas precisam, com urgência, ler mais. Mas falamos de um consenso visivelmente perplexo, pois traz embutida a desconfiança de que há qualquer coisa muito mais complicada do que supõe a bem-intencionada promoção de feiras do livro, concursos literários, festivais e eventos semelhantes, em geral episódicos e de reduzida capilaridade. Longe de oferecer respostas simples ao problema, este pequeno ensaio pretende expor, sobretudo para escolas e pais empenhados em promover a leitura entre crianças e jovens, uma compreensão organizada pela experiência no ensino de literatura e pela reflexão incomodada com o fato de elementos importantes para a discussão serem, usualmente, escamoteados por quem pretende conduzi-la, sobretudo no âmbito das escolas e órgãos públicos afetos ao problema.

Obras recentes como o livro A literatura em perigo, de Tvetan Todorov, são um ponto de partida viável para a reflexão teórica. No mínimo, iluminam aspectos daquilo que poderíamos chamar desletramento literário ligados ao surgimento de sociedades cujo horizonte é pautado, de maneira crescente e até assustadora, pelas chamadas “tecnologias de informação e comunicação”, entre as quais, quando se fala de um país que já tem muito mais de um celular por habitante, avultam em importância as chamadas “redes sociais”. Mas tem faltado a muitas dessas discussões uma visada histórica, começando pela consciência de que o ser humano e a cultura ocidental existiram, respectivamente, milhões e milhares de anos antes do surgimento da rede mundial de computadores. Não é só a literatura que está em perigo, mas a própria noção de ser humano construída à custa de uma dolorosa depuração das sociedades ocidentais, as quais, goste-se delas ou não, têm mais qualidades do que as oficialmente pautadas pela ignorância e pela superstição.

Um modo seguro de encarar com estreiteza mental o problema da leitura é ignorar que existe uma opção entre o livro e as outras “diversões”. E que, havendo opção, também existe oposição. Não é uma assertiva dogmática; é que o dia tem apenas 24 horas, nas quais cada indivíduo precisa fazer que caibam todas as suas atividades. Sendo assim, supondo que algumas destas sejam irrecusáveis, como dormir, alimentar-se e satisfazer as necessidades fisiológicas (para não falar da escola e do trabalho, incluído o tempo gasto no transporte de ida e volta para eles), resta impossível negar que o número de horas disponíveis é restrito. Ora, se alguém reconhece a importância da leitura e ao mesmo tempo se sente, pela força inercial do pertencimento a um grupo, compelido a gastar diariamente algumas horas na Internet, provavelmente terá que optar. Seria possível repartir o tempo, mas temos visto não ser isso o que ocorre na maioria dos casos.

A explicação mais óbvia para a opção pela Internet, ainda mais depois que ela migrou para o celular, é a lei do menor esforço. Isso já ocorria e ainda ocorre grandemente na escolha entre leitura e televisão, mas agora com os adultos menos escolarizados e de menor renda. O problema tem aspectos muito mais complexos, mas começa pelo fato de que não existe um verdadeiro interesse social pela leitura, conduzindo facilmente ao consenso indicado pelos eventos literários, cujo crescimento nos últimos anos vai na contramão do alarme contra a redução da leitura.

A sociedade do espetáculo no pós-guerra e, mais recentemente, a sociedade digital não percebem, exceto aqueles que realmente as comandam, que pela sua lógica o tempo das pessoas precisa ser destinado ao trabalho indireto. Reciclando uma ideia de Robert Kurz já não muito nova, vamos aqui definir como trabalho indireto aquelas atividades em que, pensando desfrutar de momentos de lazer, as pessoas de fato estão trabalhando para que grandes empresas faturem bilhões de dólares. Assim é quando milhões e milhões de brasileiros gastam tardes de domingo – que jamais terão a chance de recuperar – assistindo ao Domingão do Faustão ou ao Programa Sílvio Santos; assim é quando uma criança de dez anos passa horas vidrada na tela de um smartphone, o que só traz proveito efetivo para as fábricas de celulares e operadoras de telefonia.

Em resumo, as crianças brasileiras, de classe média para cima, estão trabalhando sem saber e sem que seus pais se deem conta disso. Elas são proibidas, num país que dá como inquestionável o direito dos menores à infância, de ajudar duas horas por dia na loja da família, mas podem trabalhar indiretamente para a Nokia ou a TIM. Obviamente a condição das crianças mais pobres, ou das que vivem na Índia ou na China, é muito pior; mas isso não nos dá o direito de negar o óbvio: meninos e meninas que não precisam de celular, porque este não é um brinquedo e eles nunca atendem à ligação dos pais, estão trabalhando de sol a sol para empresas transnacionais sem que nenhum conselho tutelar reclame disso.

Quando lemos a lei, percebemos claramente o que ela diz: a escola é o único “trabalho” admitido para as crianças e os jovens. Mas aí entram vários outros problemas anteriores ao surgimento do smartphone, a começar pela baixa qualidade da escola brasileira. Do ideal civilizatório de cidadãos esclarecidos, pulamos direto para a produção em série de candidatos a técnicos aos quais, muitas vezes, inteligência e lucidez não fazem nenhuma falta. Do Ministério da Instrução Pública para um MEC  impregnado do democratismo ingênuo que considera Rubem Alves densa referência filosófica, algo de muito importante se perdeu. Da escola para poucos onde muitos tomavam bomba à “escola para todos” onde poucos aprendem alguma coisa, o país trocou a possibilidade de ter uma elite intelectual pela formação de “cidadãos” que só têm direitos e nenhum dever, e por aí vamos. Signo infalível dessa mudança foi a substituição do latim, língua “morta”, pelo inglês vivíssimo que não passa nunca além do verbo to be.

O resultado de tudo isso não foi um país mais inteligente. Basta ver o que passa nas principais redes de TV, o que toca em quase 100% das emissoras de rádio, para concluir que produzimos idiotas aos milhões – pois é preciso formar um grande público que aceite consumir tanta porcaria. E esse foi o “paladar” cultural transferido para a diversão via Internet. O principal efeito da massificação do ensino foi a liberação de um tempo cada vez mais longo para as crianças trabalharem indiretamente.

Começaremos a entender o desprestígio da leitura quando entendermos qual é o papel das famílias, da escola e do professor nesse processo. Mas essa compreensão está, no máximo, difusa no desespero com que pais e mestres tentam resgatar o hábito da leitura, muitas vezes misturando-o com aquilo que é exatamente o seu contrário, como ao reconhecer “poesia” em letras de funk nas quais ressoa o coração das trevas da nossa mais abissal e generalizada ignorância.

A família e a escola não podem fazer muito a respeito, pelo menos até que compreendam: a indústria cultural, da qual o WhatsApp e o Facebook são os sucedâneos mais poderosos, tem como único objetivo explorar o trabalho indireto de seus usuários. Quem acha que está “se divertindo” enquanto trabalha de graça é burro, simplesmente burro.

Surge, então, outro problema subsidiário, que é a redução veloz da importância da família e da escola como aparelhos ideológicos. Com essa expressão, Louis Althusser definia no final dos anos 1960 as instituições capazes de influir mais ou menos poderosamente na formação da identidade de alguém.

Quanto à família, em muitos casos simplesmente deixou de existir. Alguns pensam que ela está sendo reconfigurada, mas se esquecem de que a evolução das espécies é muito mais lenta que a corrida tecnológica. Assim, a erosão da autoridade dos pais não é algo tão simples quanto parece, e os consultórios de psicologia estão lotados exatamente porque não é possível produzir saltos e lacunas na formação de uma subjetividade sem, ao mesmo tempo, produzir desorientação. Se faltam pontos de referência onde a psique em formação tende instintivamente a procurá-los, é certo que surgirão substitutos (traficante ou Malhação, a diferença não é tão grande quanto parece).

Quanto à escola, em primeiro lugar vem a proletarização do professor. Se a falta de prestígio social de quem ensina chegou a torná-lo um coitadinho, como esperar que ele seja respeitado por quem está em busca de heróis? É claro, existem muitos profissionais do ensino que não se rebaixam à condição simbólica de vítimas, mas exceções normalmente confirmam a regra.

Imaginemos que o professor fosse bem remunerado e tivesse uma carreira decente. Ainda assim, precisaria de um reforço em sua formação, porque dar aulas hoje não é mais como antigamente; é necessário aprender a usar os novos recursos, e poucos mestres estão aptos mesmo a produzir boas apresentações em Powerpoint – não por sua culpa, mas porque esse tipo de instrumentação não recebe a devida ênfase nos cursos de licenciatura. Contudo, fique a ressalva: usar o Facebook tem mais chance de ser uma rendição ao inimigo que de trazer reais contribuições à qualidade de uma aula. Se continuar lidando de modo passivo com a concorrência desses novos aparelhos ideológicos tão sedutores, porque fundados na propaganda agressiva e na lei do menor esforço, a escola se tornará cada dia mais obsoleta e desinteressante.

Mas, quaisquer que sejam as críticas que façamos aos pais e aos professores, há uma diferença que não pode ser esquecida. É que, mesmo errando tanto, eles costumam ter com as crianças e os jovens uma relação profundamente afetiva e existencial: erram querendo acertar, desejam o bem daqueles que estão sob seus cuidados. Isso não ocorre com os aparelhos ideológicos regidos pela lógica industrial, cujo único objetivo é transformar o indivíduo em traço a mais no gráfico dos lucros planejados.

Considerando tais fatos, talvez seja menos difícil entender a desorientação de pais e mestres quando se trata da tentativa de promover a leitura. Eles sabem, muitas vezes por puro instinto, que ler ajudar a formar pessoas mais preparadas para a vida. Só não sabem por onde começar, porque todos os caminhos parecem já trilhados e comprovadamente fadados ao fracasso.

Não existem respostas fáceis, mas talvez o problema fique mais claro se as pessoas se empenharem de fato em compreendê-lo. Para os pais, isso poderia começar com esta pergunta: eu coloquei filhos no mundo para que sejam escravos de algo ou de alguém? Isso porque, sem exagero, a escravidão ao Facebook tem chegado em numerosos casos a lembrar uma daquelas possessões diabólicas dos filmes de terror.

Para os professores, a pergunta inicial poderia ser: eu quero ser um frustrado como pessoa e como profissional, passando o resto da vida com a certeza de que faço um trabalho inútil?

Só a partir de perguntas como essas parece ser possível, na atualidade, discutir o problema da leitura. Como não cabe aqui a abordagem de todos os aspectos do problema, listamos a seguir alguns pontos que, a nosso ver, o professor e a escola precisam considerar.

  1. A leitura de textos literários não interessa apenas aos professores de Português. Todas as disciplinas têm a ganhar se os sujeitos forem capazes de pensar e expressar-se com clareza, a começar pela interpretação correta dos enunciados em provas e exercícios.

  2. Aulas de gramática não podem ser uma forma de engabelar o aluno só porque envolvem menos dificuldades, no espaço da sala de aula, que atividades de leitura e produção de textos.

  3. Aulas de gramática podem ser muito interessantes; exercícios gramaticais são, quando bem elaborados e conduzidos, um indispensável treinamento da capacidade lógica – ao contrário do que parece pensar a maioria dos “educadores” responsáveis pela formulação de políticas de ensino no Brasil.

  4. A decoreba (acentuação, ortografia) é importante e pode ser promovida por meio de bem-humorados exercícios de fixação, mas não deveria nunca chegar ao ensino médio. Em nenhuma disciplina.

  5. O tempo “inútil” dispendido em memorizar regras, como aquele gasto para aprender tabuada, é muito mais útil do que a maioria absoluta das atividades hoje exercidas pelas crianças e pelos jovens fora do horário escolar.

  6. Redações não corrigidas nem anotadas são trabalho perdido, para o aluno e para o professor.

  7. É ridículo ser luddita, mas igualmente ridículo fazer coro à ideologia tecnicista. O computador não liberta ninguém, é uma ferramenta que exige habilidades adquiridas com antecedência, especialmente a capacidade de ler textos de maneira crítica e seletiva. Computador na mão de analfabeto é, guardadas as proporções, como fuzil automático na mão de psicopata.

  8. A leitura de textos literários é uma atividade civilizatória sem possibilidade de substituição. Nem por filmes nem por coisa nenhuma. Conversar com Dante Alighieri ou Clarice Lispector, em vez de bater papo com o coleguinha da mesma idade e, portanto, portador das mesmas limitações de conhecimento de si e do mundo, é ter acesso ao que produziram algumas das mentes (e sensibilidades) mais privilegiadas que já passaram por este mundo.

  9. “Conversar” com pessoas tão brilhantes, por meio da leitura de suas obras, ajuda alguém a ser mais lúcido e a pensar de maneira autônoma, tendo com isso muito mais chance de encontrar soluções para os problemas da vida.

  10. Em oposição, a TV promove dia e noite a estupidez e a futilidade como se fossem as únicas opções de divertimento. A indústria cultural é, entre todas as indústrias, a que tem menor compromisso com a qualidade do que produz. Isso está comprovado por um século de História, basta verificar para comprová-lo.

  11. A tecnologia pode ser muito útil para quem tem consciência de que o mundo existia antes dela. Para os ignorantes, tende a ser uma perigosa armadilha.

  12. O professor pode ser, em larga medida, vítima de um consenso social que apenas simula ter interesse na promoção da inteligência. Porém as maiores vítimas são as crianças e os jovens, pois eles sempre acharão que não existe outro mundo possível, exceto se alguém lhes falar sobre essa possibilidade.

  13. O professor precisa dar o exemplo, sendo um leitor empolgado e qualificado. Ninguém é convencido a ler se não percebe que pessoas admiráveis realmente têm prazer com a leitura.

  14. Professores precisam inteirar-se, filosoficamente, de sua função como produtores de inteligência, e não conformar-se ao papel de tocadores burocráticos do cotidiano escolar.

  15. Uma escola e um professor que confirmam aquilo que diz o senso comum criado pela indústria cultural são inúteis e merecem o desapreço que lhes dedicarem seus alunos.

  16. A estratégia número um de promoção da leitura é não transformá-la em obrigação: a criança e o jovem precisam ser levados a perceber que, se tantas pessoas têm prazer na leitura, não deve ser tão difícil descobri-lo pessoalmente. Ficha de leitura, nem pensar; existem muitos modos mais inteligentes de checar se alguém leu um livro.

  17. É uma ingenuidade panglossiana pensar que qualquer leitura tem valor. Best sellers fabricados para lisonjear a ignorância das crianças, blogs de “funfic” nos quais Justin Bieber é mitificado como herói devasso e drogado não passam de derivações acanalhadas do que o cinema e a TV já produziram de pior.

  18. Escolas precisam ter bibliotecas diversificadas, as quais, por sinal, custam muito menos que um laboratório de informática e demoram muito mais para se tornar desatualizadas. Pais e professores têm o dever de exigi-lo dos diretores e proprietários de escola que não cumprem espontaneamente um dever tão elementar.

  19. A oferta de textos literários deve ser progressiva e começar por textos curtos, lúdicos e engraçados. É indesejável impor tarefas enfadonhas e desestimulantes associadas à leitura; a sensibilidade do professor deve permitir-lhe avaliar os alunos individualmente, não pela discutível média definida nos programas de ensino.

  20. A oferta também deve ser, na medida do possível, individualizada. É urgente superar a fragmentação da vivência escolar, reflexo de uma divisão de tarefas de inspiração fordista que nada tem a ver com o indivíduo humano, por natureza irredutível a médias abstratamente definidas.

  21. Os alunos devem ter uma quota mínima de leitura por mês, em casa e na escola. É totalmente indesejável haver descontinuidade nesse processo, e aqui entra o papel de diretores, supervisores e coordenadores: na escola, a eficácia do ensino da leitura implica um planejamento inteligente.

  22. Uma criança que leu oito ou dez livros por ano terá aprendido muito mais que a maioria dos “bons” alunos bem adaptados a um conceito behaviorista de aprendizagem.

  23. O professor precisa convencer-se e, na medida do possível, convencer a comunidade escolar de que a literatura, representando pelos ângulos mais variados a condição humana, aparelha o leitor para tornar-se capaz de imaginar soluções. Um bom leitor é muito menos passível de ver-se encurralado pelos problemas que surgirão ao longo de sua vida.

  24. Esse ser humano versátil e aberto ao conhecimento interessa a todos, não apenas ao professor de literatura: tem maior prazer no aprendizado, disposição para as relações humanas, capacidade de interpretar situações e, portanto, de produzir conhecimento em vez de simples e passivamente absorvê-lo.

  25. A capacitação dos professores deve ser continuada, pois as licenciaturas ainda os preparam muito mal para o ensino. Há por aí muita teoria furada, muito idealismo e pouco pé no chão.

  26. O texto literário deve ser contextualizado, referido ao mundo atual, e não apresentado como coisa antiga que perdeu a validade por tratar de outras épocas e numa linguagem obsoleta. José de Alencar? Só depois que o aluno se tenha tornado um leitor crítico, autônomo e espontâneo.

  27. O estudo da literatura está condenado ao fracasso quando insiste – e é isso que ocorre na maioria dos livros didáticos – em subordinar-se a uma perspectiva historicista. A periodização literária deve resultar da leitura de textos que sejam interessantes para o estudante, e fazê-los interessantes depende muito de o professor ter conhecimento e estratégica didática.

  28. Talvez fosse o caso de rebatizar a disciplina Literatura, pois esse nome já se tornou por demais associado à enfiada de datas e autores antigos apresentados ao estudante sem qualquer mediação com o mundo contemporâneo.

Ao contrário do que pode sugerir o título, este ensaio não é uma receita pronta e acabada. É apenas a síntese provisória de bons anos de experiência e reflexão. Na melhor das hipóteses, tem a pretensão de fazer alguns colegas atentarem para a grande lacuna filosófica e metodológica das tentativas de oferecer soluções para a falência da escola brasileira. Vamos concluí-lo, portanto, com duas citações que apontam para um futuro desenvolvimento do raciocínio aqui esboçado. A primeira, de Marisa Lajolo, que intitulou assim um artigo já clássico: “O texto não é pretexto”. Quer dizer, nada vai dar certo se as pessoas responsáveis pela promoção da inteligência não se convencerem de que a literatura é um discurso radicalmente autônomo, talvez o último reduto da efetiva liberdade de pensar e sentir: não deve ser usada para finalidades ideológicas nem reduzida a instrumento ou caminho para validar qualquer outro discurso. Muito menos como subsidiária do ensino de gramática.

A segunda citação é do poeta norte-americano Ezra Pound, que definiu a poesia como “conversa entre homens inteligentes”. O conceito vale para todos os bons textos literários: do outro lado está uma pessoa que tem ou teve grande capacidade de iluminar nossa compreensão do mundo, de nós mesmos e do papel da linguagem nisso tudo. É uma grande burrice perder a oportunidade de conversar com um sujeito que, nos dias de hoje, a produção industrial de consciências teleguiáveis tem tornado cada vez mais raro.

eloesio* ELOÉSIO PAULO é professor da Universidade Federal de Alfenas (MG). Publicou diversos livros de poesia e crítica literária, entre eles: Os 10 pecados de Paulo Coelho, Jornal para eremitas e Parque de impressões (poemas para crianças, selecionado para edição pelo PNBE/MEC).

Anúncios

10 comentários sobre “A leitura por prazer, um programa para salvar a escola

  1. Excelente análise da situação vigente: desinteresse pela leitura impressa em detrimento da leitura virtual. E pior, a maioria das pessoas nem se dão ao luxo de ler, apenas assistem “ouvem” de forma passiva tudo que vem via midias eletrônicas.

    João Mendonça
    Prof. Aposentado

  2. Um ensaio lúcido sobre o que realmente vem acontecendo com os alunos, da infância à fase adulta. Seja no ambiente escolar, que infelizmente não favorece o exercício da leitura, seja no ambiente familiar, social, a boa leitura perde mais e mais espaço para as inconsistências das redes sociais e outras atrações vazias que detonam com o tempo desses alunos, formatando-os para a vivência acomodada e conformada da imbecilização, no seu sentido mais amplo. Em sua escrita apurada, o texto de Eloésio Paulo é um convite para repensarmos a leitura como importante formadora do ser humano integral e criativo, e uma convocação aos professores e profissionais da Educação para que percebam a urgência de se fazer algo para mudar essa assustadora realidade. É preciso, mais do que nunca, despertar nos alunos o prazer pela leitura, se quisermos um futuro melhor, com pessoas com maior senso crítico, com potencial criativo, com capacidade de criar soluções em todos os âmbitos da vida.

  3. Continuando a reflexao, e retomando alguns pontos:
    5 – a valorizaçao da memoria através da aprendizagem de cor (de coraçao, ora pois pois) ja tinha sido abandonada ha muito tempo. Meu testemunho é da ausência quase total da leitura e memorizaçao de poemas e outros textos carregados de musicalidade desde, pelo menos, os anos 50.
    E garanto que faz falta uma memoria bem treinada.
    16 – Isso me lembra o conselho de Daniel Pennac, professor e escritor de sucesso junto a adolescentes, de que um bom meio de interessar os meninos na leitura seria talvez proibi-la. Quem sabe os pais pudessem mergulhar numa leitura apaixonada (pode ser um real prazer) de um um livro sob as vistas de um jovem condenado a ficar diante da tv ou do computador. Nao custa tentar…
    26 – José de Alencar? Primeiro os atuais professores e pais precisariam reler e aprender a decifrar a densidade de textos feitos para desasnar mocinhas e mocinhos da sociedade imperial e escravagista, ao mesmo tempo que diverti-los. Antes de ensinar a ler, é preciso aprender uma porçao de coisas, que voce ja enumerou acima: conhecer a historia da cultura, do pais’; descobrir as proprias raizes; se abrir a outras maneiras de ver o mundo, etc etc.

  4. Nós professores, estamos em pânico com a geração jovem que chega e não quer, não sabe mais ler,nada além dos faces e os wats up.

  5. O texto do Eloésio é longo, com muitos aspectos a serem considerados. Devo dizer que gostei muito do que ele escreveu e aproveito para dar um depoimento pessoal, que é o de uma pessoa que nasceu na primeira metade do século passado, no Rio de Janeiro, e estudou em escola pública cujas professoras foram formadas nos antigos institutos de educação e nas escolas normais, onde aprendiam português com base no latim, no livro do Souza da Silveira.

    Não me recordo de que tenha feito esforço para decorar nada, de modo que tanto a tabuada quanto as aulas de história, de português e de geografia, continuam vivas na minha mente. Na verdade, o pai de uma menina, achando que ela decorava as coisas, recomendava-lhe que não fizesse isso, mas procurasse entender. A menina então usou a seguinte expressão: PAI, EU NÃO DECORO NADA. FICA TUDO. Em suma, o professor enunciava o Teorema de Pitágoras, por exemplo, e o explicava e aquilo dificilmente sairia da nossa cabeça. Detalhe: JAMAIS VIMOS TELEVISÃO. Mas líamos bastante. Não tínhamos a menor ideia do que viria a ser um computador e telefone era coisa difícil de se conseguir. Naturalmente que brincávamos bastante e adorávamos praia.

    A televisão mudou tudo, a ponto de pesquisadores do MIT terem afirmado que as gerações que se seguiram ao advento da TV e a ela ficaram expostas, NÃO TEM A INTELIGÊNCIA DAS MAIS ANTIGAS. Isso dá o que pensar, se levarmos em conta que há cinquenta anos o Brasil não produz, com raríssimas exceções, um grande nome no campo da cultura. Gilberto Freyre, que nasceu no início do século passado, escreveu CASA GRANDE & SENZALA quando tinha em torno de trinta anos de idade. José Guilherme Merquior, se vivo fosse, teria mais de 70 anos. Mais de 70 tem também o Eduardo Portella e o Muniz Sodré. Chico Buarque já passou dos 70.

    Ensinar matemática hoje à maioria dos jovens é um Trabalho de Sísifo. Eles não conseguem se lembrar do que aprenderam no dia anterior. A situação nos grotões é mais dramática ainda. No extremo sul da Bahia, por exemplo, muitos professores são iletrados. Convidado que fui para dar um curso para professoras, pedi a oito delas que escrevessem uma definição de SISTEMA. Dez minutos se passaram e nenhuma delas conseguiu escrever uma linha sequer. Professores de matemática ignoram coisas básicas da disciplina mas são capazes de dizer, como eu ouvi, que ESSES ALUNOS NÃO APRENDEM NADA.

    Os alunos vão sendo aprovados, automaticamente, e chegam ao final do curso, tão ignorantes quanto eram quando nele entraram. Professoras analfabetas funcionais fazem alarde de que tem pós-graduação disso e daquilo, mas não conseguem escrever cinco linhas de texto sem agredir cruelmente o vernáculo.

    São, na verdade, professores formados em quitandas de ensino que dão diplomas a despreparados. E isso ocorre diante dos olhares complacentes e permissivos do MEC, sinalizando para o povo de que se pode ser tudo sem saber nada. Um verdadeiro populismo demagógico educacional, expresso, entre outras coisas, pelo slogan UNIVERSIDADE PARA TODOS.

    Na verdade as coisas tem a sua lógica, a sua razão de ser. Trata-se de uma das facetas da CAPITULAÇÃO GLOBAL diante dos esquemas de DOMINAÇÃO.

    Fico por aqui, pois já vai longe este comentário e a mim faltam o engenho e a arte para propor soluções.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s