Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Miscigenação e racismo: o branqueamento (3)

AUGUSTO C. BUONICORE ***   O racismo brasileiro sempre foi eclético. Existiam duas grandes correntes que, muitas vezes, se intercruzavam. A primeira, racista-segregacionista, condenava toda e qualquer ideia de miscigenação racial. Essa, em geral, conduzia a uma visão pessimista sobre o futuro do Brasil. A segunda apostava suas fichas no processo de miscigenação, visando a … Continue lendo Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Miscigenação e racismo: o branqueamento (3)

Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Oliveira Vianna: o racismo decadente (2)

AUGUSTO C. BUONICORE *** Oliveira Vianna (1883-1951) foi professor da faculdade de direito do Rio de Janeiro e, em 1920, iniciou a publicação do seu primeiro e mais importante trabalho Populações Meridionais do Brasil. Logo em seguida elaborou o ensaio de apresentação do censo oficial de 1920, Evolução do Povo Brasileiro. Estas duas obras o … Continue lendo Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Oliveira Vianna: o racismo decadente (2)

Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Nina Rodrigues: o negro como marginal (1)

AUGUSTO C. BUONICORE *** As ideias pseudocientíficas predominantes na Europa na segunda metade do século XIX influenciaram fortemente a intelectualidade brasileira até a década de 1930. As ideologias racistas, transvestidas de ciência, serviram para justificar as restrições à cidadania da grande maioria do nosso povo, composta de pessoas não-brancas, e buscaram transformar aquilo que seria … Continue lendo Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Nina Rodrigues: o negro como marginal (1)

Tradução, retradução, edição… Histórias de leitura

REGINA M. A. MACHADO*   Quem estuda a história do café não pode ignorar o clássico estudo de Stanley STEIN, Vassouras, Um município brasileiro do café, 1850-1900 (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1990) no qual a grandiosidade da “Velha província”, hoje esquecida, renasce inteira numa análise detalhada tanto das práticas agrícolas quanto da organização social … Continue lendo Tradução, retradução, edição… Histórias de leitura

Jacob Gorender e o caráter da Ditadura Militar de 1964-85

MÁRIO MAESTRI*   Combate nas trevas: a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada, de Jacob Gorender, foi lançado em 1987 pela Editora Ática, dois anos após a entrega da presidência pelo último ditador. Compreende-se seu rápido e enorme sucesso. Por primeira vez, realizava-se interpretação estrutural sintética do golpe militar de 1964 e, o … Continue lendo Jacob Gorender e o caráter da Ditadura Militar de 1964-85