A tarefa docente: a arte do ofício na sociedade pós-moderna sob a égide neoliberal brasileira

WELLINGTON FONTES MENEZES*

imagem-lousa-giz

  1. O palco despedaçado: um discurso sem lastro e o declínio do oficio

Há um discurso que beira a hipocrisia dentro de uma sociedade cada vez mais projetada com as trágicas lições do neoliberalismo à brasileira engajadas nas doutrinas do consumismo imediatista, satisfação instantânea e o narcisismo compulsivo em detrimento do olhar crítico perante aos dilemas da totalidade social. A retórica é que ela, a sociedade, estaria preocupada com a educação. Afinal, qual educação e para quem? Neste sentido, a Educação é vista como algo individualizada e movida à promoção do capital no que tange a destruição da educação pública e a louvação mercantilista da atividade privada, em especial, na Educação básica. Ao professor, destituído de sua função original, restou ser mais um operário das engrenagens fabris cheio de câmeras da mercantilização da cultura.

O sistema de educação básica é um retrato da sociedade brasileira que ainda flerta com um velho ranço do darwinismo social: injusto, desigual, excludente e voltado para agradar a clientela de todos aqueles que têm maior poder aquisitivo. Inúmeros são os problemas na área educacional de ensino básico e as soluções estão bem distantes de carecerem uma maior aplicação política por parte do Poder Público. Sintomaticamente, as carreiras voltadas à Educação seguem em baixa, tanto no seu prestígio social, quanto a remuneração por suas atividades. Nítido o déficit de professores em especial, nas áreas mais ligadas as ciências no ensino fundamental e médio.

O abandono de incentivo à carreira, as dificuldades operacionais e os péssimos salários comparado à outras carreiras de similares exigências de formação contribuem para uma explicação da baixa procura por candidatos aos cursos ligados à tarefa docente nas faculdades e universidades. A crise de autoridade do professor está na mesma esteira da crise de identidade típica dos fenômenos da Pós-modernidade, onde as certezas mais factíveis viraram transformações líquidas de um mundo cercado de muitas bugigangas tecnológicas, relações efêmeras objetais, massificação do consumismo e o transbordamento da angústia existencial.

  1. Uma arte mutilada pela avareza do capital e o descaso governamental

Fazendo uma analogia com uma consagrada assertiva de Simone de Beauvoir (1908-1986): ninguém nasce professor, torna-se professor. Pertinente lembrar a frágil formação dos cursos voltados para as licenciaturas, tendo em vista uma precarização de currículos e falta de estrutura para a formação dos futuros profissionais da área. A mídia também participa do papel de descaso do professor, além de transformar a profissão em motivo de chacota de programas humorísticos, transformando o docente em “pobre coitado”, digno de pena pública, cercado por um bando de imbecis com indagações patéticas, que seriam os alunos.

A educação com engajamento de reflexão crítica e humanista vem vertiginosamente perdendo espaço dentro da Educação Básica. O “conteudismo” é hoje a matéria orgânica que garante a sobrevivência das escolas da rede privada, quanto que no bojo da educação público é o sintoma do abandono por parte do Estado.

Para quem carece do sistema público, a cena é dantesca. É fundamental lembrar, por exemplo, em São Paulo, o maior centro econômico do país, onde vem repercutindo um alarmante e sistemático sucateamento do sistema estadual de educação, desestruturação sistemática da carreira docente aliada a altos índices de abandono da profissão, doenças emocionais, violência física e moral. Para coroar o circo dos horrores do governo de São Paulo, agora, aplicações uma irresponsável política de “reorganização escolar”, como prega a Secretaria de Educação local, que é o eufemismo perverso de uma insana política de fechamento de quase uma centena de escolas públicas. Por um lado, o governador culpa o atual modelo de “ajuste fiscal” que passa a economia nacional, por outro lado, nada mais é que a política de duas décadas sistemáticas com o descaso com a educação pública básica.

Agora, para os que podem sustentar arcar com os custos perdulários do sistema privado, o cenário não é nada motivador. Os caríssimos sistemas de ensino privado com todo um modelo de marketing de didatismo mecanicista oriunda da “decoreba” de conteúdos para os vestibulares aliados com alguns floreios “divertidos” para ocupar o tempo do aluno e justificarem o alto investimento das mensalidades por parte dos pais dele. De modo geral, o ensino básico do sistema privado virou um grande cursinho pré-vestibular cuja única meta é a promessa aos pais para uma vaga numa (boa) faculdade pública aos seus filhos.

Por outro lado, não se pode esquecer, a tarefa dos pais, dentro de um modelo de consumismo desenfreado, simplesmente se limitou a fazer uma burocrática transação comercial entre os filhos e a escola e, laconicamente, ponto final! Assistimos assim a terceirização das responsabilidades dos pais que são protocoladas em escolas bem remuneradas pelo suor dos seus “investimentos”. Não é a toa que se associa de forma pejorativa o termo oriundo da Economia, o “investimento” mercantilizado associado a um “fundo de longo prazo”, com elementos da Educação cujo slogan bem sintético é travestido em: “invista no seu filho para um futuro melhor!”

Ressalta-se que o reconhecimento profissional e social do professor é cada vez menor e é margeado pela política de produtividade perante seu oficio. A ideia de “bom professor” hoje é aquele que dá “show” na sala de aula, sobe nas luminárias e dá cambalhota e piruetas, que deve fazer de tudo para que o aluno, omisso e supostamente desinteressado, possa “assimilar o conteúdo”. Traduzido: professor bom para o “mercado” é o professor estilo mico de circo, um ator teatral e “antenado” nas piruetas das tecnológicas cujo efeito na Educação é muito questionável.

O leitor poderá argumentar: “o mundo mudou, a educação muda, tudo muda, afinal é assim que prega os meios de comunicação massivamente”! É preciso entender que o objetivo de uma educação com responsabilidade humanística e cultural é trabalhar com a estrutura e não uma superfície cosmética. Toda a tal mudança idílica apregoada por uma onda de ufanismo tecnológico, pouco fez para alterar substancialmente as gritantes disparidades sócio-educacionais. Logo, não é a máquina que deve (e jamais poderá fazer isto!) fazer o serviço que é emprego exclusivo e intransferível da sociedade. Nas mudanças dos papeis na educação, temos um mundo sem castração, sem fissuras e sem frustração. Assume-se então apogeu do narcisismo infanto-juvenil de louvar sua santidade: o aluno! Educar hoje virou sinônimo de submissão às desígnios do “aluno-tirânico”.

  1. A inversão de cena

Em grande parte das escolas, em particular o sistema de atendimento ao consumidor da iniciativa privada, em nada o aluno é vocacionado para ser minimamente cobrado de suas responsabilidades individuais e sociais, não há castração simbólica, mas somente a bajulação sistemática em agradar o aluno sem frustrá-lo.

A transição de modelos educacionais sólidos e rígidos, característicos da Modernidade, para modelos líquidos e imediatistas típicos da Pós-Modernidade foi avassalador, mas ambos ainda permanecem igualmente agressivos. O que era um conjunto de regras rígidas e coercitivas virou um festival de niilismo e consumo. A escola perdeu a força conjectural da transformação, ora virou um grande parque de diversões utilitarista, ou um celeiro de fomentação do vazio bárbaro, onde o aluno se ofender o docente é ele, o professor, que deverá beijar os pés do aluno para pedir “desculpas”. Caso o aluno não goste da “cara do professor”, ele corre imediatamente para a coordenação pedindo a “cabeça” dele. Nesta esteira, os pais, é claro (!), dão razão aos filhos, afinal são seus espelhos narcísicos perambulando no mundo midiático de “selfies” compulsivos! Uma pequena parcela dos pais mais histéricos, adentram à escola para apontarem o dedo em riste na cara do professor quando seu filho não for bem cortejado por ele, afinal “eu pago o seu salário”, diz sempre o pai-todo-poderoso vociferando como advogado do seu espelho-júnior. Logo, nas lições mercantis são fundamentais para o comércio, como bons clientes, para a escola preocupada com os lucros, o aluno e seus pais sempre tem razão! As tragicomédias do cotidiano escolar são inúmeras e não cabe descrever neste artigo para não se tornar das dimensões da enciclopédia iluminista de Denis Diderot.

Diante do universo de desconstrução do ensino, é cada vez mais comum o caso de agressões físicas por parte de alunos contra seus professores por motivos torpes e banais. Ademais, é mais um aspecto da sociedade pós-moderna, a incapacidade do sujeito em lidar minimamente com as frustrações de um mundo complexo e cheio de questões latentes.  Seguindo o lastro das dificuldades docentes, há um grande número de profissionais com sérios problemas psicológicos derivados da precarização do seu ofício e as angústias oriundas da pressão por parte de direções escolares com olhar da avidez capitalista e alunos agressivos ou tensões psicológicas típico do excesso de seres humanos confinados em diminutas salas de concreto armado.

Com o declínio do poder docente, menos pela ação dos seus profissionais, mas muito mais para um mundo que se tornou muito mais permissível a banalização do conhecimento e regrado por uma série de atrativos tecnológicos de expressividade questionáveis. A escola, na maioria das suas entidades, se comprometeu a simplesmente ser um passatempo dos alunos para que não ocupe o tempo dos pais. A ação lúdica é peça integrante da aprendizagem, todavia o seu excesso se torna pasteurizado e inútil. Afinal, o professor é “pago para cuidar dos filhos (deles)”, como muito se ouve em enfadonhas reuniões de pais mais exaltados com atitudes grosseiras perante o professor, o pajem terceirizado dos filhos.

Como foi destacada, a educação privada é uma engenharia para a produção de lucratividade enquanto que a educação pública, excetuando raros exemplos animadores, é relegada à sua própria sorte. Dentro do rol de desconstrução de uma educação mais emancipatória e reflexiva, outro sintoma que poderá ser destacado é o circo armado por parte da associação espúria entre empresas de formaturas e escolas e nome da diversão dos alunos a um alto custo: tudo vira festa, zoeira e irresponsabilidade em nome dos bons e garantidos lucros. Além de tudo, ainda temos o fantástico mercado dos cursinhos pré-vestibulares cujos lucros são muito atrativos e substanciais monitorados por empresas especializadas no ramo.

É fundante registrar: a fusão fanatizada entre a educação e o mercado é incompatível, uma vez que são elementos que não se combinam caso uma sociedade desejar construir um futuro mais humanista, menos desigual e não ficar presa às perversidades do dogma mercantil.

  1. Um futuro encoberto por uma cortina

A educação deixou de ser um bem público universal para se tornar mais uma mercadoria na feira de variedades do capital. Uma frase lapidar do grande educador brasileiro, Paulo Freire (1921-1997), dizia que “[…] a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda”. Neste contexto, apesar dos ataques sistemáticos que tenta manipular a Educação ora como mais um elo da produtividade capitalista de formação de produtos (no caso do ensino privado), ora como um elemento social sucateado relegado à sua própria sorte (no caso do ensino público), a tarefa dos docentes que toma seu oficio como significação de seus desejos, ainda resiste de forma valente.

A arte da educação como ofício é uma tarefa contínua, latentes responsabilidades e cheia de desafios. É fundamental recuperar as lições de Theodor W. Adorno (1903-1969), as quais a educação deverá se contrapor a barbárie e promover meios para a emancipação do sujeito. Certamente é um papel-fundante a ser desempenhado pelo professor no seu árduo ofício. Notadamente, a escola hoje parece não mais desejar fazer frente à barbárie uma vez que canibalizada pelo canto da sereia capitalista.

Diante do mercado do lucrativo sistema de educação, a escola privada simplesmente absorveu as lições mercantis e transformou sua matriz em mais um bem a ser consumido, enquanto que a escola pública vem regurgitando um lacônico e depauperado enfeite decorativo para passar o tempo dos seus alunos mais pobres com baixíssima expectativa de visão de futuro. Se o caminho for apenas entre estes dois parâmetros drásticos, a tarefa docente se transformará num mero entreposto burocrático, inútil e, muitos dos professores, como “prêmio simbólico”, levará ao adoecimento com sérios problemas físicos e psicológicos.

Para um alívio momentâneo, algumas ações pontuais ainda mostram que a situação não está completamente perdida, como mostram os exemplos, a revalorização dos institutos federais de Educação Básica por parte das últimas gestões do Governo Federal e os CEUs da prefeitura de São Paulo são modelos mais animadores. Os avanços dos últimos anos neste campo ainda são insuficientes para colocar a educação básica pública brasileira em um nível satisfatório, tanto para alunos, quanto para professores.

Em suma, por mais cínica que seja a construção ideológica momentânea presente numa sociedade, seus atores sociais entendem que por mais que seja desconstruída a Educação pela ação de um capitalismo desenfreado, somente ela é o alicerce social para qualquer estrutura humana que carece essencialmente da transmissão da cultura, seja ela mais elaborada, seja ela mais elementar. A tarefa dos atores docentes que se seguem na “aventura” da Educação como ofício, ainda lidam com desafios tão profundos quanto a fragmentação da própria estrutura da sociedade atual.

menezes* WELLINGTON FONTES MENEZES é doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais (UFF); Professor universitário e da Rede Pública do Estado de São Paulo. Blog: www.wfmenezes.blogspot.com.br – Email: wfmenezes@uol.com.br

Anúncios

6 comentários sobre “A tarefa docente: a arte do ofício na sociedade pós-moderna sob a égide neoliberal brasileira

  1. Parabéns pelo brilhante artigo, Professor Wellington! Esse estado de coisas citadas, que estão ocorrendo na Pós-modernidade, é o que chamamos de Era Moneycentrista, pois o farrapo humano que chegou e está chegando na nela, está imbricado de tal maneira ao dinheiro, a forma mais líquida do capital, que está muito difícil separar o joio do trigo, e parece que só está piorando!

  2. Há uns 45 anos a UNESCO proclamou, alto e bom som, que A ESCOLA FALIU. Não a escola das elites, dos ricos, mas a escola pública dos pobres. Governos pobres gastaram milhões, no Terceiro Mundo, mas o fracasso foi retumbante. O Ivan Ilich resumiu a questão numa frase: NÃO SE PODE OBRIGAR UM CAVALO SEM SEDE A BEBER ÁGUA.

    No extremo sul da Bahia, onde os professores costumam ser iletrados e os alunos chegam ao fim do ensino fundamental e médio sabendo muito pouco ou quase nada, o pai de um professor perguntou: POR QUE TODOS DEVEM IR ÀS ESCOLAS?

    O mundo mudou, o emprego está acabando, de modo que a escola passou a ter como função a de GERAR FRACASSADOS, pessoas com um sentimento de INCOMPETÊNCIA tal que as levem a ser presas fáceis do açambarcadores de mão de obra barata. E, para estes, não é preciso professor altamente qualificado.

    O educador Lauro de Oliveira Lima, que nasceu em 1921, foi inspetor do MEC e conhecia a realidade educacional brasileira, sugeriu um curso básico de DOIS ANOS, onde o aluno aprenderia a LER, ESCREVER e CONTAR, coisas que as escolas hoje, em nove anos, não estão conseguindo fazer. Feito esse curso de DOIS ANOS, caso o aluno quisesse prosseguir, teria TODAS AS CHANCES, até o LIMITE das suas POSSIBILIDADES.

    No Brasil criou-se o mito da UNIVERSIDADE PARA TODOS. Isso não será possível em lugar nenhum do mundo. É preciso ter diploma de nível superior para dirigir táxi, ônibus ou caminhão? Um engenheiro alemão que trabalha em Angra dos Reis, disse que o filho, que não tem curso superior, ganha mais do que ele, trabalhando como MARCENEIRO.

    Com a demagogia populista-educacional vigente no Brasil estamos gerando analfabetos com diploma, enquanto que o nível da mão de obra permanece baixíssimo.

    Preocupam-se os governos com a autoestima dos alunos, que não podem ser REPROVADOS. O que temos, então? Alunos com diplomas de nível fundamental e médio, analfabetos, mas com a AUTOESTIMA NAS ALTURAS.

    O populismo brasileiro leva os governantes a pensar que ajudam os pobres facilitando a vida para eles. Tiraram o LATIM das escolas e a ignorância do nosso idioma hoje, é coisa alarmante. Ofereceram aos alunos a possibilidade de escolher entre francês e inglês e, no caso deste último, não vão muito além do verbo TO BE.

    Um professor da UNICAMP me disse, em mensagem, que a instituição está gastando meses para ensinar aos alunos a matemática do curso fundamental. É claro, se os alunos vão sendo APROVADOS AUTOMATICAMENTE, é lógico que chegarão ANALFABETOS às universidades. O professor Affonso Romano de Sant´Anna disse, em artigo publicado em vários jornais, que alunos de MESTRADO de hoje não conseguem entender livros de iniciação aos estudos literários usados e entendidos por alunos do ginásio há 50 anos.

    O descalabro não ocorre por acaso. O Monteiro Lobato, que morreu em 1948, denunciou, em livro, o processo de DOMINAÇÃO a que, já naquela época, estávamos submetidos. Os países ricos, em reunião no chamado CLUBE DE ROMA, em 1969, disse que os países em DESENVOLVIMENTO teriam que LIMITAR o seu CRESCIMENTO, para não lançar mão de RECURSOS que eles, RICOS, iriam precisar para manter os seus ALTOS PADRÕES DE CONSUMO E RENDA.

    A estratégia era CLARA. No caso do Brasil fazer, em PRIMEIRO LUGAR, com que as nossas riquezas permanecessem no subsolo. Depois, que as nossas mulheres NÃO TIVESSEM MAIS FILHOS, através de uma campanha neomalthusianista bem orquestrada. Como consequência, a taxa de fecundidade da mulher brasileira vem caindo, VERTIGINOSAMENTE, há 60 anos.

    Finalmente, a AVACALHAÇÃO DO ENSINO, através da degradação da escola e do professor. Paralelamente, a imbecilização e a perversão do povo, através da PROGRAMAÇÃO TELEVISIVA.

    Tem ingênuos dentro de governo que ignoram que se a CHINA tem hoje uma escola de ALTO PADRÃO, isso se deve ao fato de ter feito, ANTES, uma REVOLUÇÃO, como a que houve em 1949.

  3. Prezado Professor, acabei e ler o seu texto e não vou ousar a tecer maiores comentários sobre o mesmo. A expressão da verdade me contenta e serve-me de base às angústias que alimentei durante anos a fio como professor da rede pública, trabalhando,, inclusive, com jornadas pedagógicas e pregando teorias “inovadoras” em termos da nossa educação. O retrato fiel traçado é mais que isso: é assombroso! A educação não se presta mais aos seus verdadeiros fins. Perdeu-se no emaranhado de projetos, leis, mudanças, porém sem o efeito pedagógico desejado. Assim, os profissionais egressos das nossas Faculdade, em especial de Letras, não chegam, quando chegam, às salas de aulas imbuídos de um propósito verdadeiramente vocacionado e consciente dp seu papel como agente da transformação social, mesmo porque o sistema o sufoca, agride, maltrata, aniquila, restando o desencanto e o marasmo das aulas sem de qualquer proveito pragmático. é o que penso, motivado também pelas suas verdades. O seu texto será guardado para uma próxima oportunidade de falar sobre esses contundente assunto. Muito obrigado. José Walter Pires – email: zewalter@fatorsh.com.br (página de facebook: josé walster pires, pires).

  4. Seguidores de Paulo Freire, que transformou a educação brasileira nesta barbárie. Como salienta Rodrigo Constantino, “Paulo Freire homenageado em Cuba: eles se merecem! O responsável por levarem o marxismo abjeto para dentro das classes de aula, doutrinando pobres alunos inocentes, merece mesmo receber muitas homenagens em Cuba, “paraíso” socialista com muitas “conquistas” na educação (onde todos sabem ler, mas ninguém pode ler nada que quer). A tese dos oprimidos e a quebra de toda hierarquia no ensino tradicional são filhotes do barbudo, idolatrado pelos “pedagogos” mundo agora, quase todos de esquerda. Curioso é que os comunistas “linha-dura” o consideravam idealista demais. Mas não é sempre assim? Por trás de um regime realmente opressor, um grupo de idealistas justificando toda a opressão como “revolução justa”? Por mim, os fãs de Paulo Freire e de Cuba poderiam todos migrar para a ilha caribenha, e em troca o ditador Castro mandaria aqueles que não aguentam mais viver, na prática, o sonho tosco dos idealistas e utópicos (Rodrigo Constantino). Luveredas, que tal seguir para Cuba também?

  5. Este cenário na educação se agravou em função do “mercantilismo capitalista”, mas essencialmente porque o fundamentalismo socialista/comunista do PT auxiliou profundamente neste contexto. Não é possível direcionar a “culpa” somente ao “livre comércio”, mas, também às práticas para transformar o país no caos para, posteriormente, aparecer com o milagre de práticas comunistas, enquanto “salvação” ao problema atual.

  6. Republicou isso em luveredase comentado:
    A educação deixou de ser um bem público universal para se tornar mais uma mercadoria na feira de variedades do capital. Uma frase lapidar do grande educador brasileiro, Paulo Freire (1921-1997), dizia que “[…] a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda”. Neste contexto, apesar dos ataques sistemáticos que tenta manipular a Educação ora como mais um elo da produtividade capitalista de formação de produtos (no caso do ensino privado), ora como um elemento social sucateado relegado à sua própria sorte (no caso do ensino público), a tarefa dos docentes que toma seu oficio como significação de seus desejos, ainda resiste de forma valente.

    A arte da educação como ofício é uma tarefa contínua, latentes responsabilidades e cheia de desafios. É fundamental recuperar as lições de Theodor W. Adorno (1903-1969), as quais a educação deverá se contrapor a barbárie e promover meios para a emancipação do sujeito. Certamente é um papel-fundante a ser desempenhado pelo professor no seu árduo ofício. Notadamente, a escola hoje parece não mais desejar fazer frente à barbárie uma vez que canibalizada pelo canto da sereia capitalista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s