O manual da inquisição de 1484: o demônio tinha rosto de mulher

ROZENILDA LUZ OLIVEIRA DE MATOS * RESENHA:KRAMER. H. SPRENGER, J. O martelo das feiticeiras. Malleus Maleficarum. Tradução de Paulo Torres. 2 ed. Editora Rosa dos Tempos, RJ, 1991. Conforme reportagem da BBC News de 17 de setembro de 2021[1] o Malleus Maleficarum ou O Martelo das Feiticeiras, é um dos primeiros livros da história que … Continue lendo O manual da inquisição de 1484: o demônio tinha rosto de mulher

Mulheres que ganharam o Prêmio Nobel: desafios e resistências no campo da pesquisa

ROZENILDA LUZ OLIVEIRA DE MATOS* RESENHA:MCGRAYNE. S. B. Mulheres que ganharam o Prêmio Nobel em Ciências: suas vidas, lutas e notáveis descobertas. Tradução de Maiza F.Rocha e Renata Carvalho. Marco Zero. SP: 1994. No decorrer de quase um século, três por cento de mulheres receberam Prêmios Nobel, no entanto elas sempre estiveram presentes nos mais … Continue lendo Mulheres que ganharam o Prêmio Nobel: desafios e resistências no campo da pesquisa

Um espectro ronda as mulheres: o espectro da insuficiência

CAMILA GALETTI*** Eu não sei nem por onde começar.O que eu faço não é tão bom.A minha escrita é confusa.Quando vão descobrir que eu sou uma farsa? Esses são alguns exemplos de frases que ressoam no pensamento de boa parte das mulheres perante a desafios acadêmicos, dentre outros a depender da área de atuação. Eu … Continue lendo Um espectro ronda as mulheres: o espectro da insuficiência

Antonieta de Barros, a parlamentar negra pioneira que criou o Dia do Professor

ALINE TORRES* Antonieta de Barros, primeira mulher negra eleita no Brasil.INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE SANTA CATARINA Um menino no interior do Maranhão comemora o 15 de outubro, assim como uma menina gaúcha. O dia do professor é celebrado em todo o Brasil. Sabem esses estudantes quem é a extraordinária heroína brasileira que criou a … Continue lendo Antonieta de Barros, a parlamentar negra pioneira que criou o Dia do Professor

Anti-quarentena, antivacina, antidemocracia: reflexões sobre a ignorância política na Argentina e no Brasil

CAMILA GALETTI* JÉSSICA MELO** A cara descubierta, se indigna por la obligatoriedad del uso del barbijo[1]. “Es inconstitucional. No me pueden obligar a comerme mi propia mugre[2]”, afirma indignado[3]. Os movimentos antidemocráticos e ultraconservadores ascenderam nos últimos anos em diversos países na América Latina. Não apenas nesses locais, mas, sim, em nível global. Os resultados … Continue lendo Anti-quarentena, antivacina, antidemocracia: reflexões sobre a ignorância política na Argentina e no Brasil