Em inglês é mais bonito?

ANA CLAUDIA VARGAS*

 Forest_of_For_Sale_Signs_in_Oughtibridge_-_geograph.org.uk_-_714759

Em meio ao caos urbano de tantas cidades brasileiras somente uma coisa é certa: nos sábados de manhã seremos sempre agraciados – quando pararmos nos sinais – por simpáticas adolescentes que virão nos entregar folhetos de lançamentos imobiliários.

É assim em São Paulo ou Belo Horizonte e até em cidades medianas. Parece que distribuir folhetos desse tipo nos faróis é bastante vantajoso para as construtoras. Mas essa ‘vantagem’ não existe, é claro, para as próprias meninas – que ficam ali, sob o sol, expostas aos perigos representados por motoristas dos mais variados ‘naipes’ – nem para o meio ambiente – porque o destino de tantos papeis a gente já sabe qual será (e viva a reciclagem!).

Mas não é por aí que quero ir e sim por um caminho que não apresenta nenhuma vantagem já que podem considerar isso aqui desnecessário, redundante, requentado, antiquado e até (nunca se sabe), esquerdista (pois hoje em dia interpretação de textos é quase uma virtude).

Mas confiando também que talvez ninguém se disponha a ler porque é certo que gente muito mais preparada já escreveu sobre isso e nenhum furor foi instaurado porque, afinal, não se trata de um texto sobre os males do funk, do refrigerante ou do facebook…

Pois, apesar disso, esse é assumidamente um texto sobre a chatice que é ver em todos esses folhetos de lançamentos de imóveis – não importa em que cidade estejamos – o mesmo palavreado imobiliário-marqueteiro escrito em inglês.

E é porque recebi folhetos desse tipo na semana passada e vi essa mesma propaganda de sempre repleta de palavras como ‘downtow’, ‘business’, ‘living’, ‘gourmet’, ‘club house’ e por aí afora é que quis escrever isso. Estava lá o mesmo e raso marketing que parece ser padrão quando se trata disso, as tais imagens ‘meramente ilustrativas’ dos apartamentos, as caras mais que felizes das pessoas lindas e bem vestidas que posam de futuros moradores (espera-se que sejam todos bonitos e magros e brancos, bem entendido) e as indefectíveis palavras… em inglês, é claro.

Jogo perverso

O fato é nem vale a pena esticar o assunto e sei ainda que pareço uma pessoa extremamente atrasada para os padrões modernosos e gananciosos que guiam o mercado (não somente o imobiliário, como bem sabemos). Você sabe tanto quanto eu que a economia do mundo não está numa fase assim, entusiasmante (não; não é só aqui no Brasil, ok?). Vide a atual crise grega, há alguns anos, a espanhola; e anos anteriores, a argentina… Então, é certo que as construtoras precisam de todo essa publicidade para que possam vender seus empreendimentos e atrair compradores, pois é assim que funciona o capitalismo e se estamos nisso, é assim que se joga, certo?

O meu desagrado não está relacionado às regras do jogo porque, afinal, é preciso que haja construções para que haja empregos para que a roda continue girando (ainda que não saibamos até quando ela vai aguentar).

Sim: eu lamento profundamente que as cidades grandes e medianas não tenham mais áreas verdes e que esse mercado atue de uma forma que pareça privilegiar sempre e somente o povo das classes A e B (basta ver a cara dos ‘modelos’ nas fotos), mas em meio às tantas outras questões humanas não resolvidas, o meu lamento por isso não ecoará em parte alguma. (Mas devo, sim, escrever isso: que pena eu sinto das pessoas que trabalharão a vida inteira e nunca poderão morar em apartamentos confortáveis como esses que se estampam nos tais folhetos, o que cabe a elas serão sempre os cubículos em bairros distantes).

Mas, pedindo que perdoem tantas digressões, vou finalizando tentando voltar ao ponto anterior: minha birra com o inglês, minha birra com essa mania que as construtoras têm de achar que botando palavras em inglês tudo parecerá mais sofisticado e desejável, mais bonito, limpo e charmoso.

A pergunta simples é: porque esse desapreço tão grande pela língua portuguesa? Saibam que essa mania de inglês (e o pior: o mau uso que se faz dele) tem o efeito contrário: vocês estão passando um atestado de mediocridade e desconhecimento de seu próprio país e quem não conhece seu país, seu povo, sua cultura, é certo que não poderá construir o que quer que seja pensando nas pessoas que moram em seu país. Bom, mas quando se sabe que o público alvo é outro, faz algum sentido a ‘coisa’ toda.

Entendam: eu não sou contra os Estados Unidos, Inglaterra ou os demais países que tem o inglês como idioma oficial; e sim, eu sei o quanto é importante que se saiba inglês (e outros idiomas) para que portas profissionais e acadêmicas sejam abertas. O que eu humildemente gostaria era de, no sábado de manhã, receber folhetos imobiliários nos quais estivessem escritas palavras na língua oficial do país em que nasci: o Brasil. E eu também queria e repito, humildemente, é que as pessoas que atuam nesse mercado – desde os que projetam e constroem aos que fazem a divulgação – começassem a trocar o palavreado em inglês por palavras como ‘casa’, ‘jardim’, ‘cozinha’, ‘sala de estar’, porque isso soaria verdadeiramente genuíno, sincero e atraente.

E, sim: eu também sei que as escolas de publicidade/comunicação se desenvolveram baseadas, sobretudo, em documentos estrangeiros e é natural que isso se reflita nesses folhetos e panfletos, bem como nos variados produtos elaborados nos meios jornalísticos, publicitários e ‘marqueteiros’ em geral. Mas, essa ‘mania’ de optar sempre pelo inglês que atravessa literalmente ‘tudo’ – desde o nome da lojinha de bairro até daquela marca sofisticada e famosa – e que parece inofensiva, na minha opinião, tem consequências nefastas, pois confere ao Brasil e a nós todos que nascemos e moramos aqui uma eterna pecha de colonizados/apequenados; de um povo que sequer sabe valorizar o próprio idioma que sai de sua boca e que só se valoriza (mal) quando escolhe nomear seu negócio, seu empreendimento do que quer que seja com palavras da língua inglesa (que por sua vez, representam uma outra cultura que agrega outros significados e por isso parecem tão deslocados nesses folhetos e onde quer que os coloquem). Essa mania, aliás, beira o ridículo e já está mais do que datada. Gostaria muito que um especialista em linguística escrevesse sobre esse tema – associando-o à sociologia e cultura, por exemplo – pois eu queria mesmo saber, lendo alguém mais capacitado, se essa minha ‘birra’ tem algum fundamento. Alguém se habilita?

vegas* ANA CLAUDIA VARGAS é jornalista e escritora.

Anúncios

9 comentários sobre “Em inglês é mais bonito?

  1. Boa noite Expedito, primeiro: obrigada por ler e comentar; segundo: reconheço a importância da língua inglesa e deixei isso claro no artigo, no entanto, acho que a língua se relaciona de forma profunda com questões culturais, sociais e claro, com a identidade de um povo. Penso que a invasão dos ‘estrangeirismos’ e a opção (no marketing, sobretudo) por palavras em inglês contribui muito para o desapreço que vemos por aí, pela nossa língua portuguesa. Há casos em que é preciso utilizar o inglês, sem dúvida, mas há outros em que não há razão para isso.

  2. Bom dia !!
    Estamos em um mundo globalizado.Portanto o uso de expressões em língua inglesa é de suma importância.

  3. Olá Joma, Alfredo, Regina e Carlos: primeiro, fiquei muito grata pela leitura e comentários porque temas como esse são quase sempre vistos com desprezo, talvez porque alguns os confundam com atraso e não entendam que não se trata disso, pelo contrário, o respeito ao idioma que se fala é sinal de apreço e boa auto-estima e sem isso, um país não avança, penso eu.

    Joma: gostei da ideia do impeachment ao brasilês, mas não sei por onde poderíamos começar (rs) quem sabe trocando a tão ultimamente falada, palavra, por ‘impedimento’?

    Alfredo: também me achava uma voz no deserto e fiquei feliz por ouvir ‘ecos’ ao que escrevi !

    Regina: a rua Oscar Freire – que conheço de passagem – é daqueles lugares que se orgulham (e se esforçam) para parecerem o menos possível com o Brasil! Há cópias dessa rua em todas as capitais e cidades medianas brasileiras . O ‘povo’ escreve tudo em inglês e as vendedoras desses lugares (não todas, felizmente) costumam olhar para gente que tem cara de ‘Brasil’ com desprezo. Isso cria situações bizarras como o caso recente de um menino que por ser negro foi enxotado da frente de uma loja. O que acontece é que a visão distorcida de certas pessoas (como o povo dos ‘imóveis’) cria um ambiente que para ser ‘bonito’ (tudo em inglês é bonito, pessoas brancas são bonitas e etc.) deve excluir o diferente. Acho que de alguma forma o atraso todo pode criar situações relacionadas ao racismo e a tudo mais que você falou: o consumismo, o deslumbre com o que vem de fora (mas só se o de fora vier dos países de primeiro mundo, é claro; basta ver que os haitianos estão sofrendo bastante preconceito em alguns lugares, não todos). Essa história dos currículos serem rasgados, achei o fim! Que horror! Pensei que a França fosse um país ‘igualitário’ em todos os níveis (rs) Também acho que apesar de tudo, o Brasil é um país maravilhoso, de gente criativa nas artes em geral…acho que é por isso que os estrangeiros gostam tanto daqui (acabei de voltar de uma viagem às cidades históricas mineiras e vi muitos por lá passeando bem felizes). Está aqui o caso de racismo na Oscar Freire, caso queira ler.
    http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/03/menino-negro-e-expulso-da-frente-de-loja-na-oscar-freire-em-sp/

    Carlos: também acho que o Brasil tem tudo para ser protagonista mas precisa se valorizar e se conhecer primeiro e enquanto o Brasil ‘ficar de costas para o Brasil’ tudo vai continuar do jeito que aí está :-(.

    A todos: agradeço a leitura e se quiserem, compartilhem por aí!

    Abraços e abraços!

  4. Eu assino por baixo do que disse essa moça, a Ana Claudia Vargas. Há décadas venho me manifestando contra esse colonialismo cultural brasileiro, embora frequentemente me sentisse uma “Vox clamantis in deserto”. Fico feliz por ver que não estou sozinho.

  5. Cara Ana Claudia, que bom ler essa sua reclamaçao; é realmente achatado e achatante sermos reduzidos a gente que para falar macaqueia, em vez de se expressar.
    Mas voce me lembrou dois causos, que ai vao: ha alguns anos atras, ia eu desligada pela rua Oscar Freyre, tentando achar alguma coisa a preço razoavel, ja que me me haviam anunciado liquidaçoes por aqueles dias. Nas primeiras vitrines, demorou um pouco para cair a ficha, pois, vinda da Franca, em que “sale” quer dizer “sujo”, durante meio segundo fiquei pensando que estavam liquidando artigos usados, manchados ou algo assim. Havia uma butique que anunciava “saldos” ou “liquidaçao”, nao me lembro mais. Achei chique… Mas claro, a simplicidade elegante em geral é o que custa mais caro, entao, mesmo gostando, nao deu pra consumir…
    Outro casinho francês, e este tem mais a ver com o seu artigo, é o problema causado nesta crise de desemprego (pois é, aqui também) pelos nomes de batismo escolhidos pelos pais, e sobretudo pelos pais menos informados, que ha uns quinze anos atras puseram nos pimpolhos nomes como Kevin, Bryan, Anthony e outras joias da anglomania. Digamos que a classe média mais culta nao embarca nessa, ou bem menos, entao, os candidatos com esses nomes ficam visados e as agências de empregos hoje em dia, os dep de pessoal nas empresas, e outras instâncias mais, simplesmente os riscam das listas, rasgam os CVs que vêm com esses nomes, enfim, tudo fica mais dificil para eles.

    Pra terminar, apesar da pobreza verbal das agências imobiliarias e de todo o apelo ao consumismo (certamente o nosso lado mais bobo mesmo), cada vez que vou ao Brasil fico espantada com a vitalidade (apesar da bagunça), com a criatividade (apesar do eterno deslumbramento com tudo que vem de fora), com a riqueza da criaçao no cinema, no teatro, na literatura, etc.

    Bom, vou indo. Um abraço e obrigada pela leitura prazeirosa.

  6. Parabéns Cláudia,
    Esse uso desenfreado do inglês é realmente um absurdo. É um perigo para a nossa cultura, a nossa identidade, o que reflete em todos os setores. Ariano Suassuna que o diga. Também não sou contra americanos ingleses, sou contra é dessa lavagem cerebral que aos poucos vai sendo feita em todos os meios sociais facilitando a dominação do nosso povo que tem tudo para ser protagonista da história e não mero figurante como estão sendo treinados a ser.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s