A falência do sistema da adoção

MARIA BERENICE DIAS*

 

A prioridade absoluta do Estado deve ser com crianças e adolescentes. É o que determina a Constituição ao assegurar-lhes, um punhado de direitos, entre ele, o direito à convivência familiar.

E maior é a responsabilidade quando, afastados dos pais, encontrando-se em situação de vulnerabilidade.

Para isso foram criados mecanismos de institucionalização, inserção na família extensa, destituição do poder familiar e a adoção.

Só que estas providências costumam levar muito tempo, principalmente considerando que o tempo da criança é mais urgente.

De todo descabida a institucionalização de bebês, quando a mãe manifesta o desejo entregá-lo à adoção. Ora, ela quer que o filho tenha um lar e não que seja institucionalizado ou entregue a algum membro de sua família. Se durante a gestação nenhum parente manifestou o desejo de ficar com a criança que iria nascer, inócuo deixá-la abrigada e buscar algum familiar que a queira.

Também é absurdo depositar uma criança à espera deque os pais adquiram condições de ficar com ela. Isso nada mais é do que tratá-la como um objeto, que se visita quando em vez.

No momento em que a criança é entregue ao Estado pelos pais, ou é deles retirada por evidências de maus tratos ou abusos, deve imediatamente ser entregue à guarda do pretendente à adoção, sem passar por um abrigo.

O processo de destituição do poder familiar deve ser cumulado com a ação de adoção, para que ocorra a transferência do poder familiar dos pais biológicos para os adotivos.

De outro lado, é indispensável possibilitar que os candidatos à adoção tenham acesso a todas as instituições que têm crianças abrigadas. O filho precisa ter empatia por quem serão seus pais para que aconteça o milagre da identificação entre eles.

A demora é tão grande que as crianças crescem e quem quer adotá-las acabe perdendo a esperança de conseguir um filho.

O cadastramento dos candidatos à adoção demora, em média, mais de um ano e depois começa uma longa espera, sem que tenham acesso ao seu lugar na fila.

Claro que com o passar dos anos, até para tamponar a angústia da espera, buscam outros pontos de gratificação. Ou, o que está acontecendo de modo muito recorrente: utilizam as técnicas de reprodução assistida.

Assim, a cada nascimento que acontece, uma criança sobra em um abrigo.

Estas são alguns dos pontos que evidenciam a falência do processo para que o Estado cumpra o seu dever maior.

Algo precisa ser feito, e com urgência!

* MARIA BERENICE DIAS é Advogada especializada em Direito das Famílias, Sucessões e Direito Homoafetivo; Ex-Desembargadora do Tribunal de Justiça-RS; Vice-Presidenta Nacional do IBDFAM.

Anúncios

2 comentários sobre “A falência do sistema da adoção

  1. DESDE 99 defendemos o CISNE,visando espaços administrados p família social, visto q o assunto exige enorme especialização, dada a força das ruas p o mal. Família social em locais adequados produtivos q impermebializassem os jovens de todas as drogas. Menos desempregados, mais escolas, distribuição de renda movendo a economia. Hj é tese de doutorado tb visando sinergia máxima p curar a biosfera, c tecnologia de ponta limpa. fico à disposição p maiores esclarecimentos, pois até a federal do Paraná apegando-se a abobrinhas formais da delinquência acadêmica q reclamei até o MEC, sequer responderam. PARA OS AFILHADOS TUDO, P OS ESTRANHOS FORA P Ñ ESTRAGAR O CLIMA DOS CHEGADOS NA FUTILIDADE FESTIVA. A PAZ DO SENHOR DOS EXÉRCITOS

  2. Estou divulgando o melhor que posso, dada a importância desta questao. Ja ao nascer, o bebê precisaria se sentir seguro, ser rodeado de tranquilidade e afeto. A demora para encontrar condiçoes adequadas ao seu desenvolvimento so pode ter efeitos nefastos, tanto para ele quanto para a sociedade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s