DIA NACIONAL DO ÍNDIO

DOM GUILHERME WERLANG*

O dia do índio foi criado no Brasil por Getúlio Vargas através do decreto-lei 5540 de 1943 e fixado para dia 19 de abril de cada ano.

A data é fruto do 1º. Congresso Internacional de lideranças indígenas das Américas realizado no México em 1940.

Certamente nós, brasileiros e brasileiras, em sua grande maioria, desconhecemos as riquezas das culturas, religiosidades, místicas, remédios, conhecimentos da natureza e toda a imensa sabedoria dos Povos e Nações indígenas. Quando ficamos apenas no desconhecimento o fato já é grave por si só, mas piora muito quando OS DESPREZAMOS ou os olhamos como INIMIGOS do Brasil e do progresso e desenvolvimento.

Em muitos lugares nós, brasileiros cristãos, chegamos a usar o nome depreciativo de “bugre” para rebaixá-los ainda mais. Sei que a maioria que não consegue ver os indígenas com bons olhos e nem ler esta minha colocação com agrado é consequência de uma mentalidade que nos foi sendo introjetada por 500 anos pelos colonizadores brancos. Somos vítimas de uma história que nos é escrita, transmitida e contada somente a partir de quem chegou nas Américas para saquear, roubar, enganar e matar sem dó e nem piedade a todos e todas que atrapalhassem as “conquistas”.

Somos herdeiros das “Entradas e Bandeiras” que infelizmente continuam sendo apresentados em nossas escolas como heróis e desbravadores ao invés de saqueadores, ladrões e assassinos.

Vejamos como contamos a história com pesos diferentes: se um branco TOMOU à força ou com mentiras, truques ou promessas de amizade as terras dos indígenas, sem pagar um centavo, não são vistos como ladrões, como invasores de terras; agora, se um pobre de qualquer cor ou raça e, especialmente, se um indígena tentar reaver a terra que lhe foi retirada à força, torna-se inimigo e é marcado para morrer.

Toda a história é como uma moeda. Sempre tem dois lados e, portanto, tem duas “verdades” e também algumas mentiras.

A história do Brasil que aprendemos é escrita e ensinada pelos conquistadores e dominadores e nós acabamos aceitando ela como verdadeira e todos os que a contarem pelo outro lado da mesma moeda, os que a contarem de forma diferente ou a partir dos povos dominados, derrotados, expulsos de suas terras ou mortos quando resistissem, são tidos como inimigos do Brasil, inimigos dos colonos, dos agricultores, das mineradoras, do agronegócio, do progresso e desenvolvimento.

Eu mesmo e boa parte da Igreja, dos bispos, padres, religiosas/os e lideranças leigas, como os que estão no CIMI – Conselho Indigenista Missionário – somos muitas vezes assim classificados e chamados de comunistas, como malfeitores da nação.

Escolas ou professores que tentarem contar a história a partir da violência praticada contra os indígenas não serão bem vistos pelos pais dos alunos. Escolas que, além de colocarem algumas penas de aves e algumas pinturas no rosto das crianças, serão duramente criticados quando não chamados atenção pelas Secretarias de Educação.

“Índio bom é índio morto” é ainda o pensamento de muitos e muitas, mesmo de quem está lendo esta colocação e de muitos que frequentam missas católicas ou cultos evangélicos.

Índio não é palhaço a ser ridicularizado, não é fantoche, não é passado. Índio é presente e é futuro.

Celebrar o Dia do Índio é celebrar suas lutas, suas dores, suas culturas, sua sabedoria mais que bimilenar. Os índios são, aqui no Brasil e nas Américas, muito e muito mais antigos que a existência do próprio Cristianismo e por isso devem ser respeitados como Povos, como Nações, como primeiros habitantes, como Pais e Mães desse chão sagrado.

Seremos dignos de celebrar o Dia do Índio, quando tivermos a humildade de lhes pedir perdão e aceitarmos sentar na Escola e Universidade de seu saber acumulado por milhares e milhares de anos; quando tivermos a coragem e dignidade de vermos neles e nelas verdadeiros seres humanos e cidadãos com plenos direitos; irmãos e irmãs nossos.

Enquanto mantivermos um único paradigma e modelo de progresso e desenvolvimento, continuaremos no caminho do matadouro, da morte, não somente dos indígenas, mas dos biomas, dos ecossistemas, da Mãe Terra e da Irmã natureza.

Deus, com todos os nomes indígenas abençoe nossos IRMÃOS E IRMÃS INDÍGENAS E TODOS OS QUE ABRAÇAM SUAS LUTAS E CONQUISTAS.

* Dom Guilherme Antônio Werlang, MSF é Bispo de Ipameri/GO; Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz/CNBB.

Anúncios

Um comentário sobre “DIA NACIONAL DO ÍNDIO

  1. Parabéns, breve texto DOM GUILHERME WERLANG. Acredito que esse tem que ser o caminho a seguir por todas e todos que começam a refletir com dicernimento e considerar que todo ser humano merece respeito e principalmente os Povos Indígena do brasil e das Américas.
    Eu enquanto educador da disciplina história, da África, Cultura Afro-brasileira e a história e a Cultura dos Povos Indígena do Brasil saliento isso com meus pares no ambiente da escola e em qualquer espaço que estou presente com relação a nossa história que ainda nossos currículos continuam perpetuando historiar a partir da perspectiva do colonizador do dominador pela força até os dias de hoje.
    Mudando apenas a estratégia de tais dominações e a ampliando a cada dia. Por outro lado temos espaços acadêmicos com professores (as) que se dedicam a construir diálogos em que no momento exato iremos superar esse paradigma. Quando nossas universidades e faculdades particulares se derem conta que já passou da hora de efetivamente se derem conta que nós temos um Brasil com diversos Brasis em que ha de reconhecer os primeiros habitantes de Terra como bem disse o senhor “TERRA SAGRADA ” porque de fato é uma ” TERRA SAGRADA” O CELEIRO DA HUMANIDADE, no que se refere a exemplos poucos ainda percebido nós temos pessoas de todas as parte do mundo e recebemos de coração aberto e braços abertos..
    Eu acredito que superaremos essa atrocidades que ainda ocorre com nosso Povo Indígena.
    parabéns pela sucinta reflexão e eu comungo com ela e a defendo.
    Att.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s