Quatro verbos em favor dos migrantes

Pe. ALFREDO J. GONÇALVES, cs

Na audiência dos participantes do VI Fórum Internacional sobre Migração e Paz com o Papa Francisco, no dia 21 de fevereiro de 2017, em Roma, o Pontífice em seu discurso apresentou, entre outras coisas, quatro verbos que podem ser considerados como uma espécie de programa para a Pastoral dos Migrantes: acolher, proteger, promover e integrar. Em seguida, o Santo Padre afirmou que conjugar esses quatro verbos, no singular ou no plural, implica, para com os que são forçados a deixar sua terra natal, um dever de justiça, por um lado, e um dever de solidariedade, por outro.

Desnecessário lembrar que, em termos concretos, cada um desses verbos pode desdobrar-se em uma série de projetos e atividades especialmente nos países de trânsito e de chegada. Por sua vez, os deveres de justiça e de solidariedade voltam-se sobretudo para uma política de desenvolvimento integral nos países de origem, no sentido de impedir a migração compulsória. De fato, uma grande maioria dos migrantes, refugiados e prófugos nada mais faz do que escapar da pobreza, da violência e da guerra, numa fuga às vezes desesperada e com mínimas possibilidades de retorno. Por isso, se migrar é um direito, também o é aquele de permanecer no país de nascimento, com uma cidadania digna assegurada.

Não será ocioso confrontar esses quatro verbos com o chamado “credo histórico” do Povo de Israel, em suas duas versões: uma mais remota, em Ex 3,7-10; e outra mais elaborada, em Dt 26, 5-10. Os dois textos bíblicos combinados, como as palavras do Papa, apresentam quatro formas verbais, todas na primeira pessoa do singular e todas colocadas na boca de Deus: eu vi a miséria do meu povo no Egito; ouvi o seu clamor por causa de seus opressores; conheço o seu sofrimento; e desci para libertá-lo do poder dos egípcios e para conduzí-lo a uma terra fértil e espaçosa “onde corre leite e mel”. Também neste caso não seria difícil, com os quatro verbos, forjar um programa eficaz para a Pastoral junto aos Migrantes.

Olhando mais de perto. As três primeiras formas verbais dos livros do Êxodo e Deuteronômio se concentram na análise do fenômeno, que pode ser tanto a escravidão no Egito quanto o deslocamento massivo dos migrantes nos dias atuais: ver, ouvir, conhecer. Já o último verbo bíblico e os quatro utilizados pelo Pontífice apontam para a ação: descer, acolher, proteger, promover e integrar. Não seria exagero afirmar que o verbo “descer” faz a ponte entre a teoria e a prática. Depois de aprofundar as causas, consequências e implicações do fenômeno (escravidão e/ou migração), é preciso descer em campo: passar concretamente aos programas e ações. Teoria e prática se entrelaçam e se iluminam reciprocamente.

Mas o “descer” conjuga-se igualmente com o “dever de justiça e de solidariedade” apontados pelo Papa. Descer para libertar o povo escravo – diz o texto bíblico – e através do deserto levá-lo à Terra Prometida. Em outras palavras, além de uma boa assistência no trânsito e no destino, faz-se necessário combater o mal pela raiz. Daí a preocupação com a justiça e a solidariedade nos países de origem.  A acolhida ao migrante complementa-se com uma ação socioeconômica e político-cultural que possa transformar as relações nacionais  e internacionais, bem como as assimetrias que didivem “os ricos cada vez mais ricos às custas dos pobres cada vez mais pobres”, como já dizia o Papa João Paulo II, em discurso no México.

Caso não se conjuguem simultaneamente os esforços para reverter as causas profundas da migração forçada, de uma parte, e a assistência ao migrante, de outra, esta última se converte em numa tentativa de apagar o fogo soprando na fumaça. Um exemplo, também este levantado diversas vezes pelo Santo Padre: quem fabrica e quem vende as armas utilizadas nas guerras intestinas do países da África, do Oriente Médio e da Ásia? Em outras palavras, quem lucra com tais conflitos? Ou ainda, de que forma os governos desses países tornam-se, não raro, correias de transmissão para a transferência de renda e recursos naturais que vão enriquecer ainda mais os mega-especuladores financeiros dos paraísos fiscais e dos países centrais? Entra-se aqui no núcleo temático da Carta Encíclica Populorum Progressio, publicada há exatos 50 anos, pelo então Papa Paulo VI. “O desenvolvimento integral é o verdadeiro nome da paz”.

Anúncios

2 comentários sobre “Quatro verbos em favor dos migrantes

  1. A observação de um sujeito de direita não me deixa em paz: por que os refugiados islamitas preferem os países cristãos? Ora bolas, existem muitos países muçulmanos que deveriam acolhê-los ou eles próprios deveriam buscar neles a terra prometida. Ou deveriam procurar países com enorme extensão territorial, visto que os refugiados são milhares. Parece que ninguém quer ir para a Rússia -país de enorme extensão territorial,por exemplo, mas sim para um as ilhas britânicas!!! E os Estados Unidos como o país dos sonhos, uau!!! E o Brasil deveria ser mais generoso para com os refugiados. Gostaria de ver fundamentalistas cristãos se confrontando com fundamentalistas islâmicos e jihadistas. Outra coisa: a generosa atitude e falas do Papa Francisco não vemos em algum alto posto do islamismo.

  2. Alguém (nao me lembro quem) escrevia ja ha algum tempo que toda historia de migraçao é a consequência de uma tragédia. Mas os personagens das tragédias gregas eram todos nobres, de verbo alto e orgulho desmedido, capazes de provocar ecos até na morada dos deuses. Os pobres, cor de poeira, que chegam às fronteiras farpadas dos paises ricos, mal têm voz para suplicar…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s