A revolta da vacina: sacrifício humano contemporâneo

MARCELO GRUMAN*

Imagem: http://www.grupoescolar.com/a/b/16186.jpg

Não conheço quem afirme gostar de tomar vacina, que sinta prazer em ter introduzida uma agulha, mais ou menos grossa, em sua pele. Talvez os viciados, e mesmo esses devem sentir menos o prazer da agulha em si do que as substâncias que invadem o corpo através dela. Desde o nascimento, entretanto, encaramos o ritual de seguir ao posto de saúde, sentar no colo da mãe ou do pai, ouvir da enfermeira que “não vai doer” (pimenta nos olhos dos outros), chorar antes, durante e após a picada, ouvir novamente a enfermeira, desta vez dizendo “pronto, nem doeu, eu te disse”, enxugar as lágrimas que rolam como cascata, levantar e ir embora, observando a cara de terror das demais crianças que aguardam na fila a vez do martírio. O ritual é reproduzido, com mais ou menos choro, até a velhice (“terceira idade” é o cacete, como diria o colunista). De acordo com o calendário nacional de vacinação, publicado no portal do Ministério da Saúde, do nascimento até os cinco anos de idade incompletos, cada brasileiro deve tomar nada menos do que vinte e cinco vacinas. Logo ao nascer, já são duas: BCG (contra tuberculose) e Hepatite B. Este número aumenta se considerarmos que algumas vacinas estão disponíveis apenas em clinicas privadas. Desconheço pais que tenham se recusado a vacinar seus filhos recém-nascidos.

Eis que li nos jornais, já há algum tempo, que, nos Estados Unidos, um surto de sarampo, iniciado na Disneylândia da Califórnia, espalhou-se por outros dezessete estados contaminando nada menos do que cento e vinte pessoas. Soubemos, então, que grupos de pais contrários à vacinação, sob o argumento de que a vacina seria pouco segura e eficaz, correndo mesmo o risco de desenvolver autismo nas crianças (não comprovado cientificamente), estariam promovendo as chamadas “festas do sarampo”, encontros entre crianças saudáveis e infectadas para que as que ainda não pegaram a doença possam se contaminar e, assim, teoricamente, ficar imunes ao produzir anticorpos. O Departamento de Saúde Pública da Califórnia alertou as famílias para os perigos que a doença traz, podendo levar à pneumonia, edema cerebral e, no limite, à morte. O estado da Califórnia é um dos vinte estados norte-americanos que aceita determinadas justificativas para a não vacinação dos filhos, como motivação religiosa ou crenças pessoais. O sarampo, segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), no ano 2000 teria causado cerca de 30 a 40 milhões de casos no mundo, com 770 mil óbitos. No Brasil, foi sempre a segunda causa de morte por doença infecciosa, perdendo somente para a diarreia.

Em 2011, também nos Estados Unidos, só que no estado do Tennessee, as autoridades governamentais tiveram de ameaçar legalmente pais que compravam e vendiam, voluntariamente, pirulitos contaminados com varicela (catapora) com o intuito de transmitir propositadamente a doença aos filhos sob o mesmo argumento utilizado pelos promotores das “festas do sarampo”. No Facebook, era possível achar uma festa perto de sua casa através de grupos como o “Find a pox party near you” (“Encontre uma festa da catapora perto de você”). À época, o então procurador-geral do estado afirmou que a prática de enviar vírus e bactérias pelo correio é crime federal nos mesmos moldes que o envio de substâncias usadas em ataques biológicos, como o antraz.

Sempre fui adepto fervoroso da alopatia até o nascimento do meu filho, quando fui apresentado à homeopatia como método “alternativo” de tratamento. Desde então, conseguimos, eu e minha esposa, equilibrar os dois métodos com grande sucesso. A alergista pediátrica do nosso rebento é irrestritamente favorável à vacinação, inclusive contra o vírus influenza, ao passo que o homeopata diz não ser necessário vacinar contra este vírus específico, embora não contraindique explicitamente. Resolvemos unir forças. Parece que mesmo oficialmente medicina e homeopatia não são excludentes, conforme a Associação Médica Homeopática Brasileira que, em seu sítio na Internet, informa que tem adotado oficialmente, para credenciamento de especialistas em Homeopatia, uma posição consoante com os órgãos oficiais de saúde quanto às orientações do Programa Nacional de Imunizações. Entretanto, segundo a AMHB, “existem profissionais resistentes à indicação das vacinas preconizadas na infância e que já tem uso consagrado no Brasil e no mundo no controle e erradicação de graves doenças epidêmicas como a varíola, paralisia infantil, sarampo e outras, como Hannemann já havia salientado em relação à varíola há quase 200 anos. Trata-se, portanto, de conduta médica que deve ser revista por estes profissionais, à luz de uma coerência científica e da responsabilidade profissional”.

Em 1904, estourou aquela que ficou conhecida como a Revolta da Vacina, quando a população reagiu violentamente à campanha de vacinação obrigatória imposta pelo governo federal para combater a epidemia de varíola que assolava a cidade do Rio de Janeiro. Embora seu objetivo fosse positivo, ela foi aplicada de forma autoritária e violenta. Em alguns casos, os agentes sanitários invadiam as casas e vacinavam as pessoas à força, provocando revolta. Essa recusa em ser vacinado acontecia, pois grande parte das pessoas não conhecia o que era uma vacina e tinha medo de seus efeitos. A reação popular levou o governo a suspender a obrigatoriedade da vacina e a declarar estado de sítio. A rebelião foi contida, deixando 30 mortos e 110 feridos. Centenas de pessoas foram presas e, muitas delas, enviadas para o Acre.

Mais de um século depois, estamos diante novamente de uma Revolta da Vacina. À diferença da primeira, entretanto, está a enxurrada de informações a respeito dos benefícios e supostos malefícios da vacina, sem falarmos no inquestionável avanço científico com relação aos métodos de prevenção de doenças. Ou seja, só não se informa quem não quer. Mas talvez resida aí o problema. A quantidade de informação não significa qualidade de informação, qualquer pessoa pode publicar o que bem entender no território livre da Internet. Não é à toa que os médicos desaconselham seus pacientes a procurar no “Dr. Google” informações sobre doenças e tratamentos. O Estado brasileiro também deve exercer seu papel constitucional de esclarecer a população com informações corretas e dirimir quaisquer dúvidas que levantem suspeitas com relação à validade do Programa Nacional de Imunização.

Retomo um dos argumentos utilizados pelos pais “antivacinistas”, aquele que diz que a criança saudável adquiriria anticorpos ao travar contato com uma criança infectada, aumentando seu sistema de defesa. É inacreditável que um pai coloque em risco a vida de seu filho propositalmente, ainda que, teoricamente, caso não morra, a criança saia fortalecida, de acordo com a máxima “o que não mata engorda” (justificativa de quem adoro um torresmo, mesmo apresentando altos níveis de colesterol). Segundo o infectologista Guido Carlos Levi, autor de Recusa de vacinas: causas e consequências,

“O argumento de que a imunidade natural produzida pela própria doença é superior àquela produzida pela vacina é bastante fácil de contraditar. Em primeiro lugar, vem o risco inerente à aquisição das doenças. Quem em sã consciência haveria de correr o risco de seu filho ser vitimado por meningite, pólio, difteria, sarampo, coqueluche ou outras doenças potencialmente muito graves, até fatais, sabendo que isso poderia ser evitado por uma simples vacina? Em segundo lugar, a maioria das vacinas atuais produz imunidade duradoura e eficiente. Em alguns casos, os níveis de anticorpos são até mais elevados do que os produzidos pela doença, como é o caso da vacina HPV. Em outros, como varicela, sarampo, caxumba e coqueluche, realmente a imunidade após a primeira dose da vacina pode ser mais baixa e transitória que após a infecção natural. No entanto, os esquemas vacinais atuais preveem, para esse tipo de vacinas, repetição suficiente para reduzir a taxas muito baixas as falhas primárias, quando não há resposta imunológica após sua administração, ou as falhas secundárias, quando a proteção cai com o tempo, necessitando de um reforço para reavivá-la.”

Os pais são representantes legais dos seus filhos, não seus donos. O Estatuto da Criança e do Adolescente, em seu artigo 14, diz que “é obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias”. Trata-se de questão de saúde pública, e não mero respeito à liberdade individual de cada pai ou mãe que se acha no direito de não proteger seu filho de doenças mortíferas. Por mais escabrosa que seja esta situação, caso a recusa da vacinação afetasse apenas o infeliz filho do casal, poderíamos aceitar a decisão familiar. Ocorre, no entanto, que a recusa da vacinação e a possibilidade de infecção reflete na sociedade como um todo, deixando de dizer respeito ao âmbito privado. Não estamos diante, aqui, do respeito à diversidade de pensamento, ao multiculturalismo e às benesses da sociedade pós-moderna, em que a discussão, muitas vezes, fica na esfera intelectual, filosófica, ainda que descambe para a intolerância com o outro, o diferente, para a violência física. Estamos diante de uma ameaça real de morte consequência de desinformação ou má-fé. Uma coisa é não indicar a vacina, como é o caso de médicos alopatas e homeopatas; outra completamente distinta é a contraindicação, atitude irresponsável e mesmo criminosa, por colocar em risco populações inteiras a vírus e bactérias perfeitamente controláveis.

Deus deve estar orgulhoso dos organizadores das festas do sarampo e da catapora, e daqueles pais com tino comercial que vendem pirulitos contaminados. Afinal de contas, não teve nem mesmo a necessidade de ameaçar os filhos de morte, como fez a Abrão, os pais levaram-nos voluntariamente ao altar do sacrifício. Admirável mundo velho.

gruman* MARCELO GRUMAN é Doutor em Antropologia Social pelo Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (MN/UFRJ). Atualmente é administrador cultural da Fundação Nacional de Arte (Funarte). Blog: https://desconstruindomarcelo.blogspot.com.br/

Anúncios

2 comentários sobre “A revolta da vacina: sacrifício humano contemporâneo

  1. Pelo que compreendo, ainda que não seja da área da saúde e não entenda com profundidade a medicina, a vacina faz o mesmo que a natureza, aplica vírus propositadamente para que o organismo adquira imunidade sobre uma determinada doença. Assim ser vacinado ou enfrentar a catapora chega-se a um mesmo resultado. Com vacina evita-se a dor da doença e o risco de algo mais sério para o organismo.
    Esta conquista da vacina, é um esforço humano, trabalho, para se adaptar à sua natureza: seu corpo.
    Cultura é natureza. O ser humano produz cultura não porque decidiu, mas porque é sua condição. Assim se esforça por adaptar-se ao natural, isto é, o seu próprio corpo, e tudo que o rodeia. Faz escolhas só isso, e e escolhas naturais evidentemente. Não existe nada que não seja natural. Só faz escolhas porque a natureza lhe permitiu, e lhe propôs. Não é possível não escolher e não interferir propositadamente na natureza.
    Fazer escolhas é da natureza do Humano. Simples assim, hehhehe, imagina só a hora que começarem a se revoltar com os dentistas, com a transfusão de sangue, as operações, etc. Mas penso que nenhum Estado deve interferir nas escolhas pessoais. Faça escolhas e pague o preço por te-las feito.
    Fica sempre essa dualidade que não existe, entre natureza e cultura.
    Claro que podemos fazer escolhas que nos levarão mais apressadamente para a morte, causa e efeito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s