É a economia, estúpido: ódio aos homossexuais, paixão por seu dinheiro?

grumanMARCELO GRUMAN*

Um dos nossos programas familiares favoritos é passear no Aterro do Flamengo aos domingos pela manhã, quando as pistas destinadas ao trânsito infernal carioca durante a semana estão fechadas. É possível, então, levar o filho e sua bicicleta, sua bola de futebol, uma cesta de piquenique e sentar sob uma das inúmeras árvores que compõem um dos mais belos cenários da cidade, tendo ao fundo o Pão de Açúcar. Não foi diferente no último domingo, quando desfrutamos da companhia de amigos e seus filhos, um deles comemorando seis anos de vida, cúmplice de brincadeiras e arranca-rabos com nosso Miguel, quase seis anos também. Miguel quis levar sua bicicleta, argumentamos que haveria outras diversões, ela ficou em casa. Para sua decepção, a amiga e o aniversariante estavam motorizados, ou melhor, “bicicletados”, a dele vermelha, a dela rosa. A certa altura, Miguel pede que o acompanhe numas pedaladas, aboletado na bicicleta rosa, eu argumentei que não havia necessidade, que ele já sabia andar, inclusive sem rodinhas, embora aquela bicicleta ainda as tivesse. Ele respondeu em seguida, revelando seu desconforto com a cor da bicicleta, rosa, cor de menina. Corri à frente dele e o perseguindo por alguns minutos. Quando voltamos do passeio, expliquei-lhe que não havia esse negócio de cor de menino e cor de menina. Na verdade, como todos nós sabemos, há, sim, cores de meninos e cores de meninas, o que não há é uma definição extemporânea, natural, essencial, desta diferença. Tal explicação ainda é profunda para meu filho. Quis-lhe mostrar que não deve ter receio de associar-se àquela cor se ele assim o desejar. Acredito firmemente que a vergonha de meu filho nada tem de preconceituoso, mas faz parte de uma visão de mundo ainda dividida por verdades absolutas, branco e preto, homem e mulher, certo e errado, ainda não há muito espaço para o questionamento das verdades, embora tentemos incutir a semente da dúvida sempre que possível. Ser mulher não é um problema, nem ser homem. A dificuldade, aqui, é afirmar o cinza, o que, sem dúvida, deve ser feito.

A preocupação do menino no caso da bicicleta é com sua associação ao sexo feminino, o mundo é feito de homens e mulheres. Para os adultos a coisa muda de figura. Pais de colegas da escola do Miguel, considerada “construtivista”, que valoriza, ao menos teoricamente, a autonomia do indivíduo e a importância da convivência mais ou menos harmônica entre diferenças sociais, políticas, culturais e de gênero, elaboram melhor esta oposição de gêneros. Ouvi, pelo que me lembre, ao menos um deles radiografando os alunos colegas de seu filho a partir de expressões corporais e gostos ou desgostos por tais ou quais brinquedos. A partir de determinados estereótipos ficou decidido, portanto, que algumas destas crianças, nascidas com o aparelho reprodutor masculino, estariam mais próximos do sexo feminino, resumidamente, apresentavam já todas as características necessárias para a rotulação de “gay”, estigma, é claro.

O problema do enraizamento de estereótipos e estigmas deve ser discutido desde cedo com as crianças, sob pena de acontecer o descrito por uma amiga de uma amiga: preocupada com o fato de o filho andar na ponta dos pés, a mãe o levou a um renomado ortopedista, que afirmou categoricamente, através, é claro, de argumentos científicos objetivos, que não havia qualquer problema com o andar do pré-adolescente de onze anos. O pré-adolescente, então, disse ao ortopedista que o problema quem o tinha era sua mãe, preocupada com a reação dos colegas de turma. Sua preocupação, então, era com possível “bullying” a ser sofrido pelo filho, especificamente aquele que “acusa” alguém de ser homossexual por seu jeito de andar, falar, suas expressões corporais e seu tom de voz. O problema é subjetivo, de representação, diz respeito à cultura, à forma como atribuímos significado, valor ou falta dele ao mundo, como dividimos o mundo em certas categorias.

Como demonstrou claramente o ortopedista, o problema não está no pé, mas na cabeça. O problema está na forma como a sociedade constrói sua representação de família, por exemplo, a família tradicional heterossexual, assumindo-se que a condição humana pressupõe sua reprodução, dando brechas para afirmações do tipo “aparelho excretor não reproduz”. É importante, aqui, deixar claro que opiniões individuais a respeito de escolhas do parceiro ou de certa “cultura” (cultura LGBT) devem ser tratadas como uma questão de “foro íntimo”, preconceito para uns, respeito à diferença para outros, em nada influenciando a Lei, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal de 2011, que reconheceu a união homossexual e seus necessários desdobramentos (pensão, herança, etc.). É importante destacar algumas falas dos ministros:

Onde há sociedade, há o direito. Se a sociedade evolui, o direito evolui. Os homoafetivos vieram aqui pleitear uma equiparação, que fossem reconhecidos à luz da comunhão que têm e acima de tudo porque querem erigir um projeto de vida. A Suprema Corte concederá aos homoafetivos mais que um projeto de vida, um projeto de felicidade (Luiz Fux)

Aqueles que fazem a opção pela união homoafetiva não podem ser desigualados da maioria. As escolhas pessoais livres e legítimas são plurais na sociedade e assim terão de ser entendidas como válidas. (…) O direito existe para a vida não é a vida que existe para o direito. Contra todas as formas de preconceitos há a Constituição Federal (Cármen Lúcia)

Estamos aqui diante de uma situação de descompasso em que o Direito não foi capaz de acompanhar as profundas mudanças sociais. Essas uniões sempre existiram e sempre existirão. O que muda é a forma como as sociedades as enxergam e vão enxergar em cada parte do mundo. Houve uma significativa mudança de paradigmas nas últimas duas décadas (Joaquim Barbosa)

Nos Estados Unidos, entretanto, as coisas são um pouco diferentes. Lá, em treze estados não é permitida a união de pessoas do mesmo sexo, com consequências negativas para a economia do país. Segundo recente reportagem d’O Globo, grandes corporações querem que a Suprema Corte do país derrube tais leis estaduais que proíbem (ou criminalizam?) o casamento homossexual. Numa mensagem enviada à Justiça, centenas de bancos e outras companhias, num total de 379, argumentam que os estados que ainda o proíbem “dificultem os esforços dos empregadores para recrutar e reter a força de trabalho mais talentosa possível nesses estados”. O documento tem um tom “pragmático”, explicitando que “a carga imposta por leis estaduais inconsistentes e discriminatórias de ter que administrar esquemas complicados para explicar o tratamento diferenciado dos funcionários na mesma situação gera confusão desnecessária, tensão e diminuição moral dos funcionários”. Em resumo, homossexuais geram lucro, por favor, deixem-nos trabalhar, o que é um papel de cartório permitindo que duas pessoas tenham relações sexuais consensuais no recesso do lar? Pouco importa se eu te desprezo, se te acho inferior, se gostaria de te matar, contanto que você mantenha meu estilo de vida extravagante, que minhas ações na Bolsa de Valores mantenham o “viés de alta”.

Esta visão “pragmática”, que prefiro chamar de hipócrita e estereotípica, faz parte do dia-a-dia da economia brasileira, das estratégias que empresas elaboram para atrair este “nicho de mercado” constituído da chamada comunidade LGBT. Num sítio da Internet voltado ao marketing, há oito razões para “dar valor a este público e constituir motivos para trabalhar com este nicho”. Algumas delas são:

  1. A população gay no Brasil ultrapassa 18 milhões.

“Não há como negar o potencial de um nicho que possui tantos adeptos. São 18 milhões de pessoas que usufrui de serviços, consomem e viajam diariamente. Só em nosso país”.

  1. A renda média dos homossexuais está acima de R$3.000,00 e 47% está na classe AB

“Os homossexuais configuram um cenário onde há melhor escolaridade, maior interesse à cultura como livros, museus e cinemas e também grande parte ocupa boas posições no mercado. Desta forma, o grupo ocupa um espaço de pessoas críticas, exigentes e que possuem dinheiro para investir e consumir”.

  1. Casais gays jantam fora dez vezes mais que os heterossexuais.

“O ramo alimentício é um dos mais atraentes para homossexuais. Por ser um grupo mais animado e curioso, grupos de amigos e casais adoram marcar encontros em restaurantes e provar diferentes tipos de comida enquanto conversam”.

  1. Como menos de um quarto deste público não tem filhos, há mais dinheiro disponível para gastar consigo.

“Muitos casais homossexuais adotam filhos ou, no caso de lésbicas, realizam a inseminação artificial. No entanto, a maioria dos casais opta por não terem filhos ou simplesmente demoram mais para tê-los. Assim, os gastos são diminutos e há um maior investimento em imóveis, carros e viagens. De acordo com a Associação Brasileira de Turismo para Gays, Lésbicas e Simpatizantes (Abrat-GLS), o perfil movimenta R$ 150 bilhões por ano no Brasil. Além disso, 78% dos gays têm cartão de crédito e gastam 30% mais que os héteros em bens de consumo”.

  1. A Parada do Orgulho Gay LGBT em São Paulo une mais de 3 milhões de pessoas

“A Parada Gay de São Paulo é um dos eventos que mais movimento a economia do país. São milhões de pessoas vindas de diversos lugares do Brasil e do mundo. Aqui, elas se hospedam, comem, fazem compras e conhecem as principais atrações da cidade. Ponto positivo para o lucro e para a internacionalização da cidade”.

Antes de fazer alguns comentários a respeito das dicas apresentadas acima, deve-se lembrar de que, segundo dados do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia de Estatística – IBGE, os casais homossexuais brasileiros têm, proporcionalmente, renda mensal média maior que a de casais heterossexuais. Quanto maior a renda mensal, maior a proporção de casais homossexuais e menor a proporção de casais heterossexuais. Por exemplo: na faixa de renda “mais de 20 salários”, homossexuais perfazem 1,4%; heterossexuais, 0,34%. E como eles gastam? Turismo é um caminho. Turistas gays que visitaram o Rio de Janeiro durante o Carnaval de 2015 gastaram 112% a mais do que os heterossexuais, segundo pesquisa realizada pela Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual com a Riotur. A pesquisa mostra que a despesa média diária dos homossexuais que visitaram a cidade foi de R$ 420,46, contra R$ 198 gastos por heterossexuais. O público LGBT injetou R$ 461 milhões no período, montante equivalente a 30,75% do total arrecadado pelo município durante a folia momesca.

Expostos os fatos objetivos, devemos prestar atenção em algumas expressões utilizadas pelos marqueteiros que revelam a insuficiência de uma abordagem economicista para a sobrevivência física e moral de indivíduos que, dentre outras características, estabelecem relacionamentos homoafetivos. Revelam, sim, o quão estereotipado é o grupo geralmente identificado pela sigla LGBT. Estereótipos podem ser positivos, podem ser negativos, mas em ambos os casos reduzem a diversidade interna ao grupo. Em primeiro lugar, gays são “adeptos” ao grupo, como os vegetarianos e, portanto, com direito a sair dele, a adesão pode ter sido um erro ou fruto de curiosidade. Diferentemente, heterossexuais não são vistos como adeptos, simplesmente nasceram assim, nada de excentricidades. Em segundo lugar, gays são encarados como um “grupo animado e curioso”, representação mais do que duvidosa, sem base na experiência concreta do cotidiano. A vida dos homossexuais não é uma eterna Parada Gay, bem como a dos heterossexuais não é um eterno Carnaval.

A cidadania dos gays brasileiros, pelo que se depreende das dicas está vinculada e condicionada ao consumo. A Parada do Orgulho Gay é um “ponto positivo para o lucro”. Por ocuparem “boa posição no mercado”, consomem livros, filmes, gostam de bons restaurantes e têm cartão de crédito. As perguntas que devemos fazer, entretanto, são as seguintes: o que acontecerá se os gays deixarem de gastar dinheiro? Ou se deixarem de ganhar dinheiro? O que fazer com os gays que não estão inseridos no mercado, que não participam deste mundo cor de rosa de vernissages e restaurantes cinco estrelas, como é representado o estilo de vida homossexual (há um estilo de vida homossexual?)? Gays pobres ou remediados não merecem respeito? Podem ser mortos? Ou apenas discriminados? Guetificados? São descartáveis? Não seria mais decente respeitá-los pura e simplesmente por sua humanidade e não pelo eventual lucro gerado por seu padrão de consumo?  A cidadania é um direito ou um bem?

Links relacionados:

* MARCELO GRUMAN é Antropólogo; Doutor em Antropologia Social (PPGAS/MN/UFRJ).

Anúncios

6 comentários sobre “É a economia, estúpido: ódio aos homossexuais, paixão por seu dinheiro?

  1. A cidadania é um direito, não há dúvida. Mas como quase tudo que desse lado do atlântico, pode ser mensurado, oferecido e sim, comprado. Acontece com gays e jogadores de futebol. Com pretos e cantadores de grupos de pagode. Eles são suportados em ambientes para onde não foi prevista a possibilidade da presença de determinados tipos. É assim humanidade à fora, como vejo. Neste (bom) artigo, mesmo nele há a descrição da realidade dos gays abonados como um “mundo cor de rosa”. Somos assim, mas acho que aprendemos com o tempo.

  2. Onde não se cultivam valores e banalizam-se virtudes, é a barbárie que ocupa seu lugar. Por isto,eu vos declaro marido e marida.

  3. É o que chamamos de moneycentrismo, que vai triturando a tudo e a todos, ao que parece, em nome do dinheiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s