Clássicos populares

WALTER PRAXEDES* Para escrever o romance Guerra e paz, uma obra que fascina pela beleza, tragicidade e a filosofia da história contida na narrativa, Tolstói reconheceu que contava com as melhores condições que uma vida aristocrática podia proporcionar na Rússia do Século XIX. Sabermos que um autor desfrutava de uma condição de vida abastada não … Continue lendo Clássicos populares

Estado e crimes legais: culturas teológico-políticas no Antigo Regime

ALEXANDER MARTINS VIANNA* O pressuposto moral-político de que o indivíduo deve se adequar física e moralmente às necessidades públicas do cargo de governante é um aferidor histórico do surgimento de uma concepção estatal de poder soberano na cultura política de uma elite letrada, independentemente da natureza burocrática ou estamental-patrimonial das instituições sociais e políticas na … Continue lendo Estado e crimes legais: culturas teológico-políticas no Antigo Regime

“1984”: ainda podemos ter esperança na humanidade, mesmo que esta seja desesperada? Orwell diz SIM!

CARLOS RUSSO Jr.* Caso alguém pudesse menosprezar todas “profecias” e previsões expressas por Orwell em “1984”, pelo menos duas delas são absolutamente inegáveis: por um lado, o sistema econômico não pode prosperar sem a produção contínua de armamentos, por outro, a liberdade e a democracia morrem quando se desata o armamentismo, pois o militarismo através … Continue lendo “1984”: ainda podemos ter esperança na humanidade, mesmo que esta seja desesperada? Orwell diz SIM!

Fábulas: o perigo de uma história única

CINTIA MARIA DE CERQUEIRA SOARES* Quando falamos sobre histórias na educação somos remetidos em primeira instância a textos destinados a crianças como contos clássicos, livros de autores infantis, fábulas, etc. E nesse ambiente de leitura mostramos nossa curiosidade, interesse e disposição para entender o mundo. Contudo, mediante os discursos de ideias subentendidas em textos diversos … Continue lendo Fábulas: o perigo de uma história única

Migrantes: excluídos ou “perversamente incluídos”

Pe. ALFREDO J. GONÇALVES* Dois livros, dois autores, dois testemunhos vívidos, com a diferença de quase um século entre ambos. Fotografam, um e outro, o drama de gente em saída. Se as árvores ao serem cortadas, deixam escapar o sangue da seiva que lhes corre nas veias, as pessoas sangram suor e lágrimas. A dor … Continue lendo Migrantes: excluídos ou “perversamente incluídos”