“Veja” contra os infiéis

pauloELOÉSIO PAULO*

Freud pode ter cometido muitos erros, mas seus grandes acertos vão garantir-lhe sempre um lugar de grande pensador. Um desses acertos é a postulação de que os atos falhos revelam verdades que talvez preferíssemos manter ocultas. A revista “Veja”, expoente maior do PIG (Partido da Imprensa Golpista), cometeu um desses lapsos na sua matéria de capa intitulada “As soluções instantâneas capazes de fazer o Brasil virar um foguete”.

A reportagem é dividida em 11 temas que vão da economia à educação, da previdência social às obras de infraestrutura. Cada um deles é dividido em quatro tópicos: “Que problema resolveria”, “Efeito positivo imediato”, “Quem é contra” e “Como convencer os incrédulos”. Pronto, aqui está o ato falho: quem discordar da revista e de seus ilustres entrevistados é “incrédulo”, não uma pessoa que pense criticamente, pois as “soluções radicais e eficientes” que eles propõem seriam baseadas em “estudos independentes, abrangentes, irrefutáveis (…) que podem ser encomendados ao Banco Mundial”. É o que diz Edmar Bacha, que tem o inegável mérito de ter sido um dos formuladores do Plano Real, mérito que, no entanto, está longe de transformar sua fala em revelação da Palavra do Senhor.

Evidentemente os que não crerem que o Banco Mundial é independente e irrefutável fazem parte dos infiéis a serem convertidos. E nem é necessário dizer que os entrevistados formam um coro muito afinado entoando a velha melodia liberal, aquela mesma que, abençoada pelo Banco Mundial, recentemente levou à quebra da Europa e à crise norte-americana, com a qual Obama imprimiu 600 bilhões de dólares pressas, pressionando para baixo, no mundo inteiro, o valor da moeda mais sem lastro que já existiu em qualquer galáxia. É que desde Nixon, sabem?, o lastro do dólar é unicamente militar, o que acaba dando alguma razão às atitudes de ditadores paranóicos como Castro e Chávez.

Ouvindo a voz divina no monte Sinai, a “Veja” produziu um quase-decálogo. Talvez para evitar essa comparação, os tópicos da matéria são 11. Sim, porque nem tudo é ato falho na revista: não chamemos assim a foto de Aécio Neves na página 36, maior que a da presidente Dilma, esta com o rosto acabrunhado e cara de piedade, enquanto o pré-candidato do PSDB é retratado sorridente, de modo a transmitir confiança e larga visão do futuro. A velha lição de Goebbels… Falamos da mesma revista que, nos idos de 1988, publicou na capa o então candidato Collor carregado em triunfo por populares alagoanos, com o título de “O caçador de marajás”, e há poucos anos, também na capa, caracterizou João Pedro Stédile, do MST, como o Diabo.

A desfaçatez de “Veja” é particularmente escandalosa nas soluções infalíveis dadas para a educação. Uma senhora chamada Maria Helena Guimarães Castro, que ostenta o glorioso título de ex-secretária da Educação de São Paulo – e, como se sabe, a educação pública paulista tornou-se uma verdadeira maravilha em sua gestão –, propõe concentrar o poder nas mãos dos diretores de escolas, que seriam diretamente responsabilizáveis por resultados negativos do aprendizado. Nenhuma palavra sobre a qualificação dos professores. Sobretudo, nenhuma palavra sobre salários decentes, apesar de todos saberem que na Finlândia e no Canadá, países sempre citados como exemplo de educação eficiente, a carreira de professor ser uma das mais disputadas, e evidentemente não por aqueles lugares terem sido abençoados com um número maior de jovens vocacionados ao martírio: professores, lá, ganham bem, são respeitados pela sociedade e têm uma carreira na qual é possível crescer como profissionais e como seres humanos.

É claro que figuram na reportagem propostas boas, como a dos “castigos” para políticos, que se tornariam inelegíveis se determinadas metas econômicas e sociais não fossem cumpridas. Mas “Veja” se esquece de que, na democracia brasileira, nenhuma solução “radical e eficiente” é possível sem passar pelo Congresso, que costuma não ser nada radical (felizmente) e nem um pouco (ó, lástima!) eficiente. Talvez a revista tenha saudade da ditadura, por sinal apontada por Raul Velloso, mais um economista, como a idade de ouro dos investimentos no setor de transportes: naquele tempo era possível fazer as coisas de uma canetada, e exatamente por isso a rodovia Transamazônica, até hoje sem asfalto, é um ótimo exemplo de eficiência administrativa. Além disso, todos sabem que na ditadura não havia roubalheira, não é mesmo?

O brilhante democrata Armínio Fraga, tão importante na história política do Brasil, propõe a solução mais criativa: as mães poderiam votar, nas eleições, tantas vezes quantos filhos menores de 16 anos tivessem. O argumento é que só as mulheres teriam uma visão de futuro, dada a sua responsabilidade pela felicidade dos filhos. No mundo de Armínio não existem, supostamente, mães que jogam filhos recém-nascidos no bueiro, nem pais que dedicam a vida à felicidade das crianças que puseram no mundo. Esse é o mundo da economia fundamentalista; nele tudo é muito claro e previsível. É pena que a realidade seja tão diferente, e que mais uma vez, para fazer vingar a regra tão visionária imaginada pelo ex-presidente no Banco Central, fosse necessário aprovar uma lei no Congresso Nacional, onde o consenso é tão difícil e onde as barganhas passam necessariamente por ilustres políticos muito queridos de “Veja”.

Enfim, a revista nos dá um exemplo magnífico do jornalismo tal como se pratica hoje no Brasil. Manda às favas qualquer pretensão de imparcialidade, assume-se como partido político informal, demonstra abertamente que a comunicação de massa é um negócio e nada mais. Seria, por sinal, bem instrutivo verificar quantas das cabeças coroadas, entre as que opinam na matéria em questão, têm ou tiveram alguma ligação com o governo Fernando Henrique ou outras administrações do PSDB. De cabeça é possível citar quatro: Gustavo Franco (cuja gestão no Banco Central foi um desastre) e os citados Bacha, Armínio Fraga e senhora Guimarães Castro.

É um belo serviço esse que “Veja” presta à sociedade brasileira. Na maioria impraticáveis numa democracia, as sugestões apontadas, e especialmente o método usado para coligi-las, evidenciam o quanto o jornalismo está longe de ser o que as pessoas comuns imaginam. Apesar da urticária que a revista semanal dos Civita tem ao PT, em momentos assim ela se ombreia com o partido de Lula, o qual talvez tenha sepultado para sempre, no Brasil, a infeliz ideia de que um partido pode ser uma congregação monolítica de pessoas honestas e bem-intencionadas, capaz, por isso mesmo, de deter o monopólio da Verdade.

 

P.S.: Numa incrível demonstração de sua parcialidade, a Veja estampou em sua próxima edição, de 16/01, nada menos que dez cartas sobre as soluções mágicas. Nove delas elogiando e concordando, uma apenas – e muito timidamente – discordando da reportagem.


* ELOÉSIO PAULO é professor da Universidade Federal de Alfenas (MG) e autor do livro Os 10 pecados de Paulo Coelho (Editora Horizonte)

Anúncios

7 comentários sobre ““Veja” contra os infiéis

  1. Infelizmente o povo que paga a conta não lê a revista ou qualquer outra. Somente a elite pode comprá-la para lê-la. Assim, só serve para fofoca pra quem vive de eleição ou depende de eleitos.

  2. No Amapá, a coisa vai, já existe um novo modelo de democracia. O povo elelge os deputados estaduais, logo depois, vem o governador, negocia a saída de alguns deputados, que assumem secretarias e os suplentes são empossados. Isso é democracia? ou um ditadura do faz de conta, do não to nem vendo? Para onde estamos caminhando e ninguém diz nada. Se a seriedade tem valor para o crescimente, estamos fadados ao empobecimento.

  3. Mais uma excelente analise do Professor Eloesio Paulo – no final da leitura, a balança das informaçoes fica mais equilibrada.

  4. OLÁ ELOÉSIO, TUDO BEM?
    GOSTEI DO SEU COMENTÁRIO MAS DISCORDO QUANTO A SUA OPINIÃO SOBRE CHAVES E FIDEL CASTRO.
    UM GRANDE ABRAÇÃO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s