Pós-verdade: como compreender um tempo em que se nega a Filosofia e as Ciências Humanas

ROMUALDO PESSOA*

“Migalhas dormidas do teu pão
Raspas e restos
Me interessam
Pequenas porções de ilusão
Mentiras sinceras me interessam
Me interessam, me interessam”
(Cazuza)

O que venho abordar aqui hoje não tem sido novidade em minhas reflexões e indagações por essa década deste século, em que o imponderável tem se imposto mais do que em outros tempos. Digo isso até de forma um pouco provocativa, porque sei, como historiador, o quanto é absolutamente impossível estabelecer comparações entre épocas, não somente pela natureza dos fatos, mas pelas próprias transformações que as sociedades passam.

Embora no senso comum as pessoas repitam com frequência que a “história se repete”, isso é uma bobagem que só demonstra o quanto se desconsideram as relações temporais. Imaginam haver uma repetição de situações que são completamente desvinculadas de realidades passadas, dentro de outros contextos e noutro tempo. É a absoluta ausência de capacidade crítica sobre o que é a história e como cada um de nós se situa no seu tempo. Em nosso tempo e na compreensão dos tempos passados.

Não quero travar aqui uma discussão de caráter acadêmico, até pelo perfil desse movimento “Pint of Science”, de benfazeja inovação. Que isso que acontece aqui, agora, aconteceu ontem e antes de ontem, por diversas partes do mundo, numa tentativa de informalmente trazer às pessoas que desejam sair à noite e relaxar, em busca de um sossego para se livrar das ansiedades e pressões do cotidiano, possa acontecer por muito mais vezes e se torne um hábito contumaz. Um elo saudável entre o lazer, o conhecimento e o saber.

Por isso farei muito mais uma exposição informal, procurando estabelecer um diálogo não somente com quem está aqui ouvindo, mas uma espécie de reflexão em voz alta, para que possa também me ajudar a compreender tudo que acontece à nossa volta, numa rapidez estonteante e num movimento de insanidade social, numa época em que ser normal pode te deixar meio deslocado da realidade.

Como eu disse inicialmente, venho escrevendo em meu blog – Gramática do Mundo – sobre esse tema desde que o criei, em 2010. Lá atrás o termo “pós-verdade” ainda não havia se destacado como um neologismo[1] que passaria a caracterizar uma era, marcada pela absoluta ausência de critérios para definir um acontecimento, ou até mesmo uma notícia inverossímil, desprovida de qualquer sentido ou que tendo sido inspirada em algum fato real. Mais do que isso, uma era onde se desconstruía a verdade elaborada e se afirmava a versão desejada. Nada mais importava para que se pudesse estabelecer a verdade, já não havia mais critério. Verdade passaria a ser aquilo que a minha paixão, a minha fé, o meu sentido desejava que fosse. O racionalismo, imperioso movimento iluminista que desbancou a era das trevas medievais, decaía em descrédito juntamente com a filosofia, a história e a sociologia. Claro que isso feito por forças desejosas em abominarem a crítica.

Em 2016 “pós-verdade” (“post-truth”), foi citada pelo Dicionário de Oxford como a palavra do ano. Então não estamos falando de algo que decorre de uma conjuntura especifica nossa, advinda de um processo político complicado que culmina em um personagem que se torna presidente e foi beneficiário desse ambiente criado por “fake News”, o instrumento que consolida a era da pós-verdade, em todas as suas dimensões.

Esse fenômeno é característico de uma época que só pode ser compreendida em toda a sua dimensão histórica. Eu diria que o auge desse tempo de desvio de rota na forma como a sociedade se posicionava foi o momento em que estourou a crise econômica, no ano de 2007, embora suas causas já viessem de bem antes. Mas talvez pudéssemos recuar mais no tempo, e destacar um fato que, literalmente, implodiu as mais ferrenhas convicções e abriu caminho para uma década de instabilidade crescente, dentro de cada país e entre boa parte deles. O ataque às Torres Gêmeas, o “World Trade Center”, à Casa Branca (esse ataque fracassado) e ao Pentágono. O que se sucedeu nos anos seguintes abriu a caixa de pandora, e libertou todos os males que poderiam gerar perversidades e destruir a democracia e a política.

Vamos fazer a junção dos dois momentos. O “Patriot Act” significou a ausência de liberdades individuais e a completa perda de privacidade nos EUA e para o mundo. O medo, gerado pelo ataque terrorista, e o uso desse sentimento a partir de então, para justificar as mais perversas e inomináveis reações, transformou o mundo e sinalizou uma mudança fundamental na maneira as sociedades se comportavam até então, a partir de toda a propaganda que se fez em torno da globalização.

A mentira como arma sempre esteve presente ao longo da história da humanidade. Mas a forma como ela se torna algo quase unânime decorre da exposição permanente de uma versão fantasiosa, repetida infinitas vezes e “demonstrada” por meio de informações não comprováveis, mas ditas enfaticamente por autoridades que a repete incessantemente sem que o contraditório seja apresentado. Pouco a pouco as pessoas vão assimilando aquilo que é dito com insistência, e assim se forma a “opinião pública”. O grande momento disso foi toda a propaganda feita para justificar a invasão do Iraque pelos EUA, com base em informações falsas e adredemente construídas com o apoio da grande mídia. Sim, a grande mídia é responsável pela origem das fake News.

Não vou entrar na análise do que aconteceu desde então, mas os fatos demonstram os equívocos cometidos nessas ações, e a perversão gerada com a destruição de países, ampliação do deslocamento de populações pelo mundo, insegurança, aumento da violência, e… a crise econômica global, cujo ápice se deu entre 2007 e 2010, mas que segue gerando instabilidade na economia mundial.

No entanto, as análises feitas pelos grandes jornais poucas relações fazem entre esses atos e a crise mundial. É como se de repente, do nada, as pessoas começassem a rever seus conceitos, aleatoriamente.

Mas nada é aleatório, tudo decorre de algum tipo de ação, não se pode falar em acaso, mas em causas. Contudo, negar a verdade, como estratégia de ação e de desconstrução do seu oponente, passou a assumir a condição de praticamente uma arma, a partir desses fatos que eu acabei de citar. E, em meio à falta de perspectivas, diante de uma grave crise que quase quebrou o sistema financeiro mundial, o medo adquiriu uma nova conotação. Já não mais somente diante da guerra, ou da violência cotidiana, mas diante da ausência de caminhos que indicassem as melhores alternativas para que cada um pudesse acreditar que o futuro seria melhor.

Passamos a vivenciar, principalmente a partir de 2010 uma virada no comportamento das pessoas, induzidas por discursos radicais, sectários, alimentados pela fé e instrumentalizados por práticas ultra-conservadoras, disseminadas em um ambiente tóxico que só piorava como consequência da crise econômica.

Dois momentos foram marcantes para acentuar esses comportamentos, em meio a um mundo que já não girava somente em uma direção, mas completamente sem rumo. O primeiro foi a eleição de Barack Obama. A bem da verdade as “fake-news”, em todas as suas dimensões, se amplificaram incontrolavelmente a partir de então. Sua eleição despertou nos setores mais conservadores, estimulados pelo fundamentalismo religioso, um ódio étnico-racial visceral e uma intolerância inédita nas relações políticas naquele país. O “Tea Party”, grupo que surgiu se contrapondo ao Obama se encarregou de espalhar mentiras o envolvendo e isso prosseguiu por todo o período em que ele foi presidente. Transformou-se numa estratégia política que teve sua experimentação mais determinante no plebiscito que aconteceu no Reino Unido, quando a população foi chamada para decidir sobre a continuidade ou não na União Europeia. O “Brexit” como esse movimento foi chamado se constituiu no laboratório por excelência de uma nova prática política, onde a mentira espalhada persistentemente pelas redes sociais passou a adquirir ares de verdade, e os fatos eram desconstruídos por discursos toscos, sem fundamentação na realidade, mas que se escoravam nas decepções, frustrações, sentimentos de desprezo pelas instituições e pela política, e na incapacidade das pessoas refletirem criticamente sobre realidades complexas, em um ambiente em que as tecnologias dos smartfones reduz a capacidade de compreensão, por meios de uma inundação de notícias. As desejadas, e tornadas críveis, passavam a serem aquelas que melhor se inseriam nos desejos de cada um. A verdade passa a ter, então, a conotação que cada um deseja dar a suas escolhas. Isso pode representar o fim da democracia e uma plena derrota da política.

A partir do Brexit, e logo em seguida, com a eleição de Donald Trump, a palavra “fake News” foi massificada por este que viria a ser o presidente dos EUA. E passou a ser utilizada contra a imprensa toda vez que suas ideias eram contrariadas ou que reportagens emitiam fatos pérfidos de sua trajetória de rico empresário. Os ataques nas eleições contra Obama e a sua candidata Hilary Clinton eram repetidas e compartilhadas celeremente por seus seguidores, sem que houvesse a menor preocupação em checar os fatos. Ao mesmo tempo, e de forma oportunista, a milhares de quilômetros de distância alguns jovens penetravam no mundo digital e alimentavam as mentiras, a fim de atraírem para os seus sites o maior número de visualizações e dessa forma faturarem dinheiro em cima de “fake News”. A cidade de Velez, na Macedônia, ficou famosa por abrigar um grande número de sites que se especializaram em interferir nas eleições dos EUA e em outras partes do mundo. Mas isso não se deu somente de forma espontânea, houve método nisso. Steve Bannon foi talvez o principal estrategista por trás desse processo de difusão de fake News. Assim como teve também uma participação importante no “Brexit” e nas eleições aqui no Brasil.

Mas é preciso, diante disso, e eu procurei contextualizar para que pudéssemos compreender como se dá esse fenômeno das fake News, e, principalmente, porque entramos nessa “era da pós-verdade”, saber duas coisas: o que é a verdade; e porque as pessoas se dispõem a acreditar em mentiras.

Primeiro é necessário compreendermos que a verdade não é, jamais, absoluta. Ela é sempre relativa e possível de ser questionada, e até mesmo, revista. Nesse aspecto é salutar saber que é a ciência e a capacidade crítica de investigar e avançar para além do que se deseja demonstrar como definitivo quem pode colocar qualquer fato sob questionamento. Uma verdade só poderá ser negada a partir da investigação científica e da comprovação de elementos que, primeiro desconstrua com comprovações aquilo que se estava afirmando até então, e que, em sequência, se apresente as comprovações do que se deseja apresentar como algo a substituir o que até então era verdade. Por isso que, em minha opinião, a dialética se constitui como o melhor método de discussão e investigação. Na medida em que propõe analisar qualquer fato a partir da identificação de contradições que aponte a falseabilidade naquilo que se apresenta, e, ao mesmo tempo, se impõe como uma antítese daquilo. Na impossibilidade de que essa antítese se apresente como algo definitivo, de difícil questionamento, a tese é o caminho para que se possa fazer a junção do conhecimento anterior com as novas compreensões que pretendem negá-lo.

O que não se pode, jamais, é desconsiderar algo sem que se tenham elementos comprobatórios para isso. A humanidade avançou exatamente estabelecendo esses pressupostos, em que a cada novas descobertas se ampliavam o horizonte dos conhecimentos e se avançava na produção de algo qualitativamente superior. Que não é, jamais, definitivo.

O que se pretende hoje, com alguns discursos obtusos, na desqualificação de áreas importantes das ciências humanas, é erradicar essa possibilidade de interpretação dialética, visando colocar determinadas visões de mundo, e interpretações da realidade, como sendo definitivas, ou imutáveis. Isso significa construir um mundo totalitário, onde o pensamento crítico se tornaria algo marginal e “perigoso”, como aliás funcionou em um tempo tenebroso, e por isso denominado de trevas medievais. Cito muito o filme “O Nome da Rosa”, que retrata um tempo onde o conhecimento estava sob controle da igreja e os que ousassem pensar de forma diferente seriam submetidos a julgamentos da inquisição e a serem mortos por questionarem os dogmas religiosos.

A outra questão, para além da verdade, que precisamos compreender é como e porque as pessoas se dispõem a acreditar em coisas que são ditas sem que haja a menor lógica por trás, ou sem que exista qualquer comprovação de que aquilo é fato e/ou real. Daí a importância de entender a contextualização. O que vai poder nos aproximar da compreensão do que faz isso ser possível é entender historicamente as condições reais de existências dessas sociedades e dessas pessoas, que as empurraram numa direção de cegueira e de crença radical em versões de acontecimentos que não correspondem aquilo que entendemos ser a verdade, porque possível de ser comprovada.

Naturalmente, colocarei aqui essas versões como sendo as verdades vistas por esses segmentos. Digamos que as fake News sejam para essas pessoas suas verdades. Para nós, que trabalhamos com o raciocínio crítico, dialético, a dúvida e a necessidade de comprovação são condições necessárias para acreditarmos. O que move, por outro lado, as pessoas que acreditam em fake News?

Bom, aí entramos em outras análises que se eu fosse me aprofundar não sairíamos tão cedo daqui. Creio que resumidamente eu poderia colocar como sendo a junção de como a tecnologia tem sido usada para difusão da informação e como também tem se constituído num componente forte do fortalecimento do poder das igrejas. Isso, com o uso em larga escala das redes sociais e das mídias, disseminam elaborações de fatos, versões ao sabor das conotações ideológicas (e aqui não faço distinção, isso serve para as igrejas, mas serve também para quem segue alguma ideologia, da esquerda à direita) que, repetidamente, se constitui como aquela verdade que se enquadra no viés ideológico, ou no interesse dos dogmas que se inspiram em outras verdades ditas como absolutas e imutáveis.

Com esses componentes, aliado às questões conjunturais (crise econômica, crise política, crise de valores, violência, xenofobia, intolerância… etc…) nos situamos numa realidade em que as pessoas, a partir da própria situação de radicalidade que ela foi construindo a partir dessas condições analisadas, usam da seletividade para ler e acreditar somente naquelas notícias e fatos que lhes interessam. Cada um passa, então, a fazer um filtro nas informações, e eliminam, assim, o contraditório. Dessa forma não conseguem identificar até onde aquilo no qual elas acreditam pode ou não ser verdade. Não há essa possibilidade do crivo quando eu elimino o contraditório, afasto-me do outro que pense diferente, abomino qualquer outro tipo de ideia que se contraponha à minha, não aceite um outro indivíduo pelo jeito dele ser, por sua condição social, de gênero, de escolhas políticas. Assim, cada um passa a ter a sua verdade, e a compartilhá-la somente com quem a aceite.

Ora, para fechar essa nossa conversa, eu finalizaria levantando uma questão fundamental para esse momento em que vivemos. A nossa humanidade depende de nossa capacidade de aceitação do outro, das nossas diferenças, a diversidade é a nossa maior riqueza. As pesquisas científicas existem para demonstrarem se aquilo que vemos, assistimos e acreditamos, merece ou não a nossa credibilidade. E a filosofia, a história e a sociologia são áreas da ciência que, juntamente com outras, tratam das relações humanas, das nossas condições sociais, da forma como nos comportamos e vivemos em sociedade. Na medida em que abominamos, primeiro, a necessidade de comprovarmos aquilo que nos é mostrado como verdade, e depois, quando extraímos do rol das ciências aquelas que são responsáveis pela compreensão de nossas condições humanas, estaremos nos direcionando para um ambiente cada vez mais permissivo do ponto de vista das relações sociais, intolerante e de não aceitação das diferenças. Penso que isso é extremamente perigoso, e, guardando-se as devidas proporções, e sem querer ser anacrônico, vai na direção daquele formato de mundo que o nazifascismo tentou fundar em meados do século XX e foi responsável pela morte de dezenas de milhões de pessoas.

Vivemos um tempo difícil, é verdade, mas devemos reafirmar a necessidade de estabelecermos relações sociais, solidárias e tolerantes. Enquanto cientistas sociais sabemos da nossa importância. Mas sabemos também que perfidamente existem mentes reacionárias que agem de maneira sinistra, insensível, e visam criar um modelo de sociedade onde a tirania e a ausência da crítica conduzam as pessoas cegamente em direção a abismos. Precisamos de um novo movimento iluminista. Luz, e que a claridade impeça que nosso futuro seja de trevas.

Creio que o melhor é construirmos um mundo em que a verdade seja questionável, não por meio de mentiras, mas por nossa capacidade de crítica, de dúvida e de curiosidade sobre nós mesmos e os fenômenos que nos cercam.

Minha máxima para hoje e sempre: duvidem de tudo! A verdade estará mais próxima de nós se formos questionadores da realidade. E fujamos das bolhas que as redes sociais se tornaram.

Enquanto é tempo.


* ROMUALDO PESSOA é historiador e geógrafo, professor da UFG.

PINT OF SCIENCE (festival que ocorre simultaneamente em diversas cidades do mundo e tem como objetivo aproximar a ciência do cidadão, por meio de uma linguagem acessível e em locais de lazer. Veja no site: https://pintofscience.com.br/?fbclid=IwAR0ZZQCPr2qkm3nX7OqFJkvFFCxqZNLNpoUkj6xdc41BYUOIk-m7_r8B_s4. Goiânia, 22.05.2019). Publicado originalmente no Blog Gramática do Mundo, https://gramaticadomundo.blogspot.com/2019/05/pos-verdade-como-compreender-um-tempo.html

[1] Neologismo é um fenômeno linguístico que consiste na criação de uma palavra ou expressão nova, ou na atribuição de um novo sentido a uma palavra já existente. Pode ser fruto de um comportamento espontâneo, próprio do ser humano e da linguagem, ou artificial, para fins pejorativos ou não (Wikipédia).

2 comentários sobre “Pós-verdade: como compreender um tempo em que se nega a Filosofia e as Ciências Humanas

  1. Boa recomendação pró saúde mental: 1)uvidem de tudo! A verdade estará mais próxima de nós se formos questionadores da realidade. 2) E fujamos das bolhas que as redes sociais se tornaram. Parabéns pelo ensaio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s