A favor das cotas para negros

ROSÂNGELA ROSA PRAXEDES*  WALTER PRAXEDES**   1. Quando o assunto é cotas para cidadãos negros nas instituições públicas de ensino superior, ainda não conseguimos entender porque muitos intelectuais desprezam o estudo daquilo que Marx chamava de “múltiplas determinações do concreto”, e se contentam com os argumentos contrários presentes no mais suspeito senso comum meritocrático. 2. … Continue lendo A favor das cotas para negros

Anúncios

O marxismo e a questão racial: as cotas

MÁRIO MAESTRI* A questão racial e a exploração do capital: de Kennedy a Clinton Até a II Guerra Mundial, a violência social, jurídica e policial manteve na opressão a população negro-estadunidense, essencial à super-exploração do trabalhado naquele país. Após o fim do conflito, a luta anti-colonial e socialista avançou fortemente na África, Ásia e Américas … Continue lendo O marxismo e a questão racial: as cotas

Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Miscigenação e racismo: o branqueamento (3)

AUGUSTO C. BUONICORE ***   O racismo brasileiro sempre foi eclético. Existiam duas grandes correntes que, muitas vezes, se intercruzavam. A primeira, racista-segregacionista, condenava toda e qualquer ideia de miscigenação racial. Essa, em geral, conduzia a uma visão pessimista sobre o futuro do Brasil. A segunda apostava suas fichas no processo de miscigenação, visando a … Continue lendo Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Miscigenação e racismo: o branqueamento (3)

Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Oliveira Vianna: o racismo decadente (2)

AUGUSTO C. BUONICORE *** Oliveira Vianna (1883-1951) foi professor da faculdade de direito do Rio de Janeiro e, em 1920, iniciou a publicação do seu primeiro e mais importante trabalho Populações Meridionais do Brasil. Logo em seguida elaborou o ensaio de apresentação do censo oficial de 1920, Evolução do Povo Brasileiro. Estas duas obras o … Continue lendo Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Oliveira Vianna: o racismo decadente (2)

Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Nina Rodrigues: o negro como marginal (1)

AUGUSTO C. BUONICORE *** As ideias pseudocientíficas predominantes na Europa na segunda metade do século XIX influenciaram fortemente a intelectualidade brasileira até a década de 1930. As ideologias racistas, transvestidas de ciência, serviram para justificar as restrições à cidadania da grande maioria do nosso povo, composta de pessoas não-brancas, e buscaram transformar aquilo que seria … Continue lendo Racismo e ciência no Brasil pós-abolição (1888-1930) – Nina Rodrigues: o negro como marginal (1)

O turbante da discórdia

MARCELO GRUMAN* Na semana passada, causou rebuliço o depoimento de uma mulher branca que, para esconder a calvície involuntária decorrente do câncer, decidiu usar um turbante na cabeça. Foi acusada, por um grupo de mulheres negras que estava no mesmo vagão do metrô, de indevida “apropriação cultural”, afinal, o turbante seria um objeto de uso … Continue lendo O turbante da discórdia

Misóginos e racistas?

MARCELO GRUMAN*   O governo interino de Michel Temer convive, além da pecha de “golpista”, com a acusação de ser misógino e racista. Isto porque sua equipe ministerial não conta, dentre os vinte e três nomes anunciados, com nenhum negro e nenhuma mulher. É a primeira vez, desde que a primeira mulher assumiu o comando … Continue lendo Misóginos e racistas?