Jogando a toalha aos mensageiros das trevas

grumanMARCELO GRUMAN*

Ah, a descoberta do corpo, seus prazeres… Dia desses, depois de passados muitos minutos debaixo do chuveiro em tempos de racionamento de água, resolvi pedir a meu filho, de quase sete anos, que acelerasse o processo, passasse o sabonete naquelas partes mais recônditas do corpo e o shampoo naquela cabeleira herdada da mãe, sorte a dele. Entrei no banheiro sem fazer barulho, eis que me deparei com o rapazola brincando distraidamente com seu futuro instrumento de trabalho, companheiro de aventuras amorosas e sexuais. Parecia que estava gostando. Olhei em seus olhos e perguntei se já havia acabado de se lavar. Ele disse que não, usando a frase de costume, “mais um minuto” e começou a contar, bem lentamente, de um a sessenta. Eu saí do banheiro e comentei com a mãe, sorrindo, o que eu havia visto. Estamos vivenciando o crescimento de nosso filho, físico e psicológico. Sim, psicológico porque não lhe dei um esbregue, não lhe disse que o que estava fazendo era errado, um pecado, que era feio, agi naturalmente porque é algo natural a descoberta do corpo.

Claro que, não totalmente livre de nossas amarras sociais, lhe ensinamos que a manipulação de determinadas partes do corpo devem ser feitas privadamente, sozinho ou acompanhado (essa parte ainda não deixamos explícito, ele vai descobrir também no tempo adequado), pouco importa, e que andar pelado pela casa também não é algo necessariamente divertido, sobretudo com visitas em casa. Ele mesmo já pede pra fechar a porta do banheiro quando vai aliviar os intestinos. O tabu do corpo é inescapável nessa nossa sociedade impregnada de estigmas e estereótipos relacionados ao corpo humano, a uma suposta oposição entre natureza e cultura, o animalesco do sexo e o cultural do amor, o animalesco feminino e o cultural masculino, herdados e transmitidos geração após geração, sobretudo pela religião. Pecado, inferno, paraíso, virgindade, promiscuidade. Amigos nossos não tomam banho com suas filhas, nós não damos importância a isso, às vezes entramos os três debaixo do chuveiro e ninguém fica excitado. O filhote pergunta sobre os pelos pubianos e sobre o sangue que sai às vezes da “pixirica” da mãe, que explica sobre a concepção dos bebês e o que acontece com o corpo feminino quando esta concepção não ocorre. Aulas grátis de biologia, que bom, porque, a depender do pai, que quase zerou a prova no vestibular, deste mato não sai cachorro algum. Momentos de intimidade, de felicidade.

A beleza do corpo humano, a feiura do corpo humano. Diferenças entre o corpo feminino e o corpo masculino. Meu comediante favorito, Jerry Seinfeld, brincou com o tema. Num episódio do seriado, ao chamar a namorada para o café da manhã, se surpreende com ela completamente nua. Seinfeld comenta, ironicamente, com o eterno companheiro George que a namorada sequer usou um guardanapo. A diversão vai por escada abaixo quando, sempre nua, a namorada tem uma acesso de tosse. A expressão facial de Seinfeld denuncia sua repulsa. Novamente com seu companheiro George, que não vê problema algum em alguém tossir pelado, Jerry explica que “ao tossir, há milhares de músculos invisíveis que entram em ação. É como assistir um homem gordo receber uma bala de canhão no estômago em câmera lenta”. Há uma “beleza boa”, pentear o cabelo, e uma “beleza ruim”, agachar-se.

Quando a namorada tenta abrir uma jarra de picles, revelando mais do que deveria, Seinfeld entrega os pontos e diz que não aguenta mais, é demais para ele toda aquela nudez, ainda que feminina, e resolve mostrar à namorada, na prática, a teoria da boa e má beleza. Aparece nu na sala, enquanto ela, também nua, lê o jornal recostada no sofá. Ela o questiona sobre o porquê dele não estar vestindo roupa e que aquela nudez não é boa. Seinfeld sai desolado. Ambos concordam ser melhor usarem roupas, “Sim, roupas, isso é normal”, conclui Jerry. Mas ele, olhando fixamente a namorada, a partir de então, só consegue vê-la penteando os cabelos, nua, é claro, e ela só consegue vê-lo como um chimpanzé porque ele, ao dizer que precisa cortar o cabelo, coça a cabeça imitando o gestual de nossos parentescos símios. Nudez feminina é boa, quase sempre; nudez masculina é feia, quase sempre. Elaine, outra personagem hilária da série, compara: “o corpo feminino é uma obra de arte; o corpo masculino é utilitário, pra te levar pra cá e pra lá, como um jipe”. Há mulheres que preferem o pênis circuncidado, considerando-o esteticamente mais agradável, e há mulheres que o preferem como vieram ao mundo. Gosto não se discute.

A culpa, o pecado, a transgressão, a perversão relacionados à nudez são construções culturais. Não são dados da natureza. Ou melhor, não há nem mesmo natureza humana enquanto uma realidade intrínseca, ela mesma é uma concepção cultural. Quem visitou a Galeria Uffizi, em Florença, e teve a oportunidade de se maravilhar com o David, de Michelangelo, uma escultura de mármore de mais de cinco metros de altura, de um realismo anatômico indescritível, e compreende o contexto histórico e cultural em que a obra foi concebida e esculpida, não consegue ver qualquer distúrbio mental ou sexual do artista renascentista. A escultura, inclusive, por conta da natureza do herói representado, simboliza a defesa dos direitos civis incorporados na República de Florença. Não há nada de natural no David, de Michelangelo, uma das mais importantes obras do Renascimento, período marcado pelo humanismo, racionalismo, pela dignidade do homem frente aos poderes extraterrenos, sobretudo da Igreja Católica, medieval. Tudo bem, o pênis da escultura é alvo de piadas, desproporcional à grandeza do corpo, e não é circuncidado, ritual quase unânime entre os judeus, apesar do intenso debate atual, mesmo entre médicos judeus, sobre sua eficácia ou barbarismo, suposto resquício de práticas ancestrais baseadas em superstições. Detalhes.

Caixas de compensado esconderam as estátuas de nus em museu de Roma
Caixas de compensado esconderam as estátuas de nus em museu de Roma

Pois bem. O berço do Renascimento foi ultrajado. Nesta semana, o presidente do Irã, país que se intitula uma república, embora religião e política andem de mãos dadas (caminhamos no mesmo sentido), tanto assim que o líder político é um clérigo xiita, em visita à Itália, pediu, através de sua delegação, que estátuas de mulheres nuas fossem cobertas, dentre as quais, uma Vênus Capitolina, estátua de uma mulher nua datada do século 2º antes de Cristo. De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, citando o jornal italiano Il Messagero, a delegação do Irã também pediu que a entrevista coletiva do clérigo e do presidente italiano não fosse realizada diante da estátua equestre em bronze de Marco Aurélio, como havia sido programado. O motivo seriam os genitais da escultura do cavalo. Políticos de esquerda e direita se pronunciaram contra as exigências do mandatário estrangeiro, considerando-a uma “decisão vergonhosa, mortificação da arte da cultura como valores universais” e que “isso não é respeito, é anulação das diferenças; é uma espécie de rendição”. O arqueólogo Giuliano Volpe, presidente do Conselho Superior para os Bens Culturais do Ministério da Cultura da Itália, somou-se aos críticos ao afirmar que “não se pode esconder a própria cultura, a própria religião ou a própria história”.

Nunca imaginei que concordaria com ideias de um representante da direita, mas ele está coberto de razão quando diz que a cobertura (perdoem-me a redundância) das esculturas é uma rendição, uma anulação das diferenças e não um pacto civilizado de convívio com o diferente, ainda que este diferente lhe incomode. Ademais, até onde sei, é de bom tom respeitar o anfitrião. Tomemos os próprios iranianos: quem de nós se atreveria a dar um beijo de língua, ou apenas um inofensivo “selinho”, na esposa ou namorada na avenida mais movimentada de Teerã, sob os olhos dos guardas revolucionários? Quais das digníssimas leitoras se atreveriam a andar pelas ruas da capital iraniana sem o véu? Que mulher se atreveria a assumir o volante nas ruas da Arábia Saudita? Quais dos digníssimos senhores ousaria tomar um chope gelado nas ruas da capital saudita? Ou, para não me acusarem de islamofobia, tente andar abraçado com seu amado ou amada pelas ruas do enclave medieval de Meah Shearim, em Jerusalém, onde judeus ultraortodoxos, imaginem só, chamam o próprio exército israelense de nazista (não pelos motivos usados por críticos do sionismo), aceitando o Estado de Israel somente após a chegada do messias. Neste último caso, a resposta sofri na própria pele, mais por ignorância das leis locais do que por necessidade de ofender, pedradas voando sobre nossas cabeças. No Quirguistão, país da Ásia Central, um britânico foi preso após ter comparado um prato de comida local ao órgão sexual de cavalo e pode ser condenado a até cinco anos de detenção pelo crime de ódio racial. Por mais ridícula que seja a acusação, sed lex, dura lex. Quer andar agarrado com a cara metade, vá ao Brasil, terra sem pecado, abaixo da linha do Equador.

Entre acervo do Museu Capitolino, estão estátuas como estas
Entre acervo do Museu Capitolino, estão estátuas como estas

A cobertura das esculturas representa, simbolicamente, a destruição física que o Estado Islâmico leva adiante em sítios arqueológicos consagrados como patrimônio cultural da humanidade pela UNESCO, como o de Palmira, na Síria. O impacto negativo na forma como se estabelece o relacionamento entre diversas culturas, diversas formas de ver o mundo, é semelhante. O presidente italiano deu um tapa na cara de todos aqueles que defendem o respeito à diferença, o convívio (e não tolerância, cuja conotação é negativa) com o “outro”, alinhou-se ao que há de mais intolerante, retrógrado, atrasado, preconceituoso, ignorante, anti-humano que existe. O politicamente correto tem limites. Antes que me esqueça: a visita do presidente iraniano deve render acordos comerciais com a Itália na ordem de € 17 bilhões.

Nunca antes a expressão “em Roma como os romanos” foi tão vilipendiada.

* MARCERLO GRUMAN é Antropólogo e Doutor em Antropologia Social (PPGAS/MN/UFRJ).

Anúncios

3 comentários sobre “Jogando a toalha aos mensageiros das trevas

  1. Caro Professor, nao é a primeira vez que um contrato de alguns ou muitos milhoes esconde essas faltas de gosto ou essa anulaçao dos direitos humanos; eu diria até que é um fato banal, pois nao?

    Mas o interessante na sua crônica sao os detalhes trazidos para a reflexao do leitor: detalhes do tocar e do olhar a nudez do corpo; detalhes luminosos da descoberta por um menino que graças a Deus (sob qualquer nome que se o invoque) tem pais inteligentes, ao lado dos detalhes obscurantistas das exigências desses dirigentes politicos velhos e tristes cujo olhar se ofusca ao ver um corpo sublimado em arte e em seduçao pela beleza.
    Notavel o poder de instigaçao à reflexao dos detalhes assim apresentados. Eu sabia que era fundamental em literatura e outras areas do conhecimento, com a frase “cult” (arghhh) atribuida a um monte de gente, mas acabei de descobrir que tanto Deus como o diabo moram no detalhe, ora pois pois.
    Dê so uma olhada na pagina da wikipedia https://en.wikipedia.org/wiki/The_devil_is_in_the_detail, para ver os supostos pais da expressao: Mies van der Rohe, Aby Warburg, mas anteriormente Gustave Flaubert e, para mim, Stendhal: “Rien ne vit que par le détail”.
    Mais uma vez, sua analise antropologica cheia de vida palpitante de detalhes se deixa ler com prazer.

  2. Gostei muito do artigo, mas faço dois pequenos reparos, que não o obscurecem. Primeiro, a estátua do Davi de Miguel Angelo, não está nos Ufizzi, mas na Galeria da Academia, em Florença.
    Segundo, o ditado italiano ficou invertido: o correto é “dura lex, sed lex” ( a lei é dura, mas é a lei).
    Parabéns pelo artigo. Vou compartilhar em meu blog e no facebook.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s