O manual da inquisição de 1484: o demônio tinha rosto de mulher

ROZENILDA LUZ OLIVEIRA DE MATOS * RESENHA:KRAMER. H. SPRENGER, J. O martelo das feiticeiras. Malleus Maleficarum. Tradução de Paulo Torres. 2 ed. Editora Rosa dos Tempos, RJ, 1991. Conforme reportagem da BBC News de 17 de setembro de 2021[1] o Malleus Maleficarum ou O Martelo das Feiticeiras, é um dos primeiros livros da história que … Continue lendo O manual da inquisição de 1484: o demônio tinha rosto de mulher

“A aula não é dinâmica, professor!”

ALEXANDER MARTINS VIANNA* Penso que “defasagem” seja um termo bem oportuno para pensar a relação discente/docente no ensino público superior de humanidades, porque me faz pensar que estamos em “fases” (em sentidos espacial, temporal, político, ético e sociológico) bem distintas da “geração” já socializada em rede social e comunicação digital no capitalismo flexível periférico do … Continue lendo “A aula não é dinâmica, professor!”

Volkswagen, a filha dileta do Nazismo

CARLOS RUSSO JR.* Ao mesmo tempo em que Hitler desenvolvia seu plano para a conquista do mundo, ele também se dedicou arduamente a projetos de reconstrução de uma “nova Berlim”, de “uma nova cidadania”. Na realidade, todos esses projetos eram jogos, enquanto ainda se viviam tempos de paz. É claro que sem guerra, seus projetos … Continue lendo Volkswagen, a filha dileta do Nazismo

A História da Revolução Russa, de León Trotsky. Noventa anos após sua redação, oitenta anos após o assassinato de seu autor

MÁRIO MAESTRI*   “A posteridade o recordará como o historiador e o dirigente da Revolução de Outubro.” Jamais houve uma “versão tão grandiosa e esplêndida” dos sucessos de 1917 como A história da Revolução Russa de León Trotsky. Foi assim que, em 1963, Isaac Deutscher referiu-se àquela obra, ao publicar, em inglês, o terceiro e … Continue lendo A História da Revolução Russa, de León Trotsky. Noventa anos após sua redação, oitenta anos após o assassinato de seu autor

Como em Bristol, temos que derrubar as estátuas de Caxias?

MÁRIO MAESTRI*   As estátuas de escravistas e assemelhados estão sendo derrubadas em diversos pontos do mundo. E, na Inglaterra, grupos e partidos de direita organizam-se para defendê-las. Trump se nega a renomear bases, navios, fortes batizados em homenagem a militares confederados. Em alguns países, as autoridades recolhem estátuas e bustos mal-afamados preventivamente. O confronto … Continue lendo Como em Bristol, temos que derrubar as estátuas de Caxias?